Lei do esforço

Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

sexta-feira, 08 de novembro de 2019

Certa vez escreveu o saudoso poeta e cantor Renato Russo, “Tudo o que você faz, um dia volta pra você. E se você fizer o mal, com o mal mais tarde você vai ter de viver”. E vice-versa. Todo o bem que você faz, em bem retorna para você. Para nós.

A bem da verdade, a vida nos ensina que a lei de causa e efeito é real, sem que para tanto precisemos crer em nenhuma profecia para que de fato possamos perceber que plantar e colher são causa e consequência interligadas de muitas situações, a exemplo do que acontece com a própria natureza, da qual fazemos parte.

E aqui faço referência especificamente à lei do esforço, sem intuito de traçar nenhum perfil técnico sobre a expressão, mas apenas um enfoque quase orgânico e natural sobre o tanto que o esforço plantado, certamente, cedo ou tarde, gera frutos. Sobre quais frutos, a intensidade do plantio e o tempo de colheita, só Deus pode definir. Mas o fato é que todo esforço empregado para o bem gera luz, contribui para nosso mérito acumulado e resulta em coisas boas. No tempo certo, o resultado vem, talvez não exatamente conforme o esperando, mas certamente da forma como era para vir. Se não nos empenharmos, creio que resultados satisfatórios serão bem mais difíceis de serem alcançados.

Segundo definição do clássico dicionário Aurélio, esforço pode ser definido como “ação enérgica do corpo ou do espírito; coragem; diligência; zelo; ânimo; vigor.” Outras definições o traduzem como a intensificação de forças físicas, intelectuais ou morais para a realização de algum projeto. Aquilo que se faz com dificuldade, empenho e trabalho.

É sobre isso que estou dizendo. Empregar energias, investir tempo, intensificar forças em prol de algum sonho, projeto ou ideal. Não raras vezes, pensamos que os esforços estão sendo em vão, pois os resultados esperados não acontecem muitas vezes conforme a ansiedade humana demanda. Mas a vida tem me provado, felizmente, que o empenho sincero por algo, sobretudo se a causa for verdadeira e for para o bem, de alguma maneira, retornará para nossas vidas em forma de êxito, realização, aprendizado e gratidão das pessoas.

Não vejo um atleta ser campeão sem ter enfrentado esforço diário da superação e do treinamento. Também não vislumbro um casamento feliz sem que o casal se empenhe diariamente por essa felicidade. O candidato aprovado em um vestibular difícil e concorrido, certamente empregou bastante energia no seu projeto de estudos. E por aí vai. Não podemos generalizar, claro, pois somos seres absolutamente únicos e especiais, com histórias de vidas particulares que diferenciam, inclusive nossas condições para lutar.

Mas de uma maneira geral, pessoas que vencem pelo caminho da honestidade e do bem, seja em que aspecto da vida for, certamente em algum momento precisaram decidir sobre o que desejavam plantar e esforçarem-se para semear. A colheita é uma consequência. E o tempo é de Deus.

Dificilmente conquistas grandiosas, relacionamentos felizes, prosperidade e satisfação pessoal caem em nosso colo sem esforço algum. É da vida. É saudável. Precisamos nos empenhar em nossos projetos e escolhas. E devemos fazer isso de forma leve, equilibrada e contínua, sem que precisemos prestar justificativas para os outros. É uma história entre nós mesmos e as forças superiores, as quais particularmente credito a Deus. Não vai ser fácil sempre. Não vai dar certo todas as vezes. Mas acredito sinceramente que se não movimentarmos a energia, será bem mais difícil alcançarmos o sonho de felicidade que todos temos.

Por isso, é fundamental termos responsabilidade por cada grão a germinar que plantamos na vida. A semente do esforço justo e sincero, certamente resultará no cultivo de um fruto de luz. E se nos mantivermos atentos, reconheceremos esses sinais e colheremos frutos doces e belas flores na vida.

Publicidade
TAGS:

Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.