Inverno da alma

Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018


Pelos próximos meses, a jornalista Laiane Tavares assina a coluna no lugar do titular Wanderson Nogueira. A Justiça Eleitoral determina que candidatos nas Eleições 2018 não podem apresentar, participar ou dar nome a programas de rádio e TV. A regra não se aplica aos órgãos impressos. Mesmo assim, o colunista e A VOZ DA SERRA, em comum acordo, optaram pela alteração neste período. Wanderson Nogueira volta a assinar o Observatório em outubro, após o período eleitoral.

 

Hoje é dia

  • do operador de rastreamento

O dia

Em 12 de setembro de 1957, José Lins do Rego, pioneiro do romance social nordestino, morreu aos 56 anos. Lins do Rego foi advogado, jornalista, romancista, cronista e memorialista. Ele nasceu no Engenho Corredor, em Pilar, na Paraíba, em 3 de julho de 1901. Entre suas obras, destacam-se “Menino de engenho” e “Riacho Doce”.

Palavreando

“A leitura traz ao homem plenitude, o discurso segurança e a escrita precisão”
Francis Bacon

Observando

Cinco notícias que talvez você não tenha visto

  • Fome cresce no mundo e no Brasil afeta cinco milhões, segundo relatório da ONU
  • Eleições para os legislativos estaduais atraem quase 19 mil candidatos
  • Mais pobres eram quase metade dos visitantes do Museu Nacional
  • Salvo pelo SUS, Bolsonaro não pretende aumentar recursos para o sistema
  • Buenos Aires registra alta de ataques organizados contra motoristas de Uber

Inverno da alma

Está frio, mas não é só a temperatura. É esse tempo onde muitos de nós se afastam. Congelados na imensidão do medo, do desespero e do horror se isolam em zonas de conforto excludentes, só os seus importam, como se todos não fossemos parte da mesma questão. A questão humana.

A naturalização dos discursos de ódio que cortam o horizonte e acinzentam a esperança está sequestrando o nosso futuro. Estamos indo de volta à um passado que li nos livros, pena que não lemos todos. Não podemos ser incapazes diante do mal que nos atropela fantasiado de solução. Pense nas piores coisas que já te aconteceram, elas sempre chegam assim, em um momento de desespero.

Para o Brasil esse é um momento de desespero, os últimos três anos foram os mais conturbados que acompanhei ao longo dos meus 31 anos. Mas isso não fez, nem por um segundo, que eu me afastasse da questão humana. Trato aqui como uma questão porque minha percepção de humanidade vai além da condição biológica. É algo além de corpo ou uma combinação genética de rastro evolutiva.

Eu tenho uma relação romântica com o que me cativa como parte do ser ‘ser humano’, e ainda nos guardo, em meio a todo caos, um final feliz. Infelizmente esse desfecho fica cada vez mais distante à medida que tantos de nós optam pelas curvas obscuras dos preconceitos, decidindo questões de estado de acordo com o que odeiam. Votando em quem espalha ódio no momento em que mais precisamos de amor. Por mais que tudo isso pareça cada vez mais natural, saiba que nada deve parecer impossível de mudar. A esperança é uma chama. Em meio aos passos que nos levam ao fim que não merecemos, respire um pouco, descongele todas as almas possíveis pelo caminho, desperte os sonhos com poesia.

“Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. 

E examinai, sobretudo, o que parece habitual. 

Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar”. (Bertolt Brecht)

Campanha do voto útil

Especialistas no cenário eleitoral e equipes estratégicas das campanhas presidenciais acreditam que os atuais acontecimentos que afetam o pleito adiantarão a prática de voto útil entre o eleitorado brasileiro. O voto útil é um instrumento que marca a história política do país, acontece sempre que o eleitor deixa de votar em seu candidato ou candidata que acredita ser o melhor para o Brasil para votar em quem tem chance de impedir a vitória de um candidato que acredita ser o pior de todos os cenários para o país.

Mudança na ordem de votação

A ordem de votação para a eleição deste ano mudou e é preciso ficar atento para não se confundir. A alteração está na troca de apresentação de deputado federal e estadual na urna eletrônica que passa a exibir para o eleitor, primeiramente, o painel para o cargo de deputado federal com 4 dígitos, seguido do deputado estadual com 5 dígitos. Em eleições gerais anteriores, o voto iniciava com o cargo de deputado estadual. Na sequência não há alteração em relação às eleições passadas, lembrando apenas que teremos de escolher dois senadores. De acordo com suas escolhas, você votará para senador primeira vaga com 3 dígitos, senador segunda vaga com 3 dígitos, governador com 2 dígitos, finalizando com o presidente também com 2 dígitos. Para não se confundir na hora, o ideal é preparar a velha e boa ‘colinha’. 

Foto da galeria
#OmelhorFrioDoRio - Mais um belo registro dos cenários do Country Clube compartilhado na página oficial da campanha “O melhor Frio do Rio” no Instagram.
Publicidade
TAGS:
Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.