Em nome de Tatiane

Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

terça-feira, 07 de agosto de 2018

Pelos próximos meses, a jornalista Laiane Tavares assina a coluna no lugar do titular Wanderson Nogueira. A Justiça Eleitoral determina que candidatos nas Eleições 2018 não podem apresentar, participar ou dar nome a programas de rádio e TV. A regra não se aplica aos órgãos impressos. Mesmo assim, o colunista e A VOZ DA SERRA, em comum acordo, optaram pela alteração neste período. Wanderson Nogueira volta a assinar o Observatório em outubro, após o período eleitoral.

Hoje é dia

  • estadual da Lei Maria da Penha
  • nacional do Documentário Brasileiro

O dia

Nasce Caetano Veloso

No dia 7 de agosto de 1942 nasceu Caetano Veloso. O baiano de Santo Amaro da Purificação foi um dos idealizadores da Tropicália. Em 1968 lançou o disco "Tropicália ou Panis et Circensis" ao lado de Gil, Gal, Tom Zé, Torquato Neto, Rogério Duprat, Capinam e Nara Leão. Caetano se destaca com os sucessos “Leãozinho”, “Você é linda” e o mais novo, "Todo homem”.

Observando...

Cinco notícias que talvez você não tenha visto

  • Terremoto na Indonésia deixa 98 mortos e mais de 200 gravemente feridos
  • Vice de Bolsonaro apoiou intervenção militar e chamou torturador de herói
  • Ministros do Supremo avaliam condições para aumentar salário de juiz
  • Japão quer receber mais imigrantes para conter escassez de mão de obra
  • Após alianças, Alckmin é quem mais terá tempo de televisão

Palavreando

“Oração do dia: Por graça e misericórdia àquelas que estão cansadas de serem fortes mas não lhes resta outra escolha”.
(Abigail Aquino)

Em nome de Tatiane

Um carro para na rua, uma mulher está apanhando, é retirada do veículo pelo marido e corre. Tenta se adiantar, entra com desespero no elevador, tenta fugir, fechar as portas, mas não consegue. As câmeras de segurança gravam tudo, desde a chegada do casal no prédio. Ela tenta fugir, desesperadamente, por todo o tempo, mas ele a alcança todas as vezes. Ela apanha mais e mais. Grita, pede socorro. Vizinhos escutam, as câmeras registram. Ninguém faz nada.

A violência continua dentro do apartamento. Um tempo depois seu corpo cai do 4º andar daquele prédio. O marido desce, carrega a jovem morta nos braços, deixa o corpo na sala do apartamento e sai de casa. A polícia é informada, chega e vê o sangue na calçada, sobe, corre. Arromba a porta. É tarde demais.

Tatiane Spitzner era advogada, tinha 29 anos e morava em Guarapuava-SP. Os laudos da perícia constataram que a vítima teve fratura no pescoço típica de esganadura. Tatiane foi enforcada. O marido, Luís Felipe Manvailer, de 32 anos, é o suspeito. Suas ações foram registradas em 14 vídeos naquela noite. O crime deve ser configurado como feminicídio, mas a dificuldade da sociedade, como um todo, de compreender as violências baseadas no gênero e na subjugação da condição feminina que fortalece os contextos discriminatórios e viabilizam a perpetuação dessas violências é o grande desafio para que estejamos preparados para atender ao pedido de socorro de outras.

Ninguém foi capaz de salvar Tatiane. Há uma máxima no Brasil: “Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher”. Mas os dados, a trajetória do machismo e suas raízes estruturais e estruturantes nos provam que não são apenas discussões casuais. O Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídio no mundo. Espalhem! Quanto mais pessoas souberem disso, mais preparados podemos estar para salvar outras vítimas, em nome de Tatiane, por sua memória, e de tantas outras que também não tiveram o pedido de socorro atendido porque a nossa colher estava na gaveta da indiferença.

Golpe do amor (1)

A fragilidade emocional está no alvo dos golpistas. O alerta é da alfândega da Receita Federal no Aeroporto Internacional de Guarulhos-SP. Criando perfis falsos nas redes sociais, criminosos iniciam falsos relacionamentos amorosos para extraírem dinheiro das vítimas usando o nome do fisco. Segundo a alfândega, cerca de dez ligações de contribuintes querendo confirmar a veracidade de instruções para depositarem dinheiro em contas de pessoas físicas, estão sendo recebidas diariamente.  As vítimas buscam se informar sobre liberação de encomendas ou valores supostamente retidos.

Golpe do amor (2)

O golpe começa com os estelionatários criando perfis falsos nas redes sociais, geralmente se passando por estrangeiros em boas condições financeiras e alimentam uma conexão amorosa com a vítima, declaram-se apaixonados, manifestam intenção de casamento e dizem enviar presentes como roupas, acessórios, joias e até documentos para um suposto noivado. Para darem veracidade ao envio, os golpistas chegam a criar sites falsos de empresas de remessas, inclusive com falso rastreamento de encomenda. Eles alegam, então, que os bens foram apreendidos pela alfândega e fornecem o número de uma conta corrente de pessoa física, que pertenceria a algum “agente” da Receita, para a liberação. Se a vítima faz o depósito, a quadrilha alega outro empecilho e pede mais dinheiro.

Orientações

A Receita esclarece que não exige qualquer pagamento em espécie nem depósito em conta corrente. Segundo o fisco, todos os tributos aduaneiros são recolhidos somente por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf). O órgão orienta ainda os contribuintes a consultar se a empresa de remessa está habilitada no Brasil, na página da Receita na internet. Em caso de dúvidas, o contribuinte pode contatar as unidades de atendimento da Receita Federal. Caso a pessoa suspeite estar sendo vítima de fraude, deve registrar ocorrência numa delegacia policial especializada.

Foto da galeria
A ponte de ferro de Riograndina em registro compartilhado na página da campanha “O melhor Frio do Rio” no Instagram.
Publicidade
TAGS:
Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.