Que 2020 venha calçado com sandálias!

Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Ao pensar sobre o que abordar nesta coluna de final de ano, uma palavra tomou conta do meu processo de escrita, sandália. Eu me perguntei por que o ano de 2020 estaria relacionado com esta ideia e passei a manhã sem entender a relação, a princípio estranha. Eu me pus a pesquisar com serenidade e fui surpreendida com os significados que esta peça milenar do vestuário reúne. 

A sandália, desde o século IX a.C., é a mesma da que usamos: uma sola com correias que são presas aos pés. No hebraico naal ou no grego upódema, as sandálias estão nos mais antigos registros, como nos desenhos rupestres, esculturas, pinturas e monumentos. Foi usada na Assíria, na Babilônia e na Pérsia e, ao longo do tempo, ganhou formas e hábitos relacionados ao seu uso, como tirá-las quando alguém adentra uma casa em sinal de respeito. Hoje, são estilosas e sinônimas de tranquilidade, conforto e simplicidade.

Ao percorrer as fontes de pesquisa, fui descobrindo que os significados que as definiram poderiam estar, de fato, relacionados às perspectivas que tenho com relação à 2020 e fui desvelando a inexplicável intuição que me induziu a este objeto que usamos com enorme prazer. Por isso, vou, com alegria, compartilhar com vocês estas ideias, aparentemente extravagantes nesta época do ano.

As sandálias significam proteção ao resguardar os pés das imundices do chão, inclusive as da vida diária que contaminam a espiritualidade da pessoa. Os sacerdotes não as usavam nos cultos porque pisavam em terrenos abençoados.

Desde sempre foi uma peça de vestuário popular e de custo barato, de modo que todos poderiam usá-la e comercializá-la a custo baixo. Muitos artesãos, industriais e comerciantes fizeram riqueza produzindo-as e vendendo-as.  

Quem tirava as sandálias e entregava-as a outrem, estava transferindo os direitos acerca de uma propriedade, dado que ao recebê-las e pisar na respectiva terra significava assumir a sua posse.

As pessoas quando realizavam tarefas ou ações quando calçados com sandálias eram dotados de força, com capacidade de realizá-las com completude porque os pés, tão delicados e carentes de proteção, delas precisavam para permitir o pisar ágil sobre diferentes tipos de terreno.

Jogar a sandália em alguém poderia demonstrar rejeição ou mesmo expressar sentimento de injustiça. Um modo de exaltar discordâncias e desentendimentos.

Dizem que sonhar com sandálias sinaliza uma viagem próxima, curta ou longa, de negócios ou de passeio. Também indica que momentos de paz estão por vir. 

Enfim, quando abrirmos os braços para o próximo ano, desejo que comecemos o ano calçando sandálias para caminharmos vigorosamente pelos seus 365 dias, colocando em prática estes significados. 

Salve 2020! 

 

Publicidade
TAGS:
Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.