Vamos falar de trânsito?

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

terça-feira, 22 de maio de 2018

Para pensar:

“A moral, propriamente dita, não é a doutrina que nos ensina como sermos felizes, mas como devemos tornar-nos dignos da felicidade.”

Immanuel Kant

Para refletir:

“O povo gosta de luxo; quem gosta de miséria é intelectual.”

Joãozinho 30

Vamos falar de trânsito?

Ao longo dos últimos dias diversos assuntos relacionados ao trânsito acabaram se acumulando, e talvez seja hora de darmos tratamento a eles.

Estacionamento rotativo

Restando aproximadamente 20 dias para a votação definitiva da nova Lei Orgânica Municipal, já com sua redação final, um dos pontos possivelmente conflitantes diz respeito à cobrança terceirizada do estacionamento rotativo em nossas vias.

Mas, para que possamos desenhar o cenário da discordância, cabe antes um pouco de teoria.

Tendência

Existe uma tendência mundial de devolução do espaço público aos pedestres, o conceito que muitos chamam de “cidade para as pessoas”.

Está claro que o número de automóveis já se tornou incompatível com a eficiência do deslocamento urbano, além de gerar estresse e altas doses de poluição física e sonora, sem mencionar as incontáveis ocorrências.

O futuro reside no transporte coletivo eficiente, em ciclovias regulamentadas e protegidas, e em áreas de circulação a pé, providas da devida acessibilidade.

Não há nada a se questionar aqui.

Lógica (1)

Portanto faz sentido, para cidades que atendam a tais requisitos, que a opção por utilizar transporte privado e fazer uso do espaço público seja cobrada.

Afinal, em tais localidades o cidadão tem outras opções e desloca-se em automóvel por escolha própria.

Não se pode admitir, no entanto, que tal cobrança exista num cenário onde o cidadão muitas vezes não tem escolha a esse respeito, sendo obrigado a se deslocar de automóvel porque não é bem servido pelo transporte coletivo ou não tem a disposição modais alternativos, como as citadas ciclovias.

Lógica (2)

Configura um ato de dupla penalização do contribuinte o fato de não serem oferecidas opções viáveis para seu deslocamento, e ainda assim ser-lhe cobrado por recorrer ao único recurso que lhe restou.

E foi diante de tal entendimento que a nova LOM incorporou cláusulas que estabelecem a obrigatoriedade de elaboração de um Plano de Mobilidade Urbana e do atendimento a outras exigências correlatas antes que se possa propor a cobrança do estacionamento.

Uma argumentação muito sólida, mas que encontra resistência em quem sonha acordado com esta fonte de receita.

Nossa situação

Note o leitor que o colunista nem mesmo entrou no mérito de terceirizar ou não a cobrança, mas simplesmente chamou atenção para algo que todos nós sabemos muito bem, estejamos dispostos a admitir ou não: Nova Friburgo, neste momento, não tem moral alguma para cobrar estacionamento nas vias públicas.

O procedimento certamente parece necessário, e tem potencial para gerar benefícios.

Mas, antes de cobrar, é preciso dar opções a estes trabalhadores para que se desloquem satisfatoriamente de outras formas.

Chamou a atenção

Mudando um pouco de assunto, mas ainda falando sobre o trânsito, não foram poucos os leitores que chamaram atenção para a situação dos agentes de trânsito durante o desfile dos 200 anos, e também no suporte às festividades que marcaram a semana.

O colunista puxou o fio e se deparou com algumas declarações que merecem atenção.

Caso específico

Falando especificamente sobre o desfile, alguns destes profissionais confirmaram que não podiam deixar seus postos, e que a estrutura montada não previa o suporte, por exemplo, de água ou alimentação para eles.

E que o mesmo se passou na escala para os shows na Ceasa, quando ficavam nas ruas das 16h até aproximadamente meia-noite.

Também no dia do desfile foram recebidos os novos uniformes, mas muitos deles vieram em tamanho incompatível e não puderam ser utilizados.

Preço alto

O colunista também apurou que chegou a haver um processo de licitação para o fornecimento de quentinhas, mas ao que consta não houve interessados na prestação do serviço.

O que mais espanta, no entanto, são os relatos de que o adicional por produtividade - que foi conquistado há alguns meses e hoje responde pela maior parte da remuneração dos agentes - estaria se transformado numa ferramenta de pressão e controle.

Fala-se, por exemplo, em casos nos quais o valor teria sido descontado mesmo diante da apresentação de atestado médico.

Concreto

Em meio a tantas declarações, é notório que a relação entre muitos dos agentes e a cúpula da Secretaria de Ordem e Mobilidade Urbana (Smomu) está muito desgastada.

Da mesma forma, fica mais uma vez exemplificado por que é preciso valorizar o funcionalismo público, dando prioridade a vencimentos dignos em detrimento de gratificações e outras remunerações instáveis ou flutuantes.

Espetáculo

A coluna não poderia deixar de parabenizar a Associação de Carros Antigos de Nova Friburgo (Acanf) por mais um encontro que uniu exemplares extremamente raros e preciosos daqui e de diversos cantos do Brasil.

O empenho da entidade e seus associados faz de nosso evento anual um dos mais importantes e elogiados do ramo em todo o Brasil.

É hoje!

Essa é para os profissionais e amantes da ciência em Nova Friburgo.

O secretário municipal de Ciência e Tecnologia, Marcelo Verly, informa que será realizada hoje, 22, a partir das 14h, a primeira reunião da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT 2018).

O encontro é aberto, e acontece no auditório do Centro Administrativo César Guinle (prédio da Oi), no 3º andar.

Complemento

Publicado neste jornal em série especial do bicentenário de Nova Friburgo, texto do jornalista Girlan Guilland (edição de 12 a 14 deste mês) trouxe informação da coincidência histórica do 251º aniversário do rei Dom João VI, naquele domingo, 13 de maio.

Na mesma publicação, ilustração de autor desconhecido recorda um passado que também merece ser lembrado em meio às homenagens.

Déjà vu

O desenho é familiar a algumas gerações de friburguenses, por fazer parte do acervo dos antigos colégios Externato Santo Antônio e Jardim de Infância Dedo Mindinho, do casal Carmem e Bernardino Vieira Gomes, ele também proprietário por muitos anos da livraria São Judas Tadeu, que funcionou muitos anos na Avenida Alberto Braune.

Pois bem, Dona Carmem e o sr. Bernardino são avós de Deborah Cunha, eficiente secretária do Clube do Trem, que recentemente resgatou o desenho, em meio a várias outras ilustrações didáticas daqueles educandários.

Rodada dupla

A Câmara Municipal de Nova Friburgo informa que haverá duas sessões ordinárias nesta terça-feira, 22.

A primeira, que foi transferida do último dia 15, acontece às 16h.

Já a segunda, que segue o calendário do Poder Legislativo, começará no horário habitual, às 18h.

Respostas

Reconheceram o peculiar lustre da Catedral São João Batista, desafio publicado na coluna da última sexta-feira, 18, os parceiros Marcelo Machado, Paulo Murillo Cúrio, José Nilson, Sílvio Poeta, David Massena, Manoel Pinto de Faria e Gilberto Éboli.

Parabéns a todos!

Foto da galeria
Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.