Sem freio

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Para pensar:

“Ganhar ou perder uma partida depende da gana que se tenha ao disputar o último ponto.”

Bjorn Borg

Para refletir:

"Sou o que sou, e se isso incomoda alguém é porque esse alguém não é o que diz ser.”

Provérbio norueguês

Sem freio

Ao fim do ano, quando boa parte da população friburguense estava viajando, a coluna fez uma retrospectiva em negativo de 2019, focada nas coisas que não aconteceram por aqui no ano que passou.

E, de forma inevitável, dedicou espaço às muitas denúncias encaminhadas ao Ministério Público (estadual e federal), que até o momento não geraram desdobramentos visíveis.

Às claras

À época, a coluna acrescentou seu entendimento de que mudanças sensíveis estariam a caminho em 2020, por parte de algumas forças fiscalizatórias da cidade.

Em essência, estas forças se cansaram de esperar por respostas, tanto mais quando começam a ouvir ironias por parte de personagens tão controversos quanto o vereador que é investigado em diversas frentes por sua trágica passagem pelo Executivo.

E decidiram tornar público o teor de tais denúncias, a fim de que a população avalie por si mesma a materialidade reunida.

Sem amarras

A coluna, que sempre prezou pela ética e guardou embargos voluntários sobre muitas destas informações a fim de não atrapalhar a atuação judicial, entende da mesma forma, e também se sente livre de tais embargos desde a virada de ano.

Certo, mas por que falar sobre isso agora?

Pelo ralo

A coluna entende que o vereador Professor Pierre irá começar a divulgar hoje, 14, em suas redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter e WhatsApp) informações apuradas em fiscalizações legislativas pessoais ou coletivas, denunciadas há bastante tempo ao Ministério Público.

Mais especificamente, detalhes sobre a compra de medicamentos realizada em 2017 por valores absurdamente acima daqueles praticados pela média nacional.

Coisa séria

Ao longo das próximas semanas o caso de cada medicamento cujo sobrepreço superou os 100% será apresentado em detalhes.

A coluna pode antecipar que já analisou a veracidade de tais dados a partir dos documentos que lhes dão respaldo, bem como a validade dos métodos comparativos tomados como referência, e por isso se sente confortável para repercutir aqui, com um dia de atraso, as mesmas informações.

Ouvidos moucos

Existem ainda histórias bem documentadas por trás de tais procedimentos, que eventualmente também serão lembradas ou contadas por aqui.

Desde já a coluna registra sua curiosidade a respeito da postura dos vereadores de situação diante dos dados que serão revelados, bem como dos órgãos que estão a par de tais situações há mais de dois anos.

Exames laboratoriais (1)

Dias atrás a coluna registrou que os trâmites burocráticos para a retomada dos exames laboratoriais na rede municipal de saúde pública haviam sido cumpridos no dia 23 de dezembro de 2019, e convidou os leitores a darem retorno sobre a prestação do serviço - que agora, vale registrar, vem sendo dividido por cinco laboratórios.

Exames laboratoriais (2)

Pois bem, nenhum leitor havia se manifestado a respeito até o fechamento desta edição, mas o colunista pode confirmar que teve contato com uma pessoa que não conseguiu agendar exame desta natureza semana passada no posto de saúde de Conselheiro Paulino, e acabou pagando R$ 180 na rede particular.

A coluna registra o fato para que possa ser apurado pela Secretaria de Saúde, e continua convidando leitores para que ajudem a esclarecer se a cobertura do serviço precisa ser melhorada, e onde.

Trailer?

Aconteceu na última sexta-feira, 10, a posse dos novos conselheiros tutelares de Nova Friburgo, concluindo um processo de renovação que mobilizou grande parte da sociedade no ano passado, em verdadeiro clima eleitoral.

Neste contexto, por sinal, o fato de a cerimônia ter sido realizada na Câmara de Vereadores pareceu especialmente apropriado.

Vírus

Afinal, diante do engajamento que se viu nas campanhas, ninguém deve estranhar se algum dos novos conselheiros se animar a concorrer, também, a uma vaga no plenário municipal.

Sabe como é, depois que o mosquitinho eleitoral inocula o vírus, fica difícil resistir aos apelos de novas campanhas.

Ainda mais com os altos índices de votação que foram observados nesse caso específico.

O futuro próximo dirá se a coluna acertou ou não na previsão.

Respostas

Provavelmente com medo de ficarem de castigo, os leitores deram um verdadeiro show de conhecimento em suas respostas ao desafio fotográfico publicado no fim de semana passado, construído a partir de foto de Henrique Pinheiro que mostra uma placa em homenagem a João Caputo, tendo o gramado do estádio Eduardo Guinle ao fundo.

Muito mais do que reconhecerem o estádio, os leitores relembraram fases da história de João Caputo através de depoimentos que a coluna toma a liberdade de reproduzir.

Acertadores

Pontos para Stênio de Oliveira Soares, Girlan Guilland, Rosemarie Künzel, Marcelo Machado, além da turma boa da banca de jornais da Rua General Osório, aqui representada por Manoel Pinto de Faria, Gilberto, Igor dos Santos e Lauro Éboli, que dessa forma lembraram de João Caputo: “Sonho de consumo da ‘molecada’ nas décadas de 50, 60 e 70. Sua loja, no edifício Central, à Praça Getúlio Vargas, tinha bolas para vender desde a de nº 1 (infantil e mascote) até 5 (primeiro time-adultos). Além de outros produtos (camisas esportiva, chuteiras, bola de tênis, basquete etc.) Foi, também, durante um longo período, presidente do Clube de Xadrez. Em termos locais, torcedor do antigo Fluminense F.C. Figurinha carimbada na história de Friburgo. Sempre quebrava o ‘galho’ dos que queriam frequentar a piscina do Clube de Xadrez e, às vezes, estavam ‘em atraso’. Merecida homenagem do Friburguense F.C.”

Memórias

Já Stenio lembrou que “João Caputo fundou a extinta Sapataria Bota Preta onde hoje funciona uma loja de roupas na esquina da Avenida Alberto Braune com a Rua Oliveira Botelho”.

Marcelo Machado, por sua vez, acrescentou que “Seu João foi proprietário da loja ‘O Chute’, na Praça Getúlio Vargas, uma das primeiras, se não a primeira, especializada em material esportivo em Nova Friburgo”.

Desdobramento

O amigo Girlan Guilland, por fim, recordou que “o Friburguense Atlético Clube, o nosso querido Frizão, em 14 de março deste ano completa seu 40° aniversário”, e lançou outro desafio aos leitores ao questionar se o “senhor João Caputo, seria o mesmo que dá nome a uma rua no bairro Nova Suíça, em Nova Friburgo, cujo CEP é o de número 28.605-724?

Ou ainda igualmente o nome do Estádio João Caputo Soares, na circunvizinha Santa Maria Madalena?”

Se alguém souber responder, a coluna terá prazer em publicar tais informações.

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.