Quem avisa...

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

sexta-feira, 05 de abril de 2019

Para pensar:

"Não há no mundo exagero mais belo que a gratidão.”

Jean de la Bruyere

Para refletir:

“Quando eu morrer, vou contar tudo a Deus."

Frase dita por um menino, vítima da guerra na Síria

Quem avisa...

O leitores devem estar a par de que a Câmara Municipal do Rio de Janeiro abriu nesta semana um processo de impeachment do prefeito Marcelo Crivella, correto?

Pois bem, entre as muitas notícias que têm sido publicadas a este respeito, algumas declarações de Crivella chamaram a atenção deste colunista.

Aspas (1)

Segundo o prefeito da capital, a prorrogação de um contrato com duas empresas de publicidade, em 26 de dezembro do ano passado, foi realizada “seguindo recomendação da Secretaria de Fazenda e parecer da Procuradoria-Geral do Município” (...) composta por advogados que são especialistas da melhor qualidade técnica do Rio de Janeiro. Então foi com o parecer de nossos procuradores que aceitamos aquilo que recomendava a Fazenda, que era fazer um aditivo ao contrato”.

Responsabilidade

Ora, existem várias questões aí, e algumas nos dizem respeito.

A primeira delas, claro, é que o amparo em pareceres não livra o prefeito de responsabilidades, até mesmo porque grande parte dos cargos em questão foram nomeados por ele.

Ademais, até mesmo por razões conceituais, a responsabilidade dos subordinados é sempre compartilhada com o(s) chefe(s), de tal forma que o gestor peca quando sabe que algo de errado está acontecendo, e peca também quando não sabe.

Vai vendo

Ainda assim, é curioso como, diante do apertar da corda em torno do pescoço, o prefeito logo se lembrou dos pareceres e do posicionamento de sua equipe técnica.

Curioso porque - e isso nós vimos muitas vezes por aqui em tempos recentes - quando um procurador exara parecer contrário aos planos governamentais, por entender que a legislação não lhes daria amparo, muitas vezes passa a ser visto como um infiltrado, um obstáculo, alguém que precisa ser tirado do caminho.

Inesquecível

Ou, nas inesquecíveis palavras de certo ex-líder do governo, alguém que não é confiável, e por isso não pode ocupar cargo de confiança.

Legal, não?

Por que, então, não passamos a dar os nomes corretos às funções, de acordo com o que a velha política delas espera?

Às claras

A soma dos recentes episódios ocorridos por aqui com o que atualmente acontece na capital do estado nos fornece exemplo cristalino de que, de forma inconfessável, muitos gestores olham para suas respectivas procuradorias muito mais como uma espécie de “bucha de canhão”, como avalistas de posturas questionáveis, do que verdadeiramente como conselheiros ou protetores das normas legais e da própria administração.

É o tipo de constatação que dá o que pensar.

Praça do Suspiro

Os leitores habituais sabem bem que este colunista é defensor dos grandes projetos, da ousadia administrativa, do pensar grande, e do resgate da autoestima friburguense.

Até mesmo porque, se somarmos tudo que vai pelo ralo, daria para fazer muita coisa legal por aqui.

Biblioteca Internacional

Por isso mesmo a coluna não pode deixar de lembrar à administração municipal todo o enorme potencial do belo projeto da Biblioteca Internacional, originalmente pensada para ocupar parte do terreno que está sendo desapropriado pela prefeitura, ao lado da Praça do Suspiro.

Num momento em que tão importante espaço está para ser incorporado à municipalidade, não custa nada revisitar aquela ideia e estudar sua viabilidade, inclusive no que se refere à possibilidade de emendas orçamentárias.

Sangue de campeão

A VOZ DA SERRA noticiou ontem, 4, que o hemocentro do Hospital Raul Sertã passará a funcionar durante um sábado a cada mês, de modo a facilitar a doação de sangue por parte de quem tem dificuldades de horário durante a semana.

A notícia é excelente, e a nova rotina começa no próximo dia 13, das 8h às 12h.

Estrela solidária

Evidentemente todos estão convidados a doar, mas o dr. Arthur Mattar, diretor médico do HMRS, teve a ideia de propor uma campanha de doação tendo como pano de fundo as torcidas de futebol.

Assim, a convocação deste dia 13 é toda especial para botafoguenses, que terão uma ótima oportunidade de manifestar sua paixão pela Estrela Solitária de maneira extremamente útil e nobre.

A coluna agradece de antemão a todos os doadores.

Respostas

A coluna bem que deu uma colher de chá, mas no fim o desafio publicado na coluna da última quarta-feira, 3, teve mesmo apenas um acertador, o amigo Girlan Guilland.

Que aproveitou e deu logo uma aula, pela qual agradecemos.

Aspas (2)

“A foto de nossa expert e amiga Regina Lo Bianco é do afresco central do teto do Chalet do Country Clube, construído em 1860 por Antônio Clemente Pinto (1795-1869), o Barão de Nova Friburgo, e projetado por Karl Frederich Gustave Waehneldt.”

Segue

"O plano do forro, ao centro, trata-se de pintura a óleo inspirada no afresco ‘A Aurora’, do pintor barroco Guido Reni, representando Apolo em seu carro de quatro cavalos, cercado pelas alegorias das Horas e do pequeno Putti portando uma tocha. A pintura decorativa do último quartel do século 19 é atribuída à Elviro Martignoni".

(Fonte: site "A Casa Senhorial, Portugal, Brasil e Goa - Anatomia dos Interiores)

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.