Linha direta

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Para pensar:

“Na primeira vez que me enganar, a culpa será sua, já na segunda vez, a culpa será minha.

Provérbio árabe

Para refletir:

“Qualquer coisa além do que precisamos é veneno.”

Jajal ad-Din Muhammad Rumi

Linha direta

Como parte do programa “Governo Itinerante”, o governador Wilson Witzel promete trazer seu gabinete para Nova Friburgo em algum momento do mês de abril.

Geralmente as visitas duram dois dias, tempo suficiente para que tenhamos a oportunidade de mostrar o canteiro do Hospital de Oncologia, falar sobre os problemas crônicos envolvendo o Detran e apresentar as necessidades de nosso precioso campus da Uerj, entre muitas outras demandas.

Plano de carreira

Conforme a coluna havia antecipado, as diferentes categorias do funcionalismo público municipal estão sendo ouvidas isoladamente, para a coleta de informações que vão nortear os trabalhos da comissão da prefeitura dedicada a elaborar o sonhado plano de cargos, carreiras e salários (PCCS).

Agenda

A diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Nova Friburgo (Sinsenf) passou à coluna algumas informações sobre os próximos encontros.

“O Sinsef já se reuniu com diversas categorias. Nesta quarta-feira, 27, o encontro será com a Guarda Municipal, a partir das 10h30; e com a Secretaria de Agricultura, a partir das 15h.”

Próximas semanas

“Nas próximas semanas o Sinsef vai se reunir com representações das secretarias de Educação, Saúde, Cultura e Fazenda, motoristas, serviços administrativos, trabalhadores braçais e garis, entre outras categorias, para que possamos encaminhar suas reivindicações à comissão da prefeitura e juntos com a Federação dos Servidores Públicos Municipais no Estado do Rio de Janeiro (Fesep) possamos elaborar o PCCS. A participação dos servidores é importantíssima neste momento.”

Faol responde

Paulo Valente, diretor da Faol, entrou em contato com a coluna para responder ao questionamento enviado pelo leitor Stenio de Oliveira Soares.

“Agradecendo pelo oportunidade de esclarecer a dúvida do leitor, que certamente deve ser a mesma de muitas outras pessoas, informamos que se o item ‘cobrador’ fosse o único a ser ponderado no cálculo da tarifa, a sua demissão seria mais do que suficiente não só para manter a tarifa no valor atual, como até para reduzi-la.”

Fórmula

“Explicando de forma sucinta, o cálculo da tarifa é até simples: se divide quanto custa a operação toda pelo número de passageiros pagantes, sendo o resultado dessa conta o preço da passagem. O principal fator de desequilíbrio foi aumento no número das gratuidades, que passaram a incluir a população de 60 a 64 anos de idade, sem qualquer fonte de custeio para isso. Essa medida significou que 170 mil viagens mensais deixaram de ser pagas, e esse custo acaba sendo repassado aos usuários pagantes.”

Aspas

“O custo com cobradores foi zerado/retirado da conta, mas entraram nela os aumentos de salários dos demais funcionários em 2017 e 2018, 7% e 3% respectivamente; os aumentos de combustível e óleos lubrificantes; o aumento do preço de pneus, peças e acessórios; o custo de implantação de sistemas de GPS, monitoramento por circuito interno de TV e o controle de gratuidades pela biometria facial exigidos pela Prefeitura; o custo de renovação da frota (que tinha idade média de 6 anos e hoje é de 3); o custo de colocação e operação de veículos com ar condicionado, que é bem mais caro que o dos ônibus sem ar e muitos outros.”

Convite

“Se nada for feito para restabelecer o equilíbrio econômico da operação corremos o risco de perder qualidade no atendimento à população de Nova Friburgo, como já ocorreu no passado e que não queremos ver acontecer novamente. Finalizando, convidamos o Sr. Stenio e demais leitores de sua coluna para visitarem a Nova Faol, onde teremos a oportunidade de mostrar planilhas, documentos fiscais e tudo mais que for necessário para esclarecer essa e outras dúvidas, com totais profissionalismo e transparência.”

Espaço aberto

O espaço naturalmente continua aberto a manifestações da Prefeitura ou de usuários do sistema.

Escuridão

O carnaval está aí, e o que já era um problema tornou-se ainda pior.

Dias atrás a coluna chamou atenção para a escuridão que tomou conta da Rua Augusto Spinelli e grande parte da Rua Monsenhor José Antônio Teixeira, graças a uma enorme deficiência de iluminação pública.

Nojeira

Pois bem, não é preciso pensar muito para perceber que a combinação entre escuridão e localização faz dessas ruas, sobretudo no período de carnaval, um local muito apreciado por foliões quando precisam esvaziar suas bexigas.

Existe certa urgência, portanto, para que o problema seja ao menos amenizado, em respeito aos muitos moradores da localidade, alguns de idade bastante avançada.

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.