Conto antigo

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

sábado, 15 de junho de 2019

Para pensar:

“Segure um verdadeiro amigo com ambas as mãos.”

Provérbio nigeriano

Para refletir:

“Aquele que não tem nada pelo que morrer, não tem nada pelo que viver.”

Provérbio marroquino

Conto antigo

Permitam-me dividir com os leitores uma antiga história que vem sendo passada de geração a geração entre os índios Mapuches.

Qualquer semelhança com nossa realidade cotidiana, claro, é mera coincidência.

Os avisos

Certa vez, num reino muito antigo entre as montanhas onde o grande cão de pedra escolheu para repousar, uma cidadã respeitável recebeu o convite para ser a imediata de um conselheiro do rei que gozava de péssima reputação entre aqueles que conheciam sua índole.

Tão logo aceitou o convite, muitos amigos avisaram que ela estava se metendo com pessoas sem caráter, e que na melhor das hipóteses iria manchar a própria reputação.

A confiança

Disseram também que seu superior costumava usar as pessoas, e não hesitava em transferir a subordinados a culpa por seus atos quando algum de seus planos vinha à tona.

Ela, todavia, era muito vaidosa e se julgava esperta demais para cair em armadilhas.

Aceitou o cargo com alegria e jogou conforme as regras que lhe foram apresentadas, confiando demasiadamente em si mesma e em quem estava lhe estendendo a mão.

Decepcionou alguns amigos, mas seguiu em frente.

A subida

Quando as armações do conselheiro começaram a chamar muita atenção entre os camponeses, e já era evidente que forças externas estavam em ação para determinar seu afastamento, ele fez uso dos segredos que sabia para assumir outra função, antes de retornar ao ambiente no qual desfrutava de imunidade.

E assim ela deixou de ser subordinada para se tornar conselheira, acreditando ainda mais fortemente que tinha todo o respaldo necessário para dar vazão à sua natureza um tanto autoritária e arrogante.

O problema

Ações de sua parte geraram sério desconforto entre alguns membros da corte, notadamente ao descumprirem um acordo importante para o rei.

Isso gerou prejuízos, e fechou um importante canal de diálogo.

Era grande a pressão para que a conselheira fosse destituída, mas ela ainda sentia-se segura por conhecer os mesmos segredos que haviam sustentado seu antecessor.

Sabia das pressões sobre os ombros do rei, mas se sentia no controle da situação.

A queda

Até que um dia ela foi traída pelo excesso de confiança.

Disse para várias pessoas algo que jamais poderia dizer, que nem ao menos poderia pensar, tanto mais exercendo a função que exercia.

E então se surpreendeu ao ver que não tinha o respaldo que julgava ter, e ao descobrir que havia decepcionado muita gente e colecionado desafetos.

O oportunismo

O rei viu no escândalo a oportunidade de se livrar da conselheira e restabelecer relações que haviam sido abaladas.

E mais: o conselheiro que a havia antecedido, e no qual ela havia confiado a despeito dos alertas de muitos amigos, viu no escândalo a oportunidade perfeita para atribuir a outra pessoa a responsabilidade por muitos dos erros que ele próprio idealizou e cometeu.

E o pior é que muita gente acreditou.

Moral da história

A história é contada aos jovens índios com muitos intuitos.

Lembrar que quem levanta demais o nariz tropeça com mais facilidade; recordar que o jeito mais fácil de se perder é acreditar que já conhece o caminho; explicar a importância de dar atenção aos apontamentos feitos por amigos verdadeiros; e ensinar aos jovens a importância de escolher suas companhias pela índole, e não pelo que podem lhes oferecer ocasionalmente.

Raio de alcance

Voltando para nossa realidade friburguense, a repercussão nacional do áudio da ex-secretária Tânia Trilha, claro, causou enorme desgaste às relações de sustentação política do governo municipal junto a padrinhos políticos e instâncias superiores.

O ex-deputado Comte Bittencourt, por exemplo, já não esconde a decepção com o governo Renato Bravo e depois desta revelação certamente não terá mais condições de continuar a apoiar o prefeito.

Perspectivas

A perda de um padrinho de tanto crédito e influência, por si só, já seria uma chacoalhada e tanto para o governo, mas é claro que este movimento - ainda não confirmado oficialmente, mas nítido o bastante para que possa ser colocado aqui - joga também nova luz sobre o cenário político de 2020, pavimentando o caminho para uma possível candidatura do PPS, quase que certamente encabeçada pelo presidente da Câmara Alexandre Cruz.

É esperar para ver...

Bom exemplo

O geógrafo Pedro de Paulo continua a municiar a coluna com bons exemplos no que diz respeito a descarte consciente e preocupação com o meio ambiente.

“No sábado passado, 8, estive em Lumiar com um grupo de lobinhos da Alcateia Lobo Guará (escoteiros mirins) e fizemos um pequeno mutirão de limpeza da margem do Rio Boa Esperança em frente às caçambas de lixo da entrada de Lumiar, ao lado de onde era o antigo posto de gasolina.”

Passar adiante

“O objetivo foi conscientizar as crianças sobre a importância da preservação do Meio Ambiente, e não descartar lixo fora dos lugares corretos. Muitos motoristas observaram a ação e houve até quem parasse para manifestar espanto diante da quantidade de lixo que retiramos da margem do rio em pouco tempo.”

“Após o rápido mutirão (que foi simbólico, durou apenas uma hora aproximadamente), fizemos uma caminhada para o poço do Giannini. A atividade ecológica fez parte da 2ª Semana de Sensibilização Ambiental promovida pela AMA Lumiar.”

Absurdo

“No domingo, 9, eu e um dos coordenadores ainda estendemos uma ação de limpeza no rio Macaé, altura de Santa Margarida (Lumiar), na margem oposta. Fomos à nado, em um trecho isolado. E coletamos, entre partes de isopor, 86 embalagens PET em um espaço de aproximadamente 10 m².”

A coluna agradece de coração a todos que se dedicam a este belo trabalho voluntário, e apela à população e à administração pública para que unam esforços no sentido de tornar mais eficiente o descarte de lixo em nossa cidade.

Allons Chanter

Olha só que notícia maravilhosa.

A Aliança Francesa de Nova Friburgo torna pública a renovação de seu coral infantojuvenil.

A partir deste sábado, 15, a unidade irá acolher 50 jovens estudantes da rede municipal de ensino, que além de integrarem o coral darão início ao aprendizado da língua francesa.

Rede de apoio

Este belo projeto começou há seis anos, e conta com uma equipe que inclui uma mestra em Educação (Margarida), um maestro (Jofre Evandro), um músico (Thiago), uma psicopedagoga (Andreia), uma instrutora de língua francesa (Rachel) e uma coordenadora operacional (Lígia).

Oportunidade

O projeto dá também à sociedade a oportunidade de exercitar a solidariedade, e colaborar com doações a uma iniciativa que efetivamente muda histórias de vida.

Quem quiser “adotar um aluno”, ou ajudar com qualquer quantia, pode fazer depósitos na conta da Associação de Cultura Franco-Brasileira, no seguinte endereço: Banco Itaú AG 6542 Conta 06802-5 CNPJ 00.434.534/0001-26.

Tarde meditativa

Neste domingo, 16, o Centro Budista Chagdud Gonpa Dechen Ling (Rua Alpina, 14 - Cônego) promoverá uma tarde meditativa, descrita como um “encontro conduzido pelo instrutor de meditação Alexandre Saioro, voltado para uma introdução na visão e meditação budistas, através do estudo dos ensinamentos dos grandes mestres”.

A atividade começa às 15h30 e é gratuita, ainda que admita contribuições espontâneas. Alexandre Saioro é jornalista especializado na área da saúde e iInstrutor de meditação pelo Chagdud Gonpa Brasil.

Retificação

A coluna cometeu um equívoco na edição de sexta-feira, 13.

O saudoso Hédel Luis Nara Ramos, natural de Cantagalo, faleceu há poucos meses, no dia 30 de dezembro de 2018, e não há 28 anos, como foi publicado.

Aos leitores e familiares a coluna pede desculpas pelo erro.

Foto da galeria
Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.