Compromisso

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Para pensar:

“Coisas que nos parecem impossíveis, só podem ser conseguidas com uma teimosia pacífica.”

Mahatma Gandhi

Para refletir:

“E seja pelo que for, por teimosia talvez, eu sempre vou seguir.”

Bibiana Benites

Confiança

O Massimo mantém uma relação de franqueza com os leitores, que funciona em mão dupla.

Volta e meia, por exemplo, algum leitor cria um perfil falso e envia e-mail fazendo denúncias anônimas.

Todas essas mensagens são ignoradas pelo colunista, mesmo quando a informação é comprovadamente verdadeira.

Compromisso

A essa altura os leitores habituais sabem bem que a ética profissional que rege este espaço jamais nos levou a divulgar a identidade de alguém que tenha solicitado anonimato.

Expedientes como o citado na nota anterior, portanto, tornam-se absolutamente desnecessários, a menos que a pessoa não possa assumir o que está dizendo.

E aí a credibilidade cai por terra.

Lá e cá

Tal postura, contudo, nos permite construir uma relação de respeito que extrapola os limites convencionais do jornalismo, a ponto do colunista não negar aos amigos informações como sua paixão por um clube específico de futebol, ou - essa é nova - sua falta de afinidade com o carnaval.

Afinal, os leitores também têm o direito de saber com quem estão interagindo.

Isenção

Tal falta de entusiasmo pela festa, todavia, nos assegura a isenção necessária para uma ponderação que tem amadurecido recentemente nessa cuca adornada por cabelos brancos.

A vida inteira nós ouvimos falar em carnaval enquanto alienação, ferramenta de distração e dominação, e é claro que em casos específicos isso se observa mesmo, em diferentes graus.

Mas não é só isso, não é verdade?

Teimosia

Porque o passar dos anos tem reforçado a impressão neste colunista de que existe algo a mais nessa festa que sobrevive - e ousa crescer! - nadando contra as marés das más notícias e da desesperança.

Cada vez se solidifica mais a sensação de que existem altas doses de teimosia e resistência nessa determinação em não abrir mão da felicidade, apesar de tudo.

E isso é algo poderoso, algo a ser respeitado.

O meio é a mensagem

Aliás, já é possível apostar que o Carnaval 2018 deve ser lembrado no futuro justamente por ter elevado a novos patamares uma politização que sempre - ou quase sempre - esteve lá.

O fato é que as ruas mandaram várias mensagens, e terem feito isso em meio a uma festa é mais uma delas.

Por aqui...

Olhando para Nova Friburgo, ainda que o saldo da festa tenha sido amplamente positivo, algumas coisas podem e precisam melhorar.

Ainda estamos muito distantes de uma festa sustentável e efetivamente para todos os povos.

Pode melhorar

Precisamos de mais banheiros químicos (e mais educação), precisamos dar encaminhamento melhor ao lixo que produzimos, precisamos licitar com mais antecedência, precisamos - e isso vai levar tempo, mas é inevitável - de um local mais apropriado para a realização de nossa festa.

Não é possível imaginar a Nova Friburgo doS 300 anos, em 2118, ainda com os desfiles acontecendo na Avenida Alberto Braune.

Contrariedade

E se a turma do “bloco da limpeza” continua merecendo nota 10 e toda a nossa gratidão, o fim da festa também deixou claro que o samba deu uma atravessada lá pelos lados da Secretaria de Mobilidade Urbana.

Diante da reclamação de que não havia ninguém para direcionar o trânsito durante a interdição da Alberto Braune para limpeza, na manhã da quarta-feira de cinzas, alguns agentes elaboraram uma resposta que deixou transparecer certa contrariedade com algumas decisões que vêm sendo tomadas.

Resumo

Em essência, a nota fala em falta de diálogo, reclama do fim do plantão de 24 horas, afirma que ninguém foi escalado para aquele horário, e que os agentes que trabalharam durante todo o carnaval estavam cansados.

Enfim, é claro que ninguém está mal intencionado em qualquer um dos lados dessa história, e a coluna toca no assunto apenas para estimular o diálogo e mostrar alguns pontos nos quais a festa pode ser melhorada para as próximas edições.

Respostas

O leitor do Massimo assobia e chupa cana ao mesmo tempo.

Enquanto pula o carnaval, arruma tempo para mandar a resposta ao nosso desafio.

Registre-se para a eternidade, portanto, mais um ponto somado por Girlan Guilland, José Nilson, Manoel Pinto de Faria, Gilberto Éboli, Silvio Poeta, Tânia Nicolau, Cristielton Viana, Rosemarie Künzel e Renato Mendes.

Parabéns a todos!

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.