Igreja Imaculado Coração De Maria São Pedro E São Paulo

Janaína Botelho

Janaína Botelho

História e Memória

A professora e autora Janaína Botelho assina História e Memória de Nova Friburgo, todas as quintas, onde divide com os leitores de AVS os resultados de sua intensa pesquisa sobre os costumes e comportamentos da cidade e região desde o século XVIII.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Há algumas semanas, fui visitar o simpático e carismático padre Marcelo Piller, no bairro Duas Pedras. Foi nessa localidade que muitos imigrantes italianos que chegaram a Nova Friburgo, desde o final do século 19, e escolheram para residir ou instalar os seus negócios. Eram eles, os Spinelli, Cantelmo, Caputo, Mangia, Libonato, Quintieri, Pecci, Vitiello, Meceni, Saippa, Romaneli, Catarcione, Rastrelli e Polo.

Possivelmente, foi em razão da presença significativa da comunidade italiana nesse bairro da periferia de Nova Friburgo, que o italiano Padre Vicente Próspere resolveu edificar uma capela. Escolheu o coração de Maria, mãe de Jesus, padroeira do Colégio Anchieta, assim como os santos São Pedro e São Paulo, para dar nome à igreja. Segundo a memória oral, escolheu os dois santos como uma representação do morro das duas pedras que dá nome ao bairro. Nascido em 03 de setembro de 1857, na Itália, o Padre Vicente Próspere entrou para a Companhia de Jesus, em 1877. Em abril de 1886, veio para Nova Friburgo auxiliar o Padre Lourenço Rossi na instalação do Colégio Anchieta. O prédio da antiga sede da Fazenda do Morro Queimado foi adquirido pela Companhia de Jesus e era conhecido na cidade como chateau, ou seja, castelo. O Padre Vicente Próspere foi reitor do colégio no período de 1901 a 1911, lecionando química, física, matemática e artes plásticas. Era um talentoso pintor e escultor. O pano de boca do teatro do Colégio Anchieta é obra sua, concluída em 1903, pintado com tintas naturais extraídas da flora local, retratando o padre José de Anchieta sendo recebido pelo governador Estácio de Sá, no Rio de Janeiro.

O lançamento da pedra fundamental da Igreja Imaculado Coração de Maria São Pedro e São Paulo, ocorreu em 21 de abril de 1910. As bandas de música foram fundamentais na arrecadação de recursos para a construção da igreja, animando as festas e leilões de prendas. Participaram as sociedades musicais Euterpe, Campesina, Recreio dos Artistas, Estrela Friburguense e Recreio Infantil de Amparo. A comunidade italiana e os moradores do bairro de Duas Pedras igualmente se empenharam para o levantamento de recursos. A inauguração da igreja ocorreu quatro anos depois do assentamento da pedra fundamental, no dia sete de junho de 1914, não obstante as obras estarem ainda em andamento. A primeira missa foi celebrada em 23 de agosto do mesmo ano. O Padre Vicente Próspere, além de acompanhar as obras da igreja, pintou afrescos e esculpiu peças dos santos especialmente para a capela. Era conhecida carinhosamente como a capelinha do Padre Próspere. Mas, infelizmente, uma reforma interna descaracterizou completamente o altar da igreja. As arcadas do altar foram suprimidas e os afrescos pintados pelo Padre Próspere removidos, não respeitando o projeto original da capelinha. A participação intensa da comunidade local foi uma característica marcante da paróquia de Nossa Senhora do Imaculado Coração de Maria São Pedro e São Paulo.

A festa dos santos taumaturgos era uma das mais concorridas na cidade. Dramatizações, influência dos jesuítas, coroações, procissões com anjinhos, consagração ao coração de Maria e principalmente a primeira comunhão, eram muito festejadas em Duas Pedras. A Companhia Ferroviária Leopoldina, que possuía uma estação de carga nesse bairro, hoje o batalhão da Polícia Militar, deslocava trens especiais para atender a população. Belas carruagens de aluguel saíam da Confeitaria Balga, no centro da cidade, servindo a elite local. O acervo de fotos da paróquia ilustra como a Igreja Imaculado Coração de Maria São Pedro e São Paulo era o centro da vida cotidiana do bairro Duas Pedras.

O dia de Corpus Christi foi instituído pelo Papa Urbano IV, no século 13, dando origem a elaboração do tapete de terra. Foi o Padre Vicente Próspere quem introduziu a tradição da confecção do tapete em Nova Friburgo, no dia de Corpus Christi. O tapete era confeccionado em diversas cores, com representações e cenas religiosas da paixão de Cristo. Era feito pelos alunos apostólicos no pátio do colégio. Com o tempo, essa tradição se estendeu a outros bairros da cidade. Após permanecer vinte e três anos em Nova Friburgo, o Padre Vicente Próspere foi transferido para o Colégio da Companhia de Jesus, em Santos, São Paulo. Retornou à Europa, tendo falecido em Roma, no ano de 1943. Apenas a Catedral de São João Batista e a Capela de Santo Antônio foram tombados pelo Inepac - Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Apesar de ter mais de 100 anos, a Igreja Imaculado Coração de Maria São Pedro e São Paulo não consta em qualquer relação de tombamento como patrimônio histórico.    

  • Foto da galeria

    A participação da comunidade era uma característica marcante da Igreja N S do Imaculado Coração de Maria São Pedro e São Paulo

  • Foto da galeria

    O bairro de Duas Pedras, reduto de imigrantes italianos, antes da construção da igreja

  • Foto da galeria

    O Padre Vicente Próspere(1857- 1943) foi o idealizador da Igreja de Duas Pedras

Publicidade
TAGS:
Janaína Botelho

Janaína Botelho

História e Memória

A professora e autora Janaína Botelho assina História e Memória de Nova Friburgo, todas as quintas, onde divide com os leitores de AVS os resultados de sua intensa pesquisa sobre os costumes e comportamentos da cidade e região desde o século XVIII.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.