Vigilância interdita central de esterilização do Raul Sertã

Procedimentos de urgência ou emergência estão sendo realizados com material desinfetado em outros hospitais de Friburgo
segunda-feira, 12 de junho de 2017
por Márcio Madeira
Foto de capa
O centro cirúrgico do Raul Sertã: só para emergências, com esterilização em outros hospitais (Foto: Arquivo AVS)

Atendendo a solicitação do Ministério Público do Estado do Rio, a fiscalização da Vigilância Sanitária Estadual vistoriou e interditou, na tarde de sexta-feira, 9, a Central de Materiais e Esterilização (CME) do Hospital Municipal Raul Sertã. A avaliação da unidade havia sido recomendada no dia anterior, em caráter de urgência, pela 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Ministério Público de Nova Friburgo, a partir de denúncia apresentada por cirurgiões que se recusaram a operar sob circunstâncias que poderiam elevar a incidência de complicações operatórias infecciosas.

Em nota, a Superintendência de Vigilância Sanitária da Secretaria estadual de Saúde informa que “após vistoria realizada nesta sexta-feira, 9, interditou a central de esterilização do Hospital Municipal Raul Sertã. A interdição não impede o funcionamento da unidade para cirurgias de urgência e emergência, desde que estas sejam realizadas com material esterilizado em outras unidades de saúde em condições de funcionamento, e que o mesmo seja levado ao hospital em transporte adequado. As cirurgias eletivas (pré agendadas) estão suspensas.

"A Vigilância constatou a veracidade da denúncia feita pelos cirurgiões e interditou a central de esterilização”, afirmou à reportagem de A VOZ DA SERRA um médico que preferiu ter sua identidade preservada. “A esterilização para os procedimentos de urgência ou emergência está sendo feita nos hospitais São Lucas e Unimed. Os médicos estão conferindo cada material aberto para estes procedimentos, a fim de assegurar a segurança dos pacientes. Mas ainda existem vários outros problemas a serem resolvidos”, acrescentou.

Não existe prazo para que o CME volte a ser liberado. O Ministério Público investiga a denúncia de que cirurgiões teriam sido pressionados a realizar procedimentos, apesar do entendimento de que as condições oferecidas aos pacientes não eram satisfatoriamente seguras.

LEIA MAIS

São oferecidas 200 vagas gratuitas em Nova Friburgo para tratamento de cáries

Novo espaço é composto por salas com aparelhos de última geração e para recuperação pós-anestésica

Aparelhos serão comprados, através de licitação, com os R$ 10 milhões do Ministério da Saúde que já estão na conta da prefeitura

Publicidade