Vale dos Pinheiros: entre o canto dos pássaros e o barulho dos carros

A cinco minutos do Centro, bairro virou válvula de escape para o trânsito friburguense
quinta-feira, 08 de outubro de 2015
por Karine Knust
Foto de capa
Placa feita por moradora contrasta com a rua esburacada e com a vegetação tomando conta das calçadas (Foto: Henrique Pinheiro)

O Vale dos Pinheiros se tornou uma das principais válvulas de escape para quem quer fugir do trânsito nos horários de pico e rota alternativa para chegar a Olaria. Para o comerciante local Manoel Nunes, de 52 anos, conhecido como Juca, este é o problema mais agravante do bairro. E aí, a combinação mais carros e sinalização insuficiente resulta em perigo iminente.

“As ruas do Vale dos Pinheiros têm estado cada vez mais movimentadas, principalmente, às 7h, 12h e 17h, horários que as crianças saem de uma das mais de três escolas que tem por aqui e, sem sinalização, o perigo é redobrado. Além disso, em alguns trechos as calçadas são muito estreitas, não dá nem para duas pessoas passarem ao mesmo tempo”, diz Juca.

Sheila da Silva Oliveira mora no Vale dos Pinheiros há dois meses e mesmo estando no local há pouco tempo, a bióloga de 36 anos colabora da forma que pode para manter organizada uma parte do bairro. A delicada placa feita à mão em um pedaço de tábua, escrito “Rua Garibaldi”, foi confeccionada por ela para facilitar a identificação da via. Um contraste com a rua, que merecia nova pavimentação e com o mato que já invade as calçadas. “Desde que vim para cá, nunca vi ninguém fazendo a limpeza e capina da Rua Garibaldi, a não ser alguns moradores, que tentam manter suas calçadas em ordem”, conta Sheila. Na parte central do Vale dos Pinheiros, é possível encontrar um cenário parecido. Além da vegetação, as folhas das árvores responsáveis por embelezar e dar um ar mais bucólico à região se amontoam nas calçadas, margens das ruas e entradas dos bueiros.

Quem depende do transporte público precisa ter paciência para esperar. A linha de ônibus com destino ao Vale dos Pinheiros circula com intervalos de uma hora. Sandro Barcelos, de 44 anos, por exemplo, é porteiro de um dos condomínios do Vale dos Pinheiros, mas não mora na localidade e por isso precisa ficar atento aos horários dos ônibus: “Trabalho das 7h às 19h. Se o outro porteiro se atrasar cinco minutos que seja tenho que esperar até as 20h para ir embora. Moro em Olaria, mas tenho colegas de trabalho que residem em Amparo, Mury e Conselheiro Paulino. Só neste condomínio são cerca de 50 empregados e todos eles dependem de ônibus”, observa Sandro.

 Mas não só de problemas que vivem os moradores do Vale dos Pinheiros. A bela vista e a tranquilidade, que ainda é mantida apesar da intensa movimentação, são características positivas que fazem do bairro uma boa opção para se viver. Basta ver a grande quantidade de prédios sendo construídos, condomínios e casas espalhadas pela localidade.

A beleza da Igreja de Santa Edwiges, a padroeira dos endividados

Inaugurada em 2009, a Paróquia Santa Edwiges é cenário de muitos casamentos por sua beleza e uma referência para muitas famílias carentes do bairro devido aos seus diversos trabalhos com a comunidade. Atualmente coordenada pelo padre Antônio Leão Ferreira, a igreja fornece cestas básicas e atendimento médico—na especialidade de neurocirurgia—gratuito, além do trabalho pastoral. A construção do templo foi financiada por uma fiel devota de Santa Edwiges, Zita Vereza Gama Silva.

A Paróquia de Santa Edwiges fica na Rua Domingos Miranda 203, e deve movimentar ainda mais o bairro já que na próxima sexta-feira, 16, é o dia de Santa Edwiges, considerada pelos fiéis católicos como a padroeira dos endividados e todos os anos na festa dela, há uma grande romaria de devotos em busca da ajuda divina para a melhora da saúde financeira. Na programação festiva desse ano, além de missa solene haverá a tradicional procissão luminosa com o andor de Santa Edwiges pelas ruas do Vale dos Pinheiros. Mais informações sobre a programação da festa pelo telefone da igreja (22) 2526-7038.

LEIA MAIS

Na maioria dos casos flagrados pela empresa, o cartão pertence a estudantes, mas é utilizado por outras pessoas

Arlete da Silva Cabral era avó de menino que sobreviveu. Bombeiro, que também morreu, tinha epilepsia

Militar estava afastado da corporação por sofrer de epilepsia. Colisão envolveu a moto dele e mais 2 carros

  • O trânsito no eixo central do bairro é muito utilizado nos horários de pico (Foto: Henrique Pinheiro)

    O trânsito no eixo central do bairro é muito utilizado nos horários de pico (Foto: Henrique Pinheiro)

  • A Igreja Santa Edwiges (Foto: Henrique Pinheiro)

    A Igreja Santa Edwiges (Foto: Henrique Pinheiro)

  • “As ruas do Vale têm estado cada vez mais movimentadas”, diz o morador e comerciante Manoel Nunes, o popular Juca (Foto: Henrique Pinheiro)

    “As ruas do Vale têm estado cada vez mais movimentadas”, diz o morador e comerciante Manoel Nunes, o popular Juca (Foto: Henrique Pinheiro)

Publicidade
Agora Faz