Uma montanha em cinzas: só o gramado em torno da Cruz restou verde

Fotógrafo sobe o Morro do Teleférico um dia após o incêndio e só encontra gravetos calcinados
segunda-feira, 16 de outubro de 2017
por Adriana Oliveira
Foto de capa
A triste paisagem no alto do Morro da Cruz, um dia após a queimada (Fotos: Antônio Varella)

Com quase 20 anos de experiência subindo o Morro do Teleférico e outras montanhas de Nova Friburgo, o servidor público, trilheiro e fotógrafo amador  Antônio Varella registrou neste domingo, 15, imagens desoladoras de um dos mais belos cartões-postais da cidade. O verde que tanto combinava com o céu, não importa se azul ou com nuvens, deu lugar a tons de preto, marrom e cinza, um dia depois da queimada que durou quase 48 horas e devastou diferentes pontos da montanha, em todas as suas vertentes.

“Somente as árvores mais antigas, as maiores, resistiram. A vegetação rasteira foi totalmente calcinada, só restaram gravetos, tocas de tatu foram queimadas. Percebe-se agora que o solo está muito frágil, e suscetível à primeira grande chuva”, relatou Varella À VOZ DA SERRA.

Ele observou gaviões sobrevoando a área, mas não encontrou vestígios de animais queimados. A renovação natural da mata levará anos, sendo dificultada pela proliferação de samambaias oportunistas, que impedem o crescimento da vegetação nativa. Por isso, o ideal, segundo ele, seria um reflorestamento induzido.

Um detalhe chamou a atenção de Varella: no alto do morro, apenas o pequeno gramado em torno da Cruz não foi atingido pelo fogo. Algo semelhante aconteceu na queimada de sábado à noite na montanha que margeia as ruas Augusto Spinelli, José Namen e Cristina Ziéde: as chamas, que pareciam ameaçadoras, não chegaram à gruta da santa encravada na encosta - surpreendentemente também preservada nos deslizamentos da tragédia de 2011, quando três encostas do mesmo morro desabaram em diferentes pontos. VEJA AS FOTOS AQUI.

O incêndio jogou por terra o projeto ambiental Bombas Ecológicas, que arremessou sementes sobre a encosta do teleférico no início de junho. As mudas já estavam com quatro meses de vida.

Nas redes sociais de Friburgo, prospera a ideia de formação de brigadistas voluntários para atuar sob acionamento e comando do Corpo de Bombeiros. O comandante do 6º GBM, Fabio Gonçalves, vê com cautela a ideia. A insuficiência de equipamentos de proteção individuais (EPIs) adequados e a própria topografia de Nova Friburgo, que exige alto treinamento, torna a ideia muito arriscada.  Ele não descarta, no entanto, a validade da ajuda de voluntários no quartel em tarefas menores, como enrolar mangueiras e entregar alimentos para os bombeiros, liberando assim o contingente de militares treinados para o combate ao fogo.

LEIA MAIS

Friburguense planeja finalizar sozinho, ainda neste sábado, coleta de todas as garrafas de vidro deixadas no local

Via foi aberta em área de Mata Atlântica entre Nova Friburgo e Bom Jardim para criação de cavalos e produção agrícola

Animal estava sem ferimentos, foi resgatado pelo Ibama e devolvido à mata

Publicidade
Agora Faz