Trovão de madrugada desperta medo em todos os bairros de Friburgo

Estrondo foi ouvido às 5h15m, estremeceu casas e disparou alarmes em diversas regiões da cidade. Raio caiu na região do Paissandu
segunda-feira, 23 de outubro de 2017
por Karine Knust
Foto de capa

A madrugada desta segunda-feira, 23, passou em claro para muitos friburguenses. Às 5h15m, durante a chuva aguardada por várias semanas, um forte estrondo aterrorizou moradores de diversos bairros da cidade, que se sentiram revivendo a trágica madrugada de 12 de janeiro de 2011. Nas redes sociais, muitas pessoas relataram medo.  “A tragédia de 2011 veio à minha cabeça na hora”, afirmou uma internauta, moradora do bairro de Olaria. “Clareou meu quarto e a sala. Só ouvi estrondo igual no dia da tragédia. Fiquei assustada”, acrescentou outra, moradora da Vila Amélia. “Achei que fosse quebrar a janela do meu quarto”, relatou outro friburguense, morador do Centro. “Eu não consegui pegar no sono com medo de tomar outro susto, foi tenso. Acordou Nova Friburgo!”, revelou outra, do bairro Bela Vista. “Senti minha casa despencando”, contou uma moradora do Parque Imperial.

Além dessas localidades, moradores de vários outros bairros também afirmaram terem escutado o intenso barulho. Entre eles: Parque Santa Eliza, Cordoeira, Perissê, Vila Amélia, Vargem Grande e Cônego. De acordo com informações extra-oficiais e dos próprios moradores, o raio teria sido atraído por um para-raios localizado no Paissandu, próximo do Sanatório Naval. Mas engana-se quem pensa que o estrondo foi ouvido apenas nas localidades relativamente próximas ao Centro. Moradores dos distritos de Conselheiro Paulino, Riograndina e Amparo também relataram ter se assustado com o estrondo.

O que chama a atenção, entretanto, é que apesar de o forte trovão, característico de tempestades,  e de ter chovido durante toda a noite, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, os pluviômetros não marcaram precipitação muito intensa, com acúmulo máximo de 52 milímetros. Felizmente, a Defesa Civil também não registrou ocorrências de deslizamentos. Árvores caíram no bairro das Braunes e Chácara do Paraíso, mas, até o fim da manhã desta segunda-feira, os casos já tinham sido solucionados. Os sinais das ruas Farinha Filho e Emil Cleff e da Praça Demerval Barbosa Moreira também chegaram a parar de funcionar por algumas horas devido à descarga elétrica, mas foram restabelecidos ainda nesta segunda.

A VOZ DA SERRA entrou em contato com o Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) - responsável pelo monitoramento e pesquisa sobre raios em todo o país - para obter mais detalhes sobre o fenômeno desta segunda-feira, mas não obtivemos informações.

A Energisa informou que, devido às fortes chuvas acompanhadas de descargas atmosféricas,  houve interrupção no fornecimento de energia em Campo do Coelho, Olaria, Conselheiro, Amparo, Mury e Lumiar, totalizando 38 ocorrências. A região de Lumiar foi uma das mais afetadas, com 5.537 clientes sem luz das 21h16h às 21h26. A Energisa imediatamente mobilizou suas equipes.

Alerta de chuvas fortes

Na manhã desta segunda, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu aviso de chuvas intensas para a Região Serrana. De acordo com o órgão, o grau de severidade da tempestade é “perigo”, o terceiro na escala de quatro.

Ainda segundo o Inmet, a chuva pode chegar a 30 e 60 milímetros por hora ou 50 e 100 milímetros por dia. Além disso, há possibilidade de ventos de até 100km/h. Gerando possibilidade de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e descargas elétricas.

O órgão instrui que, em caso de rajadas de vento, não é aconselhável se abrigar debaixo de árvores, pois há risco de queda e descargas elétricas. Além disso, não se deve estacionar veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda. Também é indicado que sejam desligados aparelhos elétricos e quadro geral de energia. Em caso de emergências, os moradores devem ligar para a Defesa Civil (199) ou o Corpo de Bombeiros (193).

Ainda de acordo com dados do Inmet, a previsão é que o tempo permaneça chuvoso pelo menos até a noite desta terça-feira, 24. Chuva que representa uma trégua garantida nas inúmeras queimadas em vegetação, mas também deixa a população em alerta. “Os incêndios podem influenciar no aumento de queda de barreiras nesse período. O local está sem a proteção da vegetação, o que facilita novos escorregamentos”, declara o secretário de Defesa Civil, coronel João Paulo Mori.

 

Publicidade
TAGS: