Sobra paciência no‭ ‬“calombo‭”‬ da RJ-116

Motoristas e moradores reclamam da demora na conclusão da obra na Ponte da Saudade. Concessionária diz que intervenção é complexa
terça-feira, 22 de março de 2016
por Alerrandre Barros
Foto de capa
As obras no‭ ‬“calombo‭”‬ devem ficar prontas‭ ‬em maio,‭ ‬prevê a Rota‭ ‬116‭ (foto: Lúcio Cesar Pereira)

O pare e siga de veículos na altura do quilômetro‭ ‬78‭ ‬da RJ-116,‭ ‬na Ponte da Saudade,‭ ‬tem tirado a paciência de motoristas e passageiros que trafegam pelo trecho.‭ ‬Desde o início de novembro do ano passado,‭ ‬a Rota‭ ‬116,‭ ‬concessionária que administra a rodovia,‭ ‬de Itaboraí até Macuco,‭ ‬interditou uma faixa na estrada para corrigir um desnível no‭ ‬local,‭ ‬conhecido como‭ ‬“calombo‭”‬.

‬“É um descaso com todos que ficam parados,‭ ‬sem qualquer critério de tempo,‭ ‬ainda mais quando se constata que não há ninguém trabalhando nos fins de semana para agilizar a liberação da estrada‭”‬,‭ ‬reclama o médico Gustavo Ventura,‭ ‬que seguia‭ ‬ontem,‭ ‬22,‭ ‬de carro para Mury.‭

Pela‭ ‬manhã,‭ ‬enquanto alguns ambulantes aproveitavam que os carros estavam parados para vender produtos aos motoristas,‭ ‬o fluxo de veículos era bom e o tempo de espera no pare e siga não ultrapassava os cinco minutos.‭ ‬Mas,‭ ‬segundo motoristas,‭ ‬em horários de maior movimento,‭ ‬a fila de carros dobra e o tempo de espera triplica.

“À tarde é comum eu ficar mais de‭ ‬15‭ ‬minutos esperando a liberação do trânsito na via.‭ ‬É um transtorno‭”‬,‭ ‬lamenta‭ ‬Gustavo‭ ‬Ventura.‭ ‬Há cinco meses,‭ ‬o trânsito no trecho flui em meia pista,‭ ‬no sistema pare e siga,‭ ‬24‭ ‬horas por dia.‭ ‬A Rota‭ ‬116‭ ‬realiza uma grande obra de engenharia no quilômetro‭ ‬78‭ ‬para conter o movimento da terra provocado pela ação da água que desce da encosta e eleva o pavimento da rodovia,‭ ‬formando o‭ ‬desnível‭ ‬na pista‭ ‬batizado como‭ ‬“calombo‭”‬.‭

Para isso,‭ ‬estão sendo instalados dutos para captar e drenar a água de uma nascente localizada no alto do morro lateral à pista.‭ ‬No local,‭ ‬já foram realizados serviços de contenção nos últimos anos.‭

Rosane Tavares mora em frente à obra,‭ ‬na Rua Álvares de Azevedo,‭ ‬e está acostumada com o vai e vem de carros na RJ-116,‭ ‬mas ela não vê a hora dos serviços acabarem para a estrada ser liberada.‭ ‬“Essa obra é necessária porque vários acidentes já aconteceram aqui por causa do‭ ‬“calombo‭”‬.‭ ‬Eu concordo com os motoristas.‭ ‬Já passou da hora desse serviço ser‭ ‬agilizado para acabar com esse pare e siga,‭ ‬que faz as pessoas perderem tempo no trânsito‭”‬,‭ ‬diz a moradora.

A obra no trecho já foi embargada uma vez pela Prefeitura de Nova Friburgo e também parou por causa das festas de Natal e Ano Novo e o feriado de carnaval.‭ ‬Em nota,‭ ‬a Rota‭ ‬116‭ ‬informou que o trecho deve ser liberado em maio.

“A complexidade da obra desenvolvida no local se deve ao tipo de terreno,‭ ‬instável por natureza e que sofre,‭ ‬ainda,‭ ‬os efeitos da água que nasce naquele ponto.‭ ‬A drenagem de toda a área,‭ ‬inclusive na parte alta e a sua contenção,‭ ‬tem o objetivo de minorar esse tipo de instabilidade que acaba por causar desníveis no piso‭ ‬asfáltico.‭ ‬Soma-se a isso,‭ ‬o grande período de chuva ocorrido no verão,‭ ‬que ocasionou atrasou a entrega dos serviços,‭ ‬que estava prevista para ocorrer no fim do mês de março‭”‬,‭ ‬encerra a concessionária.‭

LEIA MAIS

Após seis de meses, trânsito volta a fluir normalmente na Ponte da Saudade

Após as festas de fim de ano, trânsito no local volta a ser operado em meia-pista na altura da Ponte da Saudade

Antiga linha férrea tem servido como alternativa ao trecho da RJ-116 nas imediações do quilômetro 78

Publicidade
Agora Faz