Setor têxtil vai à Alerj lutar por prorrogação de incentivo fiscal

Desconto no ICMS pode acabar no próximo ano e causar desemprego e fuga de empresas de Friburgo
quinta-feira, 15 de junho de 2017
por Alerrandre Barros
Foto de capa
A audiência pública na Alerj (Foto: Assessoria/Wanderson Nogueira)

O projeto de lei que prorroga a concessão de um benefício fiscal à indústria têxtil deve começar a tramitar em regime de urgência na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) nos próximos dias. O texto deve entrar na pauta de votação da Casa já na semana que vem. Na manhã desta quarta-feira, 14, uma caravana com representantes do setor em Nova Friburgo foi à capital para convencer o Legislativo da importância da medida para a manutenção da competitividade dos produtos e a geração de empregos.

“Estamos numa corrida contra o tempo para aprovar a prorrogação da concessão, pelo menos até 2024. Esse encontro foi realizado para sensibilizar os parlamentares. Acho que já há um convencimento da importância disso não só para o setor têxtil em todo o estado, mas fundamentalmente para a manutenção de Nova Friburgo como a capital nacional da moda íntima. Estou bastante confiante e vamos seguir o trabalho na expectativa de que o projeto possa ser pautado na próxima semana”, disse o deputado Wanderson Nogueira (Psol).

O texto, assinado por ele, junto com André Corrêa (PSD) e Luiz Martins (PDT), evita a extinção da lei estadual 6331, também conhecida com “Lei da Moda”, que possibilita, desde 2012, que fabricantes de produtos têxteis, confecções e aviamentos paguem 3,5% de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), enquanto outros setores pagam 20% ao estado. O fabricante de uma lingerie que custa R$ 10, por exemplo, recolhe R$ 0,35 de ICMS com a lei. Sem a lei, ele teria que pagar R$ 2 de imposto pela peça.

O benefício fiscal tem prazo para acabar em dezembro de 2018 e pode não ser prorrogado por causa da adesão do governo, na última segunda-feira, 12, ao Plano de Recuperação Fiscal, criado pela União para tirar os estados em crise da penúria, caso do Rio de Janeiro. O socorro do governo federal impede, entre outras coisas, que o estado faça concessões de incentivos fiscais para empresas durante os próximos três anos.

Segundo a Federação das Indústrias do Rio (Firjan), desde que o regime especial de tributação entrou em vigor, o número de estabelecimentos da indústria têxtil cresceu em 190% no estado, enquanto que a arrecadação de ICMS teve um incremento de 295%. Os dados mostram também que, como terceira empregadora do estado, a cadeia da moda totaliza hoje mais de 20,7 mil estabelecimentos formais em todo o Rio, empregando 172,7 mil trabalhadores. Em Nova Friburgo, a lei beneficia principalmente o setor de moda íntima, que emprega mais de 20 mil pessoas direta e indiretamente.

Por tudo isso, cerca de oitenta funcionários, empresários e representantes de sindicatos do setor, em Nova Friburgo, desceram a serra em dois ônibus, nesta quarta-feira, 14, para participar da audiência pública na Alerj que durou pouco mais de duas horas. O auditório lotou. Além de mais de 10 deputados, o prefeito Renato Bravo, o ex-prefeito Rogério Cabral e vereadores também participaram do encontro na Alerj.

“Se for retirado esse incentivo, vamos passar muitas dificuldades. Vamos perder empregos e deixar de gerar outros. Estarei nessa luta até o fim, ao lado dos empresários, sindicatos e funcionários do setor. É um ponto muito importante para a nossa economia o fortalecimento do setor de moda íntima. Precisamos manter esse foco dos incentivos fiscais e não podemos aceitar isso de forma nenhuma”, declarou Bravo.

O empresário Wanderson Barroso, dono da Gescri Lingerie, saiu satisfeito com o que ouviu dos deputados na audiência pública e está otimista com a possibilidade de prorrogação do incentivo fiscal. Ele abriu o seu negócio com 27 funcionários e, com o advento da Lei da Moda, conseguiu tornar seus produtos mais competitivos no país. Hoje, fornece para grandes redes varejistas e emprega 360 pessoas em Nova Friburgo.

“Se o incentivo for cortado, eu certamente fecharei as portas ou terei que transferir a empresa para outra região, como São Paulo, por exemplo, que zerou o ICMS para a indústria têxtil. Friburgo tem rica mão de obra, que faz os produtos com muita qualidade. Marcas que conseguiram se consolidar no mercado. A gente precisa do incentivo fiscal para manter as empresas empregando e é muito importante que todos apoiem a causa, pois toda a economia da cidade pode sofrer.

LEIA MAIS

​Evento que busca ampliar a consciência política dos jovens acontece nesta segunda em diversas escolas públicas

Proposta do deputado Wanderson Nogueira volta agora para apreciação da Alerj

Podem participar estudantes do ensino médio da rede pública estadual

Publicidade
Agora Faz