Setembro sem greve: acordo deve garantir funcionamento normal dos bancos

Já tradicional, paralisação não está prevista em calendário este ano, afirma sindicato
sexta-feira, 01 de setembro de 2017
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa
Os bancos em greve em setembros passados (Arquivo AVS)

Este mês de setembro será atípico para os bancos e seus clientes. Pelo menos, em Nova Friburgo. A já tradicional greve dos bancários, que anualmente reivindica melhorias para a categoria, não está prevista em calendário. De acordo com o Sindicato dos Bancários de Nova Friburgo e região, as agências espalhadas pela cidade devem funcionar normalmente ao longo de todo o mês. Isso graças a um acordo assinado com a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), em 2016.

“Esse acordo garantiu o reajuste da remuneração seguindo a inflação acumulada do ano mais 1%. A mobilização tem outras reivindicações, mas, com essa negociação nos comprometemos a não paralisar as atividades como de costume”, afirma o sindicalista José Eduardo Marchetti. Ainda segundo José Eduardo, o acordo firmado se estende por dois anos, contemplando 2018.

Em 2016, a greve dos bancários durou 29 dias em Nova Friburgo. Os trabalhadores reivindicavam reajuste de 14,78%, sendo 5% de aumento real, considerando inflação de 9,31%; participação nos lucros e resultados (PLR) de três salários acrescidos de R$ 8.317,90; piso no valor do salário-mínimo do Dieese (R$ 3.940,24), e vales alimentação, refeição e auxílio-creche no valor do salário-mínimo nacional (R$ 880).

Além da correção integral da inflação acumulada, com aumento real de 1% em todos os salários e demais verbas, o acordo aceito na ocasião gerou abono de R$ 3.500, reajuste de 10% no vale-refeição e auxílio creche-babá e 15% no vale-alimentação.

 Além de Nova Friburgo, o sindicato da categoria ainda atende outros 11 municípios da região.

 

LEIA MAIS

Órgão anunciou que nova empresa assumirá o serviço e espera regularizar serviços até a próxima semana

Visita inédita à cidade tem como objetivo tentar diminuir o impacto da greve de terceirizados. Não precisa fazer agendamento

Empresa que presta serviços autorizados deve quase 2 meses de salários e 3 meses de benefícios a funcionários terceirizados

Publicidade
Agora Faz
TAGS: Greve