Presos 28 da cúpula do tráfico no Cordoeira e em Olaria

Bar escondia quantidade impressionante de joias, celulares e relógios roubados e trocados por drogas
quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018
por Alerrandre Barros
Foto de capa
As joias encontradas pela polícia num bar (Foto: Alerrandre Barros)

Uma grande operação, deflagrada conjuntamente pelas polícias Militar e Civil, com apoio do Ministério Público Estadual, resultou na prisão de lideranças do tráfico de drogas em Nova Friburgo. No total foram cumpridos 23 mandados de prisão e quatro de busca e apreensão. Batizada de Amálgama, a operação começou na quarta-feira, 21, e só terminou ontem, 22, com a prisão de 28 pessoas.

De acordo com o comandante do 11º BPM, coronel Eduardo Vaz Castelano, ainda na tarde de quarta-feira, policiais do Serviço Reservado do batalhão (P2) prenderam quatro suspeitos e apreenderam um adolescente, de 17 anos, no bairro Cordoeira. Com eles, foram encontrados 3.900 sacolés de cocaína, dois tabletes de maconha, além de quatro pistolas, munição, carregadores e três celulares. Parte do material estava enterrado em uma mata.

Já nas primeiras horas de ontem e sob chuva, 80 policiais, em 20 viaturas das duas polícias, saíram às ruas para cumprir 35 mandados de prisão temporária e outros 20 de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Criminal de Nova Friburgo. A busca era por envolvidos com o tráfico de drogas no Alto de Olaria, bairro em que ocorreram recentes confrontos armados entre traficantes e forças policiais e, segundo a polícia, costuma haver o fluxo de criminosos vindos da Região Metropolitana do Rio.

Em um bar, na esquina das ruas Uruguaiana e Francisco Nicolau, os policiais encontraram grande quantidade de dinheiro, moedas, joias, celulares, relógios, ferramentas, material médico hospitalar e até um colete de uso restrito das Forças Armadas. A polícia suspeita que o estabelecimento era utilizado para a receptação de material furtado ou roubado e, ainda, de agiotagem para o tráfico. O proprietário do bar foi preso em flagrante e vai responder na Justiça por associação com o tráfico de drogas.

Segundo o delegado da 151ª DP, Henrique Pessoa, os materiais agora apreendidos serviam de moeda de troca para a compra de drogas. “O usuário de drogas furtava ou roubava um objeto nas ruas de Friburgo e trocava por drogas com um traficante que, depois, levava o produto do furto ou roubo até o bar, onde a mercadoria era colocada à venda. O dinheiro obtido com a transação era dividido entre o traficante e dono do bar. No local, drogas também eram vendidas”, disse o delegado.

A operação foi fruto de um trabalho de inteligência que começou no ano passado. As polícias Civil e Militar uniram as informações que obtinham sobre a atuação do tráfico no Alto de Olaria, por isso o nome Amálgama (fusão entre duas coisas), que resultou nos mandados de prisão e de busca e apreensão expedidos pelo Ministério Público Estadual.

“A operação deu um baque muito forte no tráfico de drogas da cidade. Prendemos elementos com atuações destacadas nas organizações criminosas. A partir de agora vai ser assim: a PM vai fazer operações sistemáticas com a Polícia Civil. E não vai ser só em Olaria, mas também em outros bairros onde há atuação de traficantes. Vamos continuar agora com outros inquéritos para investigar as relações”, garantiu o delegado Henrique Pessoa.

Todas as prisões efetuadas na Operação Amálgama, no entanto, são temporárias. Entre os mandados de prisão, um foi expedido para o suposto chefe do tráfico no Alto de Olaria, que já estava preso e agora vai responder por mais um crime. A Polícia Civil vai realizar mais oitivas pela cidade e perícias até concluir o inquérito, em cerca de 30 dias, que será enviado ao Ministério Público para deflagração da ação penal.

 

LEIA MAIS

Arma de uso restrito foi apreendida em quarto de adolescente de 17 anos, após denúncia anônima

Vítima de 27 anos foi vista pedindo socorro a quem passava pela RJ-144; PM encontra 15 pés da droga em propriedade

Encontro foi marcado para entrega de roteador. Segundo Deam, vítima já havia pedido medida protetiva para mantê-lo distante

Publicidade
TAGS: crime | Drogas | tráfico