Oito meses depois, começa a troca de lâmpadas queimadas

Cinco equipes vão realizar o serviço dia e noite para atender à demanda
segunda-feira, 16 de abril de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Foto de capa

Começou nesta segunda-feira, 16, a troca de lâmpadas queimadas nos postes em Nova Friburgo. Segundo o prefeito Renato Bravo, três equipes da Fulltec Engenharia, empresa contratada para prestar o serviço, vão atuar durante o dia e duas durante a noite para atender à grande demanda. Há luminárias queimadas em todas as regiões da cidade. Vencedora da licitação emergencial, a empresa de Niterói foi a única das sete convidadas para a tomada de preço que entregou, no dia 21 de fevereiro, proposta para prestar o serviço pelo prazo de seis meses. De acordo com a Secretaria Municipal de Serviços Públicos, o valor de R$ 1.978.800, oferecido pela Fulltec, ficou 10% abaixo do estimado e gerou economia de R$ 200 mil aos cofres do município.

O contrato foi assinado no último dia 5. Demorou porque a documentação da empresa teve que passar por análise na Procuradoria e na Controladoria Geral do município. Em agosto do ano passado, Bravo suspendeu o pagamento à empresa Compillar, que fazia a manutenção das luminárias, depois que o Ministério Público prendeu representantes da empresa por suposta fraude uma licitação semelhante em São Gonçalo.

 A Compillar assumiu o serviço por pouco mais de R$ 2 milhões em abril do ano passado, em caráter emergencial e por seis meses. A empresa substituiu a Hashimoto Manutenção Elétrica, cujo contrato, também de seis meses, com a prefeitura, terminou em março de 2017.

Por conta da rescisão com a Compillar, Nova Friburgo estava sem manutenção nos postes há cerca de oito meses, o que gerou reclamações constantes de moradores de vários bairros e distritos. O serviço estava sendo prestado precariamente, dentro das possibilidades da Secretaria de Serviços Públicos, que não dava conta da demanda.

A prefeitura vem firmando contratos de curto prazo para a manutenção da iluminação pública porque segue suspenso no Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), desde 2016, o edital para contratação com prazo maior, de 12 meses. Em fevereiro, o plenário da Corte voltou a analisar esse edital, com valor atualizado de R$ 4.788.227,24, e decidiu mantê-lo suspenso, porque o governo ainda não havia atendido às determinações para regularizá-lo. O processo deve ser apreciado novamente pelo TCE, em breve.

 

LEIA MAIS

Campo do Coelho, Alto dos Vieiras, Sítio São Luiz e Mury são algumas localidades que receberam melhorias

Associação espera resposta positiva do Ministério das Cidades para que obras comecem ainda este ano

Projeto da prefeitura em parceria com empresários através da Acianf teve início em maio e vai se estender de Mury a Conselheiro

Publicidade
TAGS: Obras