O mínimo do mínimo

quarta-feira, 03 de janeiro de 2018
por Jornal A Voz da Serra

INDIGNAÇÃO é a palavra de ordem dos 45 milhões de brasileiros que ganham um salário mínimo, incluída a maioria dos aposentados e pensionistas do INSS, com o reajuste do benefício, válido desde a última segunda-feira, 1º de janeiro de 2018. Indignação e incômodo, pois o aumento foi de apenas R$ 17.

NA AVALIAÇÃO dos trabalhadores o aumento não vai mudar nada na vida de ninguém. O valor é resultado dos últimos anos de nenhum crescimento vividos pela economia brasileira.

O AUMENTO é o menor aplicado ao salário mínimo em 24 anos. A última vez que isso ocorreu foi em 1999, quando o reajuste foi de 1,48%. Agora, o acréscimo foi de 1,81%, índice abaixo da inflação do IPCA.

O REAJUSTE leva em conta outra taxa de inflação, o INPC. Apesar de pequeno, ele sempre garantiu um aumento real aos trabalhadores. Em 2015, o mínimo era de R$ 788; em 2016, R$ 880; e em 2017, R$ 937.

AGORA, passou para R$ 954. O valor está abaixo inclusive dos R$ 965 previstos pela proposta orçamentária de 2018, a primeira sob a vigência da emenda do teto dos gastos públicos, que prevê um déficit de R$ 157 bilhões.

O GOVERNO se limitou a aplicar a lei, cuja fórmula foi definida no governo Dilma Rousseff, constituída do INPC do ano anterior e do PIB de dois anos antes. Como o PIB de 2016 foi negativo, o reajuste foi calculado só pelo INPC.

ESSA FÓRMULA valerá até 2019. Foi criada num momento em que a economia brasileira estava bombando. Então, todos esperavam que continuasse assim, indefinidamente, proporcionando ganhos reais aos trabalhadores.

HOJE A realidade é diferente. O problema maior do trabalhador é manter o emprego. Postos de trabalho estão sendo fechados, e os que estão sendo criados são na informalidade. Ter a carteira assinada é um sonho para a maioria.

AGINDO ASSIM, o governo evitou tomar uma atitude política. Mesmo porque não teria como, com um déficit daquele tamanho. As coisas só vão melhorar depois que o país conseguir sair do buraco em que se meteu.

Publicidade
Agora Faz
TAGS: