O anjo que sai às ruas no dia do Enem para transportar candidatos atrasados

Professora fez a gentileza pela primeira vez em 2016, repetiu nos dois dias de prova deste ano e pretende continuar nos próximos
sábado, 18 de novembro de 2017
por Dayane Emrich
Foto de capa
Alessandra Jaccoud: “Estávamos em casa quando minha filha questionou: Mãe, será que terá alguém para ajudar o pessoal esse ano? Aquilo me sensibilizou"

Domingo, 5 de novembro de 2017. Faltavam apenas oito  minutos para os portões da Universidade Estácio de Sá -- um dos locais de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) -- fechar quando a professora Alessandra Jaccoud, de 43 anos, viu dois jovens desesperados correndo na Rua Monte Líbano, no Centro.

“Não hesitei e já fui perguntando: Vocês vão fazer o Enem? Entrem no carro, eu levo vocês!”, conta ela, aliviada por ter chegado a tempo para que os estudantes conseguissem fazer a prova. Alê, como gosta de ser chamada, é uma dessas pessoas que está sempre disposta a ajudar e que os jovens tiveram muita sorte de encontrar.

Esta, no entanto,  não foi a primeira vez que a professora cedeu espaço no banco do carona em dia de vestibular. Em 2016, depois de levar a filha para fazer a prova do Enem no Campus da Uerj, na Vila Amélia, ela percebeu que era grande a quantidade de jovens que corriam para chegar ao local de prova antes do fechamento dos portões. “Naquele ano eu fiz pelo menos três viagens com o carro cheio. Levava os alunos da Praça do Suspiro até o portão da universidade. Na época, lembro que ajudei duas meninas que estavam vindo de Cordeiro e que quase perderam a prova por conta de atraso do ônibus”, conta ela.

Alessandra afirma também que nem sempre os atraso estão relacionados a irresponsabilidade ou displicência dos candidatos. “Muitos não têm pai ou mãe para trazer de carro, moram em locais afastados, onde o acesso de transporte é difícil”, explica, revelando os motivos que a levaram a repetir a boa ação. “Estávamos em casa quando minha filha questionou: Mãe, será que terá alguém para ajudar o pessoal esse ano? Aquilo me sensibilizou. Pegamos a chave do carro e, a poucos minutos da abertura dos portões, fomos para as ruas”.

A professora conta que não se lembra da fisionomia dos jovens, tampouco seus nomes. “É tudo muito rápido. Não dá tempo de perguntar nada, apenas de desejar uma boa prova. Quando a gente ajuda alguém, o universo conspira a nosso favor e somos recompensados com a sensação de dever cumprido”, pontua, afirmando que pretende continuar a missão nos próximos anos.

 

LEIA MAIS

Gentis do mundo, uni-vos! Peguem suas armas - celular para filmar, exemplos para dar e hashtags para viralizar - e mãos à obra!

Num mundo tão machucado pela impaciência e pela intolerância, os gestos de amabilidade nem sempre são respondidos na mesma moeda

"Os tempos andam belicosos, as pessoas muito mais interessadas em seus smartphones do que aqueles que passam ao seu lado"

Publicidade
Agora Faz
TAGS: gentileza