Nova indicada para o Raul Sertã já barrou vereadores

Para Huguenin, se Iamara agiu dessa forma no passado, o fez seguindo ordens superiores
quinta-feira, 04 de janeiro de 2018
por Alerrandre Barros
Foto de capa
Huguenin nos corredores do Raul Sertã (Arquivo AVS)

O secretário municipal interino de Saúde, Christiano Huguenin, confirmou nesta quinta-feira, 4, o nome de Ana Luzia Alves Monteiro, de 54 anos, para a direção-geral do Hospital Municipal Raul Sertã. Ela é enfermeira e, antes de assumir o novo cargo, foi diretora do setor de enfermagem da unidade, onde trabalha há cerca de 27 anos, segundo a prefeitura.

Outro nome anunciado pelo secretário foi o da advogada Iamara de Moura Silva, para o cargo de diretora administrativa do Raul Sertã. Em junho de 2017, ela foi nomeada para o mesmo cargo pela antiga gestão da pasta, mas, três meses depois, foi exonerada. Os vereadores Johnny Maycon (PRB), Professor Pierre e Zezinho do Caminhão, ambos do Psol, afirmam que ela impediu o acesso deles a documentos do hospital durante uma inspeção no ano passado. O caso foi parar na 151ª DP, onde registraram uma ocorrência contra ela por prevaricação.

Questionado sobre a denúncia dos vereadores, Huguenin disse desconhecer o fato e defendeu Iamara dizendo que, se ela agiu daquela forma, certamente estaria seguindo ordens superiores. "Decidi recolocá-la por sua capacidade técnica e porque ela me foi indicada por pessoas de extrema confiança", disse o novo secretário.

Sobre o acesso de vereadores a informações internas do Raul Sertã, Huguenin, que é vereador licenciado, garantiu que, sob a sua gestão, todos os parlamentares do município terão acesso a quaisquer informações e documentos da unidade, desde que com regras para não atrapalhar as atividades diárias.  

Huguenin deve divulgar outros nomes para assumir cargos na saúde municipal até o fim de semana, já que na última quarta-feira, 3, exonerou toda a direção do hospital. No total, foram afastadas 23 pessoas de cargos de confiança no Raul Sertã, no posto de saúde Sylvio Henrique Braune, no Suspiro, e na própria Secretaria de Saúde.

As exonerações e novas nomeações precisam ainda ser publicadas no Diário Oficial do município. Huguenin já disse que os cargos do hospital, inclusive os de liderança, serão ocupados por funcionários de carreira, que já trabalham há muito tempo na unidade. Para ele, além de representar um ganho importante na valorização do servidor público, também atende a uma legislação municipal, que estabelece um número mínimo para ocupação de cargos de chefia por funcionários de carreira.

“Quem assumirá o cargo de direção do hospital, por exemplo, é alguém que possui uma identidade muito forte com o município. E o efeito dessas mudanças, poderão ser sentidos, em breve, pela população. Além disso, outras medidas estão sendo analisadas a fim de proporcionar mudanças significativas para a saúde dos friburguenses”, disse.

Huguenin, que já trabalhou no Hospital Raul Sertã, transferiu o gabinete para dentro da unidade assim que assumiu o posto em dezembro, logo após o Natal, depois que as duas ex-secretárias foram afastadas por suspeita de fraude uma licitação. A primeira ação dele foi recapear buracos no pátio do hospital e no estacionamento. Em entrevista coletiva, disse que não ia tolerar que médicos que faltem a plantões sem aviso prévio, mesmo os que recebem por RPA (Recibo de Pagamento a Autônomo).

No início desta semana, na terça-feira, 2, o secretário anunciou uma nomeação considerada técnica: a da advogada Tânia Trilha, especialista em controle e gestão de recursos e processos licitatórios, como nova subsecretária executiva de Saúde. Coordenadora do curso de Direito da Universidade Candido Mendes em Nova Friburgo, ela já foi secretária municipal de pastas como Fazenda, Educação, Infraestrutura e Logística, em gestões passadas.

A medida visa evitar mais um problema com licitações, já que no fim do ano passado a então secretária de Saúde, Suzane Oliveira de Menezes, juntamente com sua subsecretária-executiva Michelle Silvares Duarte de Oliveira, foram acusadas pelo Ministério Público Federal de fraude em um contrato com a empresa Bioxxi Serviços de Esterilização, no valor de R$ 780 mil para esterilização de equipamentos do hospital e da Maternidade Dr. Mário Dutra pelo prazo de seis meses. No dia 20, de dezembro elas prestaram depoimento na Delegacia da Polícia Federal em Macaé. O processo corre em segredo de Justiça.

Vereadores exigem transparência

Vereadores de oposição ouvidos por A VOZ DA SERRA nesta quinta-feira, 4, disseram que a nova gestão da Saúde precisa dar mais transparência às ações. “O secretário disse que exonerou 23 pessoas, mas quem são essas pessoas? Ainda não divulgou os nomes. E as nomeações? Quais os critérios? Nomeou a Iamara, que impediu nosso acesso, garantido por lei, a informações sobre o Raul Sertã. Nossa função é fiscalizar, não podemos ser impedidos disso”, disse Zezinho do Caminhão (Psol).

Johnny Maycon (PRB) reiterou o que Zezinho disse e acrescentou que não parece haver mudança na nova gestão. “Todo mundo sinalizou que o grupo anterior não deu o mínimo de resultados positivos. Foi uma gestão desastrosa em todos os aspectos. Só sairam por uma ação judicial. Agora, Huguenin assume como se fosse um novo governo, mas não é porque muitos ainda permanecem lá. Que medidas serão tomadas para a falta de medicamentos e insumos e outras medidas estruturais das unidades?”, questionou o vereador.

 

LEIA MAIS

Falta de medicamentos, exames, consultas e cirurgias motivam a maior parte dos processos, 80% deles contra a rede pública

Vacina é oferecida gratuitamente no Posto do Suspiro

São 65 vagas para médicos e farmacêuticos com salários de até R$ 4.262,87

Publicidade
TAGS: saúde