Mudança de hábitos

terça-feira, 06 de fevereiro de 2018
por Jornal A Voz da Serra

EM VIGOR HÁ nove anos, a Operação Lei Seca promoveu uma mudança significativa de hábitos em relação ao trânsito no estado do Rio de Janeiro. Essa percepção é confirmada pela preservação de vidas: o estado apresentou redução de 30%, em média, no número de motoristas flagrados embriagados nas blitzes na capital e no interior desde 19 de março de 2009.

A LEI SECA representa um marco divisor na construção de uma nova consciência sobre a combinação entre o consumo de ál­co­ol e a direção de veículos A visão é en­dossada por pesquisa feita pela So­ciedade Brasileira de Ortopedia e Trau­ma­tologia (Sbot). O levantamento revela que 50% dos jovens universitários entrevistados afirmam que “não mais dirigem depois de beber”. A pesquisa revela que não misturam bebida com direção por motivos culturais, e que reagem também por temor à fiscalização e às pesadas multas.

INSISTIR NA educação e conscientização é fundamental nessa cruzada dos tempos modernos. Se esses elementos estivessem mais presentes, a lei seca nem mesmo seria necessária. Qualquer mudança cultural se faz aos poucos. Nesse sentido, há exemplos já incorporados, como o uso do cinto de segurança, de capacete por parte de motociclistas e ciclistas e da proibição do consumo de cigarros em ambientes fechados.

OS RESULTADOS positivos confirmam a importância de se manter e intensificar as ações educativas, de fiscalização e mobilização. O serviço público não deve ceder à indústria da bebida. Entretanto, é importante investir maciçamente na manutenção da fiscalização e prevenção, visando um trânsito mais humano e menos violento.

O PERÍODO de férias, com a chegada do Carnaval, é uma boa oportunidade para se refletir nos excessos e procurar respeitar as leis, principalmente com relação ao uso de bebidas alcoólicas e ao excesso de velocidade. Trata-se de uma questão de vida ou morte. Educar para o trânsito é educar para a vida. 

Publicidade
TAGS: