Missão quase impossível

quinta-feira, 06 de abril de 2017
por Jornal A Voz da Serra

O PALÁCIO do Planalto tem em mãos a avaliação de que a reforma da Previdência, neste momento, teria sérias dificuldades de ser aprovada na Câmara dos Deputados e por isso decidiu estender o prazo de negociação do relatório na comissão especial que trata do tema. Levantamento feito ontem pelo jornal Estado de S. Paulo mostra, neste momento, apenas 96 deputados a favor da reforma entre os 433 ouvidos pelo jornal. O governo precisa de 308 votos a favor para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição. 

A INTENÇÃO inicial era que o relator da proposta na Câmara, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), apresentasse seu relatório esta semana. A previsão agora é que fique para daqui a duas semanas, depois do feriado de Páscoa, para que haja tempo do governo negociar com todas as bancadas.

A DISCUSSÃO sobre a reforma da Previdência Social é atualmente o assunto mais comentado entre os trabalhadores brasileiros. A medida, proposta pelo governo Michel Temer, é apontada como necessária do ponto de vista econômico. Sem a reforma a Previdência quebra, dizem. 

A MEDIDA tem recebido fortes críticas de parlamentares da oposição e até da base aliada, que se queixam do caráter austero da proposta. Quanto ao povo, pode-se dizer que a maioria da população é contra a mudança, por acreditar que ela retira direitos conquistados. Muitos dos contrários à reforma ponderam ainda que a população não está sendo envolvida nas discussões, o que de fato não acontece. 

A NECESSIDADE de reformas no Brasil é uma realidade. Temos um País altamente burocrático, com uma carga tributária absurda. Um Brasil duro para quem quer empreender, quem quer trabalhar. Mas um País brando com quem sonega, com quem rouba dinheiro público e enriquece as custas do trabalhador. Esse tem sido um dos pontos mais levantados pela população. 

SERÁ QUE O combate à sonegação, à informalidade e um maior alcance da cobrança da dívida previdenciária não seriam iniciativas muito mais efetivas do que a proposta feita? Não teríamos que melhorar a Previdência? Existem, por exemplo, milhões de trabalhadores que não estão vinculados. E quanto aos devedores, por que não executar as dívidas dos bancos, por exemplo, que chegam a lucrar bilhões por ano e ainda devem para a Previdência? 

UM PEDIDO DE Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado para investigar a real situação da Previdência Social já tem as assinaturas necessárias. É importante saber qual a nossa real situação e o que precisa ser feito. Às escuras, não haverá apoio popular algum para as mudanças, e o “caldo” contra a medida deve engrossar. Se não mudar a forma de condução da proposta, o presidente Michel Temer vai acabar conseguindo uma proeza incrível em tempos de guerras ideológicas: unir direita e esquerda

Publicidade
TAGS: