Mais postos devem ser reabastecidos durante a madrugada

Piquetes em Cachoeiras não conseguiram parar caminhões-tanques. Filas já se formam em vários bairros
terça-feira, 29 de maio de 2018
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)

Um misto de expectativa e ansiedade pelo desfecho da greve dos caminhoneiros e o esperado reabastecimento dos postos de combustíveis em Nova Friburgo criou, nesta terça-feira, 29, uma cena inusitada, insuflada pelas redes sociais: filas de automóveis formavam-se a caminho de postos muito antes de os caminhões-tanque chegarem.

Por volta das 19h, dezenas de automóveis enfileiravam-se com os pisca-alertas ligados ao longo da Rua José Eugênio Muller (foto), à espera do caminhão-tanque previsto para chegar ao posto de bandeira Shell próximo à Praça do Suspiro. No posto, ainda fechado e cercado por cones, frentistas estimavam a chegada do combustível para depois das 21h30, ou seja, mais de duas horas de fila. Mesmo assim, os motoristas aguardavam tranquilamente, muitos acompanhados de familiares, com os quais planejavam se revezar durante a longa espera.

VEJA AQUI A REPORTAGEM, COM VÍDEO AO VIVO, SOBRE A CORRIDA AO POSTO DE OLARIA.

Depois do posto de Olaria, o primeiro a ser reabastecido, nas primeiras horas da manhã, à tarde foi a vez de postos na Chácara do Paraíso e em Mury voltarem a acionar suas bombas. No centro de Mury, no posto de bandeira Ipiranga, as filas rapidamente chegaram até o campo de futebol, no trevo da entrada para Lumiar.

Ao longo do dia, piquetes registrados em Cachoeiras de Macacu (foto) e outros pontos da RJ-116  fizeram pairar incertezas sobre sobre a normalização rápida do abastecimento de combustíveis e alimentos em Nova Friburgo, apesar das escoltas policiais que garantiram, segundo o governo do estado, o transporte de mais de cinco milhões de litros de combustíveis por rodovias do estado na madrugada de terça. 

No início da tarde, o Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) registrou protestos de apoio à greve dos caminhoneiros em pelo menos dois pontos de bloqueio da RJ-116: Bom Jardim e Papucaia. Vídeos mostraram atos também em Cachoeiras de Macacu, onde manifestantes sentaram-se no chão para bloquear a rodovia (foto), enquanto um caminhão-tanque era visto recuando diante do protesto.

Segundo o governo do estado, escoltas já garantiram o transporte de mais  cinco milhões de litros de combustíveis, ou um terço do que seria transportado rotineiramente, a partir da meia-noite desta terça, das refinarias para o interior do estado. Até a tarde, só havia notícias de reabastecimento de apenas um posto em Nova Friburgo, o de Olaria. 

Segundo o governador Luiz Fernando Pezão, o abastecimento está priorizando serviços essenciais e teve como destino as prefeituras do interior do estado. Cerca de 20 municípios já foram atendidos. Selos da Defesa Civil nos parabrisas dos caminhões identificarão aqueles que se destinam ao atendimento a serviços públicos,  como hospitais, escolas, coleta de lixo, Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

As Forças Armadas, a Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Militar fizeram na madrugada desta terça a escolta de cerca de 300 caminhões transportando alimentos perecíveis da Região Serrana do estado para a cidade do Rio. A operação teve início à meia-noite e meia, a partir do Km 29 da RJ-130, e terminou no entroncamento entre a BR-040 e a Avenida Brasil, a partir de onde os veículos seguiram destinos variados, com destaque para a Ceasa-RJ.

Na segunda-feira, 28,  Pezão se reuniu com o secretário de Segurança, Richard Nunes, e o interventor federal, general Braga Netto, e acertaram detalhes da escolta (foto).

LEIA MAIS

Defensoria Pública cobra da prefeitura preenchimento de vagas em escolas e creches

Reunião para correção salarial deve definir os rumos da mobilização da categoria e dos profissionais de apoio

Não era só demanda reprimida após a greve não: encher o tanque agora pode custar até R$ 250

Publicidade
TAGS: Greve