Ibama conclui: aves mortas foram mesmo envenenadas

Análise a olho nu feita pelo órgão indica que pombos e passarinhos podem ter consumido chumbinho. Prefeitura pede que população não dê comida
segunda-feira, 17 de julho de 2017
por Alerrandre Barros
Foto de capa
Veneno no milho dado aos pássaros, visto a olho nu (Foto de Henrique Pinheiro)

Uma análise a olho nu feita pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) indica que os mais de 20 pássaros encontrados mortos, na última semana, no Centro de Nova Friburgo, foram envenenados por chumbinho. A informação foi divulgada nesta segunda-feira, 17, pelo escritório regional do órgão na cidade.

“Eu fiz uma análise macroscópica em dois pássaros, um silvestre e um pombo, e tudo indica que foram envenenados”, disse o fiscal e médico veterinário do Ibama, Benites Coelho. “Identifiquei também uma substância no milho triturado, jogado no local onde estavam os pássaros, que deve ser chumbinho”.

O órgão não tem estrutura para uma análise microscópica dos animais

Pombos, rolinhas, canários e sabiás foram algumas das espécies que apareceram mortas na manhã de terça-feira, 11, nos arredores da Avenida Campesina Friburguense. Os pássaros foram vistos caindo das árvores, próximo à ponte da Rua Comandante Ribeiro de Barros. Vários teriam sido levados pelas águas do Rio Santo Antônio. Outros estavam mortos nos telhados de casas e lojas.

A matança das aves, principalmente de pombos, repercutiu nas redes sociais e causou a indignação de moradores porque pode ter sido motivada pela proliferação da espécie na região. Quem passa pela Avenida Campesina vê muitos pombos no trecho e numa casa abandonada do outro lado do rio. O imóvel teria se tornado, segundo moradores, um local de reprodução da espécie.

“Conversamos com moradores e comerciantes, mas ninguém soube dizer quem pode ter colocado a comida com veneno no local. Como algumas pessoas têm o hábito de jogar alimentos às margens do rio, fica muito difícil identificar o responsável. De todo modo, quem fez isso provavelmente estava incomodado com a quantidade de pombos”, disse Coelho.

Aparentemente inofensivos, os pombos podem transmitir doenças pelas fezes ou pela plumagem, mas isso não justifica a matança. É crime ambiental, com previsão de multa e prisão, matar esses animais sem autorização dos órgãos ambientais. Na natureza, os pombos têm a função de controlar insetos e disseminar sementes das plantas que utilizam como alimento - as sementes são eliminadas nas fezes e germinam no solo.

A espécie costuma se proliferar no centros urbanos porque recebe alimentos de pessoas, como milho, pão e até restos de refeições. Com isso, os pombos deixam de buscar na natureza os alimentos adequados à sua dieta. Em locais onde há fartura de alimentos ocorre o aumento da população destas aves. Se há escassez de alimentos, a população tende a diminuir até chegar a um patamar de equilíbrio.

A Subsecretaria municipal do Bem-Estar Animal (Subea) pede, portanto, que a população não alimente os pássaros. Nas praças Getúlio Vargas e Dermeval Barbosa Moreira, servidores de Nova Friburgo costumam encontrar grande quantidade de alpiste e outros alimentos deixados para os pássaros. A Secretaria de Serviços Públicos informou que retirou a comida envenenada onde os pássaros foram encontrados.

Orientações

Vários fungos e bactérias podem se desenvolver nas fezes ressecadas dos pombos. A inalação da poeira desses restos, além do consumo de água e alimentos contaminados por estes micro-organismos, pode causar graves doenças respiratórias, como a Criptococose e a Histoplasmose. A plumagem do animal também pode causar alergias e dermatites.

Para evitar essas zoonoses, a pessoa não deve varrer as fezes secas dos pombos, mas umedecê-las com água e sempre usar máscara ou pano úmido na boca e nariz no momento da limpeza. O uso de água sanitária ou cloro também é recomendado. O mesmo deve ser feito ao limpar áreas, como vãos de telhados, por exemplo, que contenham penas desse tipo de ave. Outras informações com a Vigilância em Saúde Ambiental pelo telefone (22) 2543-6293.

 

LEIA MAIS

Ação civil pública ainda não teve mérito julgado, mas escritório pode fechar as portas já em dezembro

Friburguense planeja finalizar sozinho, ainda neste sábado, coleta de todas as garrafas de vidro deixadas no local

Via foi aberta em área de Mata Atlântica entre Nova Friburgo e Bom Jardim para criação de cavalos e produção agrícola

Publicidade
Agora Faz