Greve com dias contados: Detran encerra contrato com terceirizada

Órgão anunciou que nova empresa assumirá o serviço e espera regularizar serviços até a próxima semana
terça-feira, 07 de novembro de 2017
por Guilherme Alt
Foto de capa
Cartaz informando greve no Detran (Arquivo AVS)

A greve dos funcionários terceirizados do posto de vistorias do Detran em Nova Friburgo completa 25 dias e tem mais um capítulo. Em nota divulgada no início da tarde desta segunda-feira, 6, o órgão comunicou que a empresa Prol não prestará mais serviços. A greve dos terceirizados da Prol atinge postos de vistorias em diversas cidades do estado. Eles denunciam que estão há dois meses sem receber salário e sem receber vale transporte e benefícios.

“O Detran informa que a partir de hoje,  7, uma nova empresa assumirá os serviços de habilitação do Detran.  As vistorias de veículos no posto de Duas Pedras, no entanto, só deverão começar a ser feitas pela nova terceirizada na próxima segunda-feira, 13. Nesta data, a nova empresa assumirá também os serviços da diretoria de veículos, após a saída da Prol, que ocorrerá no próximo dia 11. Com as novas contratações, na sequência, haverá a efetiva normalização dos serviços”.

Ainda segundo o comunicado, o Detran reforçou a atenção para minimizar os impactos das paralisações junto aos usuários e lembrou que os procedimentos contratuais com empresas terceirizadas precisam ser seguidos à risca em benefício da própria população. O Detran reforçou que quem se sentir prejudicado poderá protocolar processo junto ao órgão apresentando as comprovações necessárias às suas reivindicações.

A Prol tem uma pendência legal com o governo do estado e por isso sofreu uma penalidade administrativa. Por conta disso, a empresa não pode fazer os repasses para os funcionários. O presidente do Detran, Vinícius Farah, em nota, esclareceu que as paralisações, iniciadas no último dia 13 são pontuais e não afetam todos os postos do estado. “As regiões do Sul Fluminense e do Médio Paraíba foram as mais impactadas. Nestes locais, o sindicato homologou uma greve. Por isso, voltamos todas as nossas atenções para esta região”, explicou. Na semana passada, um mutirão do Detran em Friburgo realizou mais de mil atendimentos em uma só dia.

O outro lado

Muito se fala do impacto que as greves causam às pessoas que costumam utilizar determinado serviço, mas pouco se conta do lado mais prejudicado da greve: os funcionários. Dois meses sem salário e sem receber vale transporte é um prejuízo que só quem passa sabe a dimensão.

Antes de valores pessoais e interesses próprios serem postos a frente, a greve, acaba sendo um ato de desespero que geralmente afeta àqueles que nada tem a ver com os problemas de uma empresa ou de um órgão. “Todas as minhas contas estão atrasadas. Eu tenho que ir toda semana nos lugares onde tenho pendência para mostrar que a dívida acumulada não é por má intenção e sim porque eu não recebo salário há dois meses. Não temos dinheiro nem para pagar uma passagem de ônibus”, disse um funcionário da Prol que não quis se identificar.

Outro funcionário  mostrou-se ainda mais preocupado com o futuro na empresa. “Agora está tudo indefinido. Ainda não sei o que vai acontecer, se continuarei empregado, quando vão ser quitadas as pendências com os funcionários. Em época de crise, qualquer emprego é válido. Ficar desempregado agora não é uma opção”.

Em nota, a presidência do Detran informou que a nova empresa assumirá os funcionários da Prol.

LEIA MAIS

Defensoria Pública cobra da prefeitura preenchimento de vagas em escolas e creches

Reunião para correção salarial deve definir os rumos da mobilização da categoria e dos profissionais de apoio

Não era só demanda reprimida após a greve não: encher o tanque agora pode custar até R$ 250

Publicidade
TAGS: Greve