Friburguenses campeões de muay thai garantem vaga no Mundial da Itália

Viagem ainda é incerta: lutadores buscam patrocínio para custear estada na Europa
quarta-feira, 17 de maio de 2017
por Guilherme Alt
A cademia onde Guilherme e Lucas treinam (Foto: Arquivo Celso Martins)

 

Dois atletas friburguenses venceram a seletiva brasileira para competir no Mundial de Muay Thai profissional, na Itália. Apesar de estarem garantidos, a presença deles é incerta. O motivo é falta de verba para custear a estada na Europa, durante a competição.

Guilherme Garcia, de 21 anos e Lucas Prestes, de 20, são campeões do Brasil Open de Muay Thai. A competição foi realizada em Niterói, no início do ano. O título rendeu um convite para disputar a seletiva para o Mundial na Itália. Guilherme se sagrou campeão na categoria até 70 kg e Lucas na categoria até 64 kg.

O mundial vai ser disputado daqui a cerca de dois meses, mas a preparação para as lutas começa muito antes. O ritmo intenso de treinamento faz com que Guilherme e Lucas treinem diariamente. “Treino de segunda a sábado. Várias vezes ao dia. A preparação pras lutas é árdua. Se não estou malhando ou praticando os golpes, vejo vídeo de lutas. Abdico das saídas com os amigos pra manter o foco na disputa”, conta Guilherme que vai disputar o Mundial pela primeira vez.

Lucas, que também vai estrear no Mundial, afirma que o seu estilo “caçador” o torna favorito para as lutas, na Europa. “O meu estilo é a trocação (luta em pé, ‘mão-a-mão’). Vou sempre me considerar favorito, quero fazer o meu trabalho e quero que o mundo reconheça isso ”, deseja.

Os dois atletas treinam sob a tutela do Mestre Celso Martins, que também é o presidente da Confederação brasileira de Muay Thai Profissional (CBMTP). Celso, afirma que os dois estão preparados para as disputas e dá dicas de como proceder na parte final dos treinamentos. “Tudo é importante. Leitura, meditação, troca de ideias, isso ajuda na preparação. Eu digo que os treinos dão confiança e tranquilidade para a luta. Treinar é fundamental ”.

O presidente da CBMTP afirma que a confederação está ajudando os atletas, mas que infelizmente não tem poder financeiro para arcar com todos os custos “Nós demos uma ajuda financeira e ajudamos com a parte de documentação, mas não temos como bancar passagem e estadia para todos. A CBMTP foi fundada em Friburgo e tivemos gastos com equipamento, construção do octógono e um centro de treinamento adequado, preparação de eventos. Não podemos pagar tudo para todo mundo, mas estamos contribuindo com uma parte dos custos. A confederação existe justamente para que possamos reunir recursos e um dia patrocinar nossos atletas”, relata.

A presença dos lutadores friburguenses ainda é incerta. Caso não consigam os patrocínios, não poderão competir. Mas isso não passa pela cabeça de Lucas e Guilherme. Os atletas se mostram confiantes e animados para a disputa. “Estou conversando com várias pessoas em busca de patrocínios. Já consegui alguns, mas preciso de mais”, afirma Guilherme. Lucas, que também está correndo contra o tempo, diz que estará no Mundial, de um jeito ou de outro. “O Mundial é um sonho. Nem que eu parcele no cartão, faça um empréstimo. O importante é a experiência de vida que vou ter”, confia.

Além do cinturão, a premiação mais importante do Mundial, segundo os lutadores, é a visibilidade que o futuro campeão vai ter no mundo da luta. “O cinturão da WFM Mundial vai abrir portas para chegar ao eventos mais conhecidos como a Tailândia, o berço do Muay Thai”, desejam.

Lucas e Guilherme pretendem, na Itália, continuar com a maré de vitórias. Lucas já lutou sete vezes, tem seis vitórias e apenas duas derrotas. Guilherme lutou 12 vezes, com dez vitórias e duas derrotas. Boa sorte aos campeões friburguenses.

Publicidade
Agora Faz
TAGS: muay thai