Firjan lamenta aumento de 5% do piso salarial

Entidade lembra que, embora tenha perdido meio milhão de empregos em 3 anos, piso ficará 25% maior que o salário mínimo nacional
sexta-feira, 09 de fevereiro de 2018
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa

A Firjan lamenta que a Alerj tenha ignorado todas as negociações e a grave crise econômica que o Estado do Rio de Janeiro ainda vive e tenha aprovado reajuste de 5% para o piso salarial. O índice é quase o triplo do aprovado para o salário mínimo nacional, que foi de 1,8%.

O Rio de Janeiro perdeu meio milhão de vagas de emprego nos últimos três anos, 92.192 só em 2017. O Rio é o estado em pior situação econômica do país, sem paralelo com nenhum outro. No entanto, é o local que dará o reajuste mais alto. O piso do Rio ficará 25,1% maior que o salário mínimo nacional. Nem quando o estado estava em crescimento econômico a diferença foi tão grande. São Paulo, que perdeu 6.651 vagas de emprego ano passado, terá seu piso regional reajustado em 2,99%.

Durante todo o ano, a Firjan mostrou de forma incansável os índices e projeções sobre a economia no estado e no país no Conselho Estadual de Trabalho, Emprego e Geração de Renda do Estado do Rio de Janeiro (Ceterj). Todos os alertas foram desprezados.

O aumento do piso salarial fluminense está totalmente descolado da realidade do estado, que enfrenta uma aguda crise, que não terá fim em 2018. A decisão dos deputados abate, definitivamente, qualquer possibilidade de o Rio ensaiar uma retomada este ano. Em ano de eleição, os parlamentares fecharam os olhos para todas as negociações, dados e alertas, e votaram os 5% para conquistar o aplauso rápido dos eleitores. É este público que pagará as consequências futuras desta decisão equivocada.

Haverá um efeito cascata que vai elevar preços de produtos e serviços e pode levar à extinção de mais 25 mil vagas de trabalho. A decisão de ontem custará caro a toda a sociedade.

 

LEIA MAIS

Saldo positivo do ano foi puxado por indústria e comércio. Em 2015 e 2016, município fechou quase 3 mil postos formais de trabalho

Dos 21 vereadores, 19 assinam texto que altera lei dos taxistas contra startup, que esteve mês passado na cidade para arregimentar motoristas

Percentual de aumento de contratações em outubro chegou a 60%, segundo o Ministério do Trabalho

Publicidade
Agora Faz
TAGS: Emprego