Em Friburgo, mais da metade da merenda escolar vem da agricultura familiar

Objetivo do governo municipal é alcançar a marca de 61,7%, fortalecendo cadeia produtiva e economia locais
quinta-feira, 14 de dezembro de 2017
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa

Boa parte das mais de um milhão de refeições servidas por ano nos refeitórios das escolas municipais de Nova Friburgo são oriundas da agricultura familiar. De acordo com dados divulgados pela prefeitura, em 2016, o percentual de aquisição de produtos desse tipo foi representou 52,9% dos recursos financeiros repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Mas a estimativa é de que até o fim deste ano esse número chegue à casa do 61,7%. Mais que o dobro estabelecido pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que é de 30%.

Ainda de acordo com o levantamento divulgado pela prefeitura, atualmente a Secretaria municipal de Educação fornece cerca de 578 mil refeições mensais aos alunos da educação infantil, incluindo café da manhã, colação, almoço, lanche e jantar. Já os alunos do ensino fundamental têm cerca de 588 mil refeições por mês. Números que numa média mensal de refeições servidas nas escolas municipais representam 1,16 milhão, considerando 20 dias letivos.

Segundo o governo municipal, além dos benefícios nutricionais no cardápio das creches e escolas, garantindo uma alimentação mais saudável aos alunos da rede e a consequente melhoria do desempenho escolar, a iniciativa fortalece a cadeia produtiva e a economia locais. Dentre os alimentos fornecidos pela agricultura familiar estão legumes, hortaliças, frutas entre outros produtos frescos. No total, são 21 itens adquiridos de produtores familiares para a merenda.

Os cardápios são periodicamente elaborados por uma equipe de nutricionistas da secretaria, que faz o acompanhamento das compras e ainda elabora periodicamente cardápios que aproveitam melhor os produtos de cada estação. Ainda segundo o município, as merendeiras da rede também passam por cursos de capacitação com foco nos processos de higienização, manuseio e preparo dos alimentos. No último mês de setembro, as profissionais participaram também de um curso de reaproveitamento de cascas, sementes, talos e raízes de frutas e verduras.

 

LEIA MAIS

Instituição tem conseguido se expandir apesar da crise que sucateia universidades públicas pelo país

Unidade desativada no ano passado será destinada à ampliação e instalação do campus 2, com vários cursos

Conselho profissional descobriu ainda professores sem registro profissional. MP apura os casos

Publicidade
TAGS: Educação