Em Friburgo, itens da ceia estão até 14% mais baratos do que em 2016

Frutas secas como a castanha, entretanto, podem pesar no bolso do consumidor
quinta-feira, 21 de dezembro de 2017
por Karine Knust
Foto de capa

A ceia de Natal dos friburguenses deve ser mais leve este ano. Pelo menos, no que diz respeito aos gastos. Isso porque, comparado a 2016, o preço de boa parte dos produtos que compõe o jantar natalino registraram queda. Um bom exemplo dessa mudança nos valores é a tradicional ave temperada chester, que vem apresentando quedas nos preços há dois anos, inclusive.

Em 2015, o quilo da ave custava em torno de R$ 20,90, já em 2016 a carne variou entre R$ 15,20 e R$ 16,50. Este ano, entre os supermercados do Centro da cidade visitados pela equipe de reportagem de A VOZ DA SERRA na manhã da última segunda-feira, 18, o valor do quilo do mesmo item foi encontrado entre R$ 12,95 e R$ 15,20. Ou seja, em um ano, o valor do chester caiu cerca de 14%.

O peru, outro alimento garantido na ceia do brasileiro, também registrou queda nos preços. Enquanto em 2016 o item variava entre R$ 13,88 a, no máximo, R$ 18,60 o quilo, este ano o produto pode ser garantido por R$ 12,98 ou, no máximo, R$ 14,95 o quilo, valor que não chega ao mínimo praticado em 2015, que era de R$ 14,98 a R$ 20,99. Mesmo que mais tímida do que a do chester, a variação do preço do peru de 2016 a 2017 chega a mais de 5%. Desconto que, no fim das contas, pode fazer diferença.

Nesse mesmo caminho de preços mais baixos ainda está o bacalhau. Em 2015 o quilo do peixe custava em média R$ 39,90. Já no ano passado, o quilo do pescado saía por R$ 38,50. Já este ano, é possível comprar o item cerca de 14% mais barato: R$ 33 o quilo. Isso, claro, sem esquecer de fazer uma boa pesquisa de preços antes de efetuar a compra, já que só nos supermercados do Centro, o preço do mesmo item pode variar até 60%.

Ainda na lista de itens mais baratos em 2017 está a sidra. No ano passado o valor mais baixo da bebida era de R$ 7,99, já este ano ela pode ser comprada por R$ 5,40. Mas esse é outro item que merece atenção na pesquisa de preços, já que em alguns estabelecimentos ele pode custar quase o triplo do preço: R$ 15,90.     

Na contramão do barateamento, quem parece não ter entrado no clima dos preços mais baixos é o presunto tender, pelo menos não no centro da cidade. Isso porque, se em 2016 o item podia ser adquirido por R$ 17,91, nesta última segunda-feira, 18, o produto não foi encontrado pela equipe de A VOZ DA SERRA por menos de R$ 19,90 o quilo.

Pela hora da morte

Se você é ligado em expressões populares provavelmente já ouviu falar na famosa “Pela hora da morte”. A sentença é utilizada para indicar preços exorbitantes em produtos ou serviços e se encaixa muito bem quando o tema é o valor das frutas secas que ganham destaque em algumas ceias de Natal. Se os queridinhos da ceia registraram queda nos preços, os “itens de luxo” tiveram uma alta considerável em relação ao último ano.

No topo do ranking está a já conhecida vilã da mesa farta: a castanha. Enquanto em 2015 o quilo da fruta sem casca chegava a R$ 89,90 e em 2016 a  R$ 98,90, esse ano, o valor mais barato encontrado em supermercados do centro da cidade foi o de R$ 129 o quilo. Sim, o mais barato. O valor mais caro chega a cerca de R$ 280. Não vai comprar um quilo da fruta seca? Não tem problema. Ainda é possível encontrar potes com 120 gramas da iguaria pelo preço máximo de R$ 34,99.

Ainda entre as frutas secas, as amêndoas também registraram alta, saindo de R$ 14,58 o quilo do item com casca para R$ 19,90. Já no caso das nozes, a opção da fruta com casca aumentou de R$ 22,68 o quilo em 2016, para R$ 25,40 em 2017. Por outro lado, quem for comprar o produto já sem a casca, pode encontrar por R$ 89 o quilo, cerca de 10% mais barato do que no ano passado, quando custava R$ 99.

Mesa mais enxuta

Nada de desperdícios e comida suficiente para o restante da semana. Mesmo com a queda no preço de boa parte dos produtos tradicionais da ceia de Natal, há quem vá optar por uma mesa mais enxuta este ano. Caso da design de interiores  Andreia de Andrade, de 53 anos.

Com cinco pessoas para a ceia de Natal, Andreia afirma que vai praticar a economia também na escolha dos pratos. “A ceia de Natal deste ano terá poucos itens para não sobrar nada”, conta ela acrescentando que “Presente? Só amor! Não dá para ficar nessa loucura de consumo, confusão e estresse. Presente temos o ano todo para dar. Vamos curtir a família e lembrar do verdadeiro motivo do Natal” defende.  

Outra tática que tem se popularizado nos últimos anos é a compra dos alimentos já prontos, a chamada ceia sob encomenda. Talvez, a opção não seja uma grande pechincha, mas pode render a economia de algumas horas na cozinha. “Esse ano resolvemos comprar a ceia pronta até para não sobrecarregar minha mãe, que vai estar praticamente sozinha na cozinha. Compramos por um site de promoções da cidade, claro que depois de ver algumas boas referências do fornecedor. Optamos por um kit com carne assada, farofa natalina, salpicão e rabanada para oito pessoas por R$ 280. Lá em casa teremos uns 12 convidados para a ceia, então, dois kits serão suficientes. Faremos apenas um arroz a grega pra complementar e alguns petiscos para beliscar antes da ceia, mas nada demais. Essa opção economiza muito tempo, então acaba valendo a pena”, conta a vendedora Cláudia Gonzaga, de 44 anos.

Ceia econômica

Caso o dinheiro disponível ainda não seja o suficiente para comprar o produtos para ceia de Natal, uma possibilidade para ter um jantar saboroso e que caiba no bolso é a substituição. Confira dicas para gastar menos e ficar satisfeito com o cardápio durante as festas natalinas:

  • Troque carnes típicas por opções mais baratas: é possível escolher chester ou lagarto recheado ao invés do peru;
  • Opte por bacalhau desfiado, ao invés de bacalhau em postas, com essa substituição, com a mesma quantidade que seria ideal para um prato, é possível fazer três diferentes;
  • As carnes podem encarecer o orçamento, por isso, diminua a quantidade desses itens e substitua por acompanhamentos, que podem sair muito mais baratos;
  • Diminua a quantidade de sobremesas e escolha receitas baratas, como pudim de leite, mousse de chocolate e pavê.

 

Publicidade
TAGS: