Desafio da Mata Atlântica convoca atletas a percorrerem 51km em setembro

Prova inclui trilhas em mata fechada, com árvores que chegam a ter 40 metros de altura, e escaladas a até quase 1.500 metros de altitude
quinta-feira, 10 de agosto de 2017
por Vinicius Gastin
Foto de capa
O Desafio da Mata Atlântica (Foto: Arnaldo Francisco de Sousa)

Nova Friburgo é o quarto município do Brasil em área nativa de Mata Atlântica. Algo positivo em variados aspectos, inclusive no âmbito esportivo. Em meio ao cenário de parte desta natureza, na Reserva Florestal de Macaé de Cima, o Desafio da Mata Atlântica será promovido no dia 10 de setembro. A prova, na modalidade Trail Run, desafia atletas e amantes da corrida a completarem os seus 51km. Há as opções de disputa de forma individual, em dupla ou em quarteto.

A largada acontece na Praça Marcílio Dias, no Paissandu, às 6h. O desafio prevê diversas trilhas e estradas em mata fechada, em área completamente preservada. Entre as atrações para aventureiros e amantes da natureza estão algumas árvores que chegam a ter 40 metros de altura, em um percurso que proporciona escaladas a até quase 1500 metros de altitude. Os corredores passarão por vales cortados pelo Rio Macaé, de água gelada e cristalina, onde são criadas as melhores trutas do país.

A prova terá mais da metade do seu percurso na Reserva Ambiental de Macaé de Cima, terreno que preserva algumas espécies animais e vegetais que somente são encontrados naquela região. Para superar os 51km da prova, os atletas sairão do centro de Nova Friburgo, numa altitude de 728 metros, e terão que enfrentar uma longa subida chegando a 1400 metros, entrando pela Região de Macaé de Cima, de topografia  altamente montanhosa.

O percurso será dividido em quatro trechos: o primeiro, que reserva uma leve subida, com 10,4km; o segundo, que totaliza 13,4km com subidas e descidas fortes; o trecho de número três, com 16,8km, de subidas e descidas fortes, e o último trecho, o quatro, de leve descida pelos 10,4km restantes.

As equipes poderão ser masculinas, femininas ou mistas. Na modalidade quarteto, para prestigiar os veteranos, haverá uma categoria especial, a Over 200, onde a soma da idade dos quatro corredores deverá somar mais de 200 anos. A largada será escalonada de acordo com o índice técnico do atleta ou da equipe, todos os atletas serão premiados com medalhão, e as três primeiras equipes de cada modalidade e os três primeiros no geral e nas faixas etárias na modalidade solo serão premiados com troféus. A premiação oficial dos vencedores, com troféus, acontecerá às 13 horas, no mesmo local da largada e chegada do evento.

“O Desafio da Mata Atlântica, assim como a Corrida da Mulher, são novidades no calendário da Ascof, desenvolvidas pela atleta Jacqueline Abreu. É um grande desafio para quem vai participar, e um maior ainda para quem vai organizar. Nessa prova teremos várias largadas, pois queremos uma chegada mais concentrada para que as pessoas aguardem menos pela premiação. Já contamos com inscrições de corredores de várias partes do estado, e uma repercussão grande nas redes sociais. Temos também uma preocupação ambiental. Para se ter uma ideia, não vamos distribuir copinhos de água. Cada corredor deve levar a própria garrafinha, e abastecê-la nos pontos determinados”, explica o professor José Augusto, um dos organizadores da prova.

Serão premiadas as três primeiras equipes no geral masculino, feminino, misto e Over 200 modalidade quarteto; as três primeiras equipes no geral masculino, feminino e misto na modalidade Dupla; os três primeiros no geral masculino e feminino na modalidade solo e os três primeiros de cada categoria por idade, masculino e feminino, na modalidade solo. Os três primeiros colocados entre homens e mulheres na modalidade solo receberão, além do troféu, uma premiação em dinheiro a ser definida até 20 dias antes do evento e divulgada no site oficial da prova.

LEIA MAIS

Nova colunista, Renata de Rivera, terá espaço sobre sustentabilidade e sobras de papel-jornal serão doadas para reciclagem

Há 5 meses grupo havia recolhido quase 300kg no mesmo local. Detritos foram entregues à EBMA para reciclagem

Mais uma reportagem da série especial sobre cartões postais friburguenses mostra que lugar está bem preservado

Publicidade
Agora Faz