Depois dos ambulantes, Subsecretaria de Posturas mira no comércio

Estabelecimentos com caixas de som e mercadorias nas calçadas também serão alvo de operações de fiscalização
sexta-feira, 13 de abril de 2018
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa
Movimento na Alberto Braune (Arquivo AVS)

Depois de anunciar uma série de medidas para combater o comércio ambulante não autorizado nas ruas da cidade, especialmente no Centro, o subsecretário municipal de Posturas, Guilherme Spitz, anunciou que fiscalizará também o comércio. Em reunião na última quinta-feira, 12, com o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e do Sindicato do Comércio Varejista (Sincomércio) de Nova Friburgo, Braulio Rezende, Spitz explicou que o objetivo da ação é aplicar as  normas do Código de Posturas e, consequentemente, ordenar a cidade.

Ainda de acordo com o subsecretário, a operação visa impedir o uso de caixas de som amplificadas nas portas de lojas, com som em volume alto, e mercadorias sobre as calçadas em exposição ou durante o descarregamento de caminhões. Spitz observa que muitas dessas mercadorias permanecem muito tempo nas calçadas enquanto é feito o recebimento pelas lojas, prejudicando a circulação de pedestres. Todas atitudes que desrespeitam o Código de Posturas do município. “Nossa ideia não é atrapalhar o negócio de ninguém. Primeiro, vamos notificar, chamar atenção para o erro. Após essa etapa, vamos começar a multar quem não se corrigir”, assinalou.

Durante o encontro, Braulio (foto) pediu ao subsecretário que mantenha as operações de combate aos camelôs, deflagradas recentemente no Centro, já que muitos deles, após terem sido afastados das ruas recentemente, voltaram aos mesmos pontos de venda. “Se o poder público não for rigoroso neste caso, criará um problema grande que mais à frente não terá como solucionar. Além de dar aspecto de desleixo à cidade, o comércio ambulante traz sérios prejuízos às lojas estabelecidas, que contribuem para a economia de Nova Friburgo com o pagamento de impostos e a geração de milhares de empregos”, defendeu.

Além das iniciativas tomadas pela Subsecretaria de Posturas para a retirada dos camelôs e o decreto da prefeitura que permite à Guarda Municipal ajudar na fiscalização sobre o comércio ambulante, Braulio disse que também apoia o aumento da fiscalização do comércio. Ele explicou que qualquer  desobediência à lei municipal precisam ser combatidas e destacou que sempre apoia medidas que visem à organização da cidade. “Tudo o que for feito para o bem de Nova Friburgo pode contar com a nossa cooperação”, salientou Braulio Rezende.

 

LEIA MAIS

Controle do comércio irregular e novo decreto sobre a Guarda Municipal foram discutidos em reunião nesta segunda

Segundo presidentes da CDL, Sincomércio e Acianf, atuação dos camelôs prejudicam as lojas

Em 2017, cerca de 6 mil produtos piratas foram apreendidos; este ano, quase metade desse total

Publicidade
Agora Faz
TAGS: comércio | camelos