Conta alta a pagar

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa
(Foto: Arquivo AVS)

O NÚMERO DE óbitos em rodovias federais caiu 6,8% em 2016, segundo balanço da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O relatório, que mede a violência no trânsito em rodovias federais, também indicou queda no número de acidentes graves, que caíram 3,9% em relação ao ano de 2015.

EM 2016, ocorreram 20.994 acidentes graves em rodovias federais contra 21.854 ocorrências em 2015. Ao todo foram 21.439 feridos graves e 6.405 mortos em decorrência desses acidentes. Em comparação a 2015, houve uma redução de 4,8% no número de feridos graves – em 2015, foram 22.517. 

O NÚMERO geral de acidentes - com ilesos, feridos leves ou graves - sofreu queda de 21%. Enquanto em 2015 foram registradas 122.090 colisões de veículos, nos 70 mil quilômetros de rodovias federais brasileiras sob os cuidados da instituição, em 2016, este número caiu para 96.296 acidentes registrados e atendidos pela PRF.

A CHEGADA DO período festivo do Carnaval acende o sinal de alerta nas rodovias brasileiras diante do elevado volume de acidentes graves, quase todos com vítimas fatais. Nem todo rigor da legislação, com aumento no valor das multas, ampliação da fiscalização eletrônica e realização de operações pelas polícias rodoviárias Federal e Estadual tem sido suficiente para reduzir essa tragédia.

OS ESPECIALISTAS em trânsito jogam a culpa da tragédia nos ombros dos governantes e da legislação, primeiro porque a Lei Seca, que nasceu cheia de boas intenções, acabou sendo sugada pelo ralo da impunidade e hoje são poucos os Estados que realizam operações com base na legislação. Resultado: a embriaguez é uma das principais causas de acidentes no trânsito e a cada final de semana surge uma tragédia onde o condutor totalmente tomado pelo álcool atropela e mata pessoas inocentes.

O INSTITUTO de Pesquisa Econômica Aplicada fez as contas e constatou que os impactos sociais e econômicos dos acidentes de trânsito nas rodovias brasileiras são terríveis tanto para o Estado, quanto para o contribuinte e para os familiares das vítimas. Um acidente de trânsito sem vítimas tem custo médio de R$ 16.840,00, enquanto um acidente com ferido tem custo médio de R$ 80.032,00 e um acidente com morte tem um custo médio de R$ 418.341,00. Tais números indicam que ao mesmo tempo em que causam uma dor profunda nas famílias, os acidentes de trânsito deixam uma conta gigantesca para a sociedade pagar.

Publicidade
Agora Faz
TAGS: