A cidade dos sonhos por Giovanni Cariello: em 2038...

"A cidade pertence a todos nós e cada um deve cuidar do meio ambiente, seja ele urbano ou natural"
sábado, 11 de novembro de 2017
por Giovanni Carrielo
Foto de capa
O arquiteto e urbanista Giovanni Cariello (Arquivo pessoal)
No início das civilizações, as cidades se formaram simplesmente pelo aglomerado de pessoas que se juntaram por motivos vários e que se viram obrigados a estabelecer regras e modelos de convivência para promover um conforto ambiental adequado à cultura e modus vivendi de cada aglomeração.

"Há 20 anos, éramos apenas mais um povo desorientado e perdido na ideia de sermos o que não éramos"

Giovanni Cariello

Os avanços que a falta de políticas claras promoveram, na maioria dos casos, causou mais problemas que soluções. Então, dizer como gostaria de ver minha cidade urbanisticamente resolvida significa passar por vários aspectos da sociedade, principalmente pela cidadania, pela formação do cidadão que habita Nova Friburgo.

Entendo que a cidade pertence a todos nós e cada um deve cuidar do meio ambiente, seja ele urbano ou natural. De certa forma, fomos moldados a pensar que a responsabilidade pública pertence aos políticos, aqueles que elegemos para trabalhar para nós, para cuidar do que é nosso, e não nos damos conta do que causamos à nossa própria vida, quando não cuidamos das nossas calçadas, dos nossos muros, da nossa rua, de nosso bairro, de nossas matas, tudo que usufruímos como se fosse emprestado, mas que na realidade nos pertence, nos protege e nos possibilita ter uma vida melhor ou não.

Dependendo apenas de nós.

Vemos vários bairros que são mais valorizados como Cônego, Braunes, Bairro Suíço, Vale dos Pinheiros, onde seus moradores trazem a tradição, muitas vezes de pais para filho ou até netos. Bairros reconhecidos pela sua vocação unifamiliar, sendo destruídos, tendo suas paisagens deterioradas por prédios comerciais/residenciais sem valor arquitetônico, sem proposta de conforto ambiental e paisagístico.

Não levamos em consideração as caixas de ruas apertadas, a necessidade de aumento de ônibus, sendo grande o impacto ambiental nesses bairros, trazendo mais ônus aos cofres públicos e a consequente busca por mais impostos pelo Executivo que estaria ali para nos proteger.

Sequência de erros motivada pelo imediatismo, pela ganância e muitas vezes pela vontade de realizar em pouco tempo uma vitrine eleitoreira, traz impactos ao longo dos anos, e, não raro, irreversíveis.

Assim, eu, como arquiteto, paisagista e urbanista, friburguense, não poderia vislumbrar minha cidade sem conhecer os problemas reais que ela sofre e continuará sofrendo, se não tomarmos consciência e nos tornarmos efetivamente cidadãos, protetores desse legado que nos foi passado e continuaremos a deixar.

Anseio por uma Nova Friburgo assim:

Minha cidade Nova Friburgo, o lugar em que nasci e vivo pode ser exemplarmente reconhecida como a cidade do bem-estar, do conforto da população que valoriza os seus aspectos físicos onde a natureza está inserida, tendo as matas a nos abraçar, preservadas, protegidas e os rios com suas águas límpidas nos brindando com seu frescor.

As ciclovias permitindo a alegria e a vitalidade trazidas pelo bem-estar das pedaladas de Conselheiro Paulino a Olaria, de Mury ao Cônego, número de automóveis reduzido pelo transporte alternativo e pelo transporte público eficiente, nos beneficiando com o ar mais puro e pessoas mais saudáveis colaborando com a administração pública com menor gasto e manutenção física das artérias urbanas como das artérias humanas.

Minha cidade é linda com paisagens deslumbrantes, todos os detalhes cuidados que vão desde o revestimento das calçadas, passando pelos canteiros das praças, pelas fachadas e letreiros das loja comerciais, indo em direção às cercas e muros das propriedades rurais e dos bairros mais afastados.

Nós, friburguenses, entendemos que, mesmo ocupando as encostas, sabemos fazê-lo com segurança protegendo nossas famílias que estão em primeiro lugar, e que os muros, calçadas e as pinturas de nossas residências são responsáveis também pela imagem e valorização desta cidade tão abençoada.

O Rio Bengalas majestosamente cortando a cidade, limpo e suave por conta da educação de cada cidadão, que ao não jogar lixo no rio, não permitirá que a região se degrade.

Todos os imóveis e indústrias têm seus dejetos tratados pela consciência íntima de cada um aqui nascido e daqueles que escolheram esta cidade para viver.

Nova Friburgo, terra de gloriosas histórias e um livro de páginas importantes escritas até este tempo pelo espirito cidadão, quando escolhemos governantes comprometidos com a cidade, com cada habitante sendo capaz de decisões focadas no progresso desse canto do céu.

Estamos em 2038, e somos um exemplo de cidadania e ações urbanas generosas com um povo generoso e amável, o qual soube valorizar os bens dados pela natureza.

Há 20 anos, éramos apenas mais um povo desorientado e perdido na ideia de sermos o que não éramos.

Giovanni Cariello é arquiteto, paisagista e urbanista, responsável pelas reformas, com a devida  autorização do Ipahn, dos seguintes prédios comerciais em Friburgo: Estilo Livre (Monte Líbano); estacionamento (Oliveira Botelho); Laboratório Rhony Barros (Ernesto Brasílio); loja (Fernando Bizzotto), entre outras inúmeras construções em toda a cidade.

 

LEIA MAIS

Projeto estabelece normas para fachadas de comércio e padroniza calçadas nos centros comerciais de Friburgo

"Chegou a hora de olhar para uma NOVA Nova Friburgo, que com o tempo se transforma e chega uma hora que tem que se reinventar"

"O primeiro passo é entender que a cidade é uma ferramenta, um objeto do homem moderno"

Publicidade
Agora Faz
TAGS: urbanismo