Bloco Máquina Tricolor vai homenagear dupla de atacantes

“Recordar é viver, Assis acabou com você” do Fluminense já vendeu mais de 300 abadás
terça-feira, 06 de fevereiro de 2018
por Guilherme Alt
Foto de capa

"Abram alas, que o meu Fluzão vai passar. É voz que não se cala, é canta de alegria no ar”. Neste sábado, 10, a torcida do Fluminense vai deixar a Avenida Alberto Braune com a três cores que traduzem tradição. O Bloco Máquina Tricolor desfila pelo palco sexagenário do carnaval friburguense a partir das 17h, mas a festa começa 13h, na concentração do estacionamento da SAF.

O bloco é temático e a cada ano rende homenagens, seja a um título ou jogador que tenha tido passagem marcante pelo clube. Em 2018, o Máquina Tricolor vai homenagear Washington e Assis – o Casal 20, dupla de atacantes do Fluminense da década de 80, responsáveis pelo tricampeonato Carioca (1983 – 1984 – 1985) e o título brasileiro de 1984.

A ideia surgiu depois que três amigos conversando sobre o time do Fluminense, pensaram em fazer um bloco da torcida na cidade de Friburgo. “O Máquina Tricolor existe desde 2007. Estávamos em um bar eu (Higor), Rodrigo Lopes Gripp, Maicon Torres. Existia uma competição no quesito resistência, em que você ia por várias ruas da cidade desfilando, e tendo que manter a animação lá em cima. Nós montamos o Bloco para participar desse quesito. Uma curiosidade é que nesse primeiro ano nós chamamos pessoas de outros times para participar. Tínhamos que ter no mínimo 50 pessoas”, conta Higor Linhares.

O bloco que começou há 11 anos com cerca de 20 pessoas, hoje já arrasta cerca de 400 pessoas pulando atrás do trio. Em 2017 uma “grande contratação” pro bloco: a presença do ídolo Romerito. Natural do Paraguai, Romerito é considerado o melhor jogador do Paraguai de todos os tempos. Atuando no Fluminense de 1984 a 1989, Romerito foi o autor do gol que deu o título brasileiro de 1984 ao Fluminense. Friburguenses e pessoas de cidades vizinhas vieram só para desfilar no bloco e ter a chance de ver de perto um dos maiores ídolos do clube.

Em 2018, o Máquina Tricolor já vendeu mais de 300 abadás. Unindo forças, de acordo com Higor, a Fluburgo (Torcida do Fluminense criada em 1975) é uma das grandes parceiras do bloco. “A galera sempre deu uma força enorme. O Daniel Turque, um dos responsáveis pela torcida, é um cara que corre atrás e ajudou muito nosso bloco. Esse ano temos uma novidade, pela primeira vez a bateria do bloco é composta apenas por torcedores do Fluminense. Vai ser a bateria do Fluminense. Teremos caravanas do Rio de Janeiro, Nitéroi, Cordeiro, Cantagalo, Teresópolis vindo pro bloco”.

O sucesso é tão grande que torcedores de times rivais fazem questão de prestigiar o bloco. “É algo muito legal ver pessoas que torcem pro Flamengo, Vasco e Botafogo perguntando se pode ir, se podem comprar o abadá. Sinal de que somos um grupo organizado e que tem dado certo. Nós queremos isso. Uma festa com todos e sempre na brincadeira e na paz. Até o ano passado nós éramos o único bloco de futebol, agora tem o Gigantes da Serra, da torcida do Vasco, quem sabe mais pras frente Flamengo e Botafogo não criam um bloco e Friburgo tem os quatro grande times do Rio representados no carnaval”, deseja Higor.

Homenagem a Laércio Rangel Ventura

Reconhecido tricolor e um apaixonado pelo Fluminense, Laércio Rangel Ventura, ex-diretor do A VOZ DA SERRA, faleceu no dia 3 de fevereiro, às vésperas do carnaval. E como forma de homenagear o notório torcedor do pó de arroz, o Máquina Tricolor mudou o tema daquele ano.

“Estava tudo pronto para o nosso desfile em que iríamos falar do primeiro título do campeonato brasileiro de 1970. Mudamos o tema daquele ano para homenagear o Laercio Ventura, colocamos muitas faixas (foto), as pessoas vieram com camisas rendendo homenagens. E naquele ano ganhamos fomos bicampeões do carnaval friburguense, como melhor bloco de resistência”.

Serviço:

Sábado, 10

Concentração: 13h – Estacionamento Stop Car (em frente à prefeitura)

Desfile: 17h

Preço: R$50 (incluído churrasco + bebida)

Pontos de venda: Banca do Aldo (Cônego), Bar do Bizu (Olaria), Banca do Marinho (Paissandu), Studio Fotográfico Francisco Oliveira (Bairro Ypu), Bomboniere Beijinho Doce (Centro -Willisau), Bar do Bradock (Conselheiro em frente ao Alunão), Bar do Vovô (Lumiar).

 

LEIA MAIS

Diretor conta as dificuldades na avenida, como a porta-bandeira Dandara, que passou mal durante todo o desfile

Desfile comemora, do outro lado do Atlântico, os 200 anos da fundação de Nova Friburgo

Escola de Olaria vence a Vilage por apenas 3 décimos. Saudade fica em terceiro e Alunão, em quarto

Publicidade
Agora Faz
TAGS: carnaval