Banheiro público na Rua Coronel Zamith segue em estado deplorável

Vasos e pias destruídos, fezes no chão e muito fedor no banheiro público sob o viaduto do Bairro Ypu
quinta-feira, 17 de dezembro de 2015
por Alerrandre Barros
Foto de capa
(Foto: Lúcio Cesar Pereira)
A mensagem pichada em uma parede do banheiro público na Rua Coronel Zamith, no Bairro Ypu, sob o viaduto Geremias de Mattos Fontes, avisa ao usuário que não dá para entrar. A frase “Cuidado, bosta!”, escrita com tinta preta nos azulejos, não seria necessária porque o forte odor de fezes, urina e sujeira que sai do banheiro já bloqueia qualquer pessoa na porta. O chão dos dois sanitários, construídos há cerca de dez anos, está coberto por fezes, papelão molhado, madeira, folhas, sacolas, muita imundície. A divisória de granito que isola um dos vasos sanitários foi quebrada. O vaso também. Todas as portas foram arrancadas.

O ideal seria deixarem a chave do banheiro com a gente”

Ednésio Nogueira, motorista

O banheiro foi construído, segundo o motorista Alberto Sardinha, no primeiro governo da ex-prefeita Saudade Braga para ser usado pelos caminhoneiros que trabalham no ponto de frete em frente à Paróquia de São Bento Abade, e também pelos feirantes, que todos os sábados vendem seus produtos na tradicional feira livre na Avenida Campesina Friburguense. “A Prefeitura já reformou o banheiro, mas como não há controle, ele é ocupado por moradores de rua e fica imundo porque não o limpam regularmente”, disse Sardinha.

Nenhum dos cerca de 20 caminhoneiros do ponto de frete deixaram de usar o banheiro por causa da sujeira, mas também porque não há água nas pias e nos vasos sanitários. Do alto do viaduto dá para ver que a caixa-d’água está virada de cabeça para baixo para não acumular água parada. “Se o banheiro está inutilizado, para que a Prefeitura mantém ele aberto? O ideal seria limparem de em vez em quando e deixarem a chave com a gente”, sugere o motorista Ednésio Nogueira. Além de moradores de rua, caminhoneiros contaram que os sanitários eram ocupados também por usuários de drogas e até para prostituição.

Banheiro novo

A poucos metros dali, ficou pronto há alguns meses o banheiro público construído na Avenida Campesina Friburguense. A obra dos sanitários masculinos, femininos e para portadores de necessidades era uma antiga reivindicação dos comerciantes que trabalham na feira e que não utilizam o depredado banheiro na Rua Coronel Zamith. Os novos sanitários custaram R$ 42 mil e ainda não foram inaugurados porque, em frente, a obra de contenção de um trecho da avenida, às margens do Rio Santo Antônio, está parada por atraso nos recursos repassados pelo governo do estado.

Essa não é a primeira vez que A VOZ DA SERRA denuncia o estado deplorável do banheiro público sob o viaduto. Há pelo menos três anos, o jornal noticiou o abandono do imóvel, que é um patrimônio público. Ontem, 17, a equipe de reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Nova Friburgo, mas, até o fechamento deste reportagem, não obteve resposta ao e-mail.

  • Há um aviso pichado na parede do banheiro (Foto: Lúcio César Pereira)

    Há um aviso pichado na parede do banheiro (Foto: Lúcio César Pereira)

  • Os sanitários estão cobertos de lixo e fezes (Foto: Lúcio César Pereira)

    Os sanitários estão cobertos de lixo e fezes (Foto: Lúcio César Pereira)

  • (Foto: Lúcio César Pereira)

    (Foto: Lúcio César Pereira)

Publicidade
Agora Faz
TAGS: