Alunos de Friburgo participam do Desafio Senai de Projetos Integradores

Proposta é criar soluções inteligentes relacionadas a resíduos industriais, mobilidade urbana, energia renovável ou utilização da água
quarta-feira, 27 de maio de 2015
por Jornal A Voz da Serra

Quarenta estudantes do Senai Nova Friburgo participam de um desafio com outros alunos de todo o país. A ação — que tem como objetivo a criação de soluções inteligentes para a indústria com base nos temas resíduos industriais, mobilidade urbana, energia renovável e utilização da água — incentiva os jovens a colocarem em prática conteúdos aprendidos em sala de aula.

Divididos em equipes, com quatro membros cada, os alunos já estão colocando as ideias em prática e deram início à construção dos protótipos, alguns em parceria com empresas que se interessaram pelo desafio. Segundo a pedagoga e responsável pelo projeto na cidade, Catarina Wermelinger, “a proposta é mostrar para os alunos a possibilidade que eles têm de serem empreendedores, que são capazes de mudar a realidade do contexto onde estão inseridos utilizando o que aprendem em sala de aula”.

Além de ser um projeto que exige a interdisciplinaridade, o que chama atenção, no entanto, é o caráter colaborativo da ação, já que a comunidade pode participar com críticas e sugestões para o aprimoramento dos trabalhos desenvolvidos pelos estudantes através da plataforma www.inovemaispr.com.br.

Os alunos têm até o fim de junho para fechar a última versão da ideia, o protótipo e um vídeo mostrando como o projeto funciona. Depois dessa fase, quatro equipes serão selecionadas para representar o Estado do Rio na etapa nacional do evento, que acontece em agosto.

Projeto Bioação

Um dos dez projetos que vêm sendo desenvolvidos pelos estudantes do Senai Nova Friburgo, o Bioação — abordado em matéria de A VOZ DA SERRA do último dia 20 — consiste no reaproveitamento de garrafas de vidros descartáveis como armadilha para mosquito, principalmente garrafas long necks, que são mais difíceis de serem recicladas. De forma simplificada, a garrafa é cortada mecanicamente à meia-altura com uma tela de microtule presa na extremidade do gargalo. O mosquito transmissor da dengue deposita os ovos na água do gargalo e estes precipitam ao fundo. O contato com a água em solução na borra do café impede o desenvolvimento da larva, interrompendo o ciclo de vida do vetor. Neste caso, a sugestão dos estudantes para a indústria pode beneficiar o meio ambiente com a redução do descarte inapropriado das garrafas — e, é claro, a saúde pública.

Mais detalhes sobre os outros projetos participantes podem ser encontrados no site www.inovemaispr.com.br.

LEIA MAIS

Confecção que desenvolve ações sustentáveis foi vitoriosa na categoria Gestão de Resíduos Sólidos

Eco Parque tem academia, brinquedos de madeira, bancos e mesas

Defensoria Pública cobra da prefeitura preenchimento de vagas em escolas e creches

Publicidade