Alexandre Pereira conquista o Desafio da Mata Atlântica

Com 4 horas, 59 minutos e 41 segundos, ele foi o mais rápido nos 60 quilômetros
segunda-feira, 06 de agosto de 2018
por Jornal A Voz da Serra
Foto de capa
Atletas percorreram trilhas, repletas de desafios e belezas naturais em Nova Friburgo

Eles foram capazes de desafiar grandes distâncias, e assim como os colonizadores suíços, que há 200 anos desbravaram as matas da Região Serrana e enfrentaram todos os riscos do percurso, conseguiram vencer o desafio. No entanto, como acontece em qualquer competição de atletismo, há sempre alguém mais rápido. No caso, um atleta mais “ligeirinho”.

Com o tempo de quatro horas, 59 minutos e 41 segundos, Alexandre Pereira, da Associação dos Corredores Friburguenses (Ascof), foi o grande vencedor dos 60 quilômetros do Desafio da Mata Atlântica, prova realizada no final de julho em Nova Friburgo.

Leonardo Ederick, companheiro de equipe, foi o segundo colocado, e cruzou a linha de chegada com o tempo de cinco horas, 23 minutos e 20 segundos. Marcos André Paim completou o percurso em cinco horas, 24 minutos e oito segundos. Entre as mulheres, Vitória Régia foi a competidora única e cruzou a linha de chegada com seis horas, 48 minutos e quatro segundos de prova.

Entre as faixas etárias, Diógenes de Oliveira venceu na categoria 30 a 39 anos, enquanto Benedito Cruz foi o mais rápido entre os de 40 e 49 anos. Djalma Costa representou a faixa etária entre 50 e 59 anos.

 A prova ofereceu um total de quatro opções de distância. Na 34 quilômetros solo, Emerson dos Santos, da equipe Evoluir, faturou entre os homens, seguido por Anderley Froté, da Ascof, e Fernando Perez, da Top Training.

Entre as mulheres, Helena Brunharo, da Tourunners Assessoria foi a mais rápida, seguida por Samanta Matos. Na prova de seis quilômetros, Wallace Magalhães, da Waliness, foi o vencedor no masculino, seguido por Rômulo Vasconcellos, da Ascof, e Ricardo Dias, da equipe Evoluir.

No feminino, Mônica Pereira da Rocha, da Ascof, foi a vencedora, enquanto Lorrana Moreira, da Gfx, foi a segunda colocada e Izamar Trancozo, da Agille, a terceira.

Para completarem o percurso, os atletas percorreram trilhas e estradas em mata fechada de área preservada, onde algumas árvores chegam a 40 metros de altura. A altitude atingiu quase 1.500 metros em alguns pontos, com vales cortados por rios de água gelada e cristalina.

A largada aconteceu na Praça Marcílio Dias, no Paissandu. Para a prova de 32 quilômetros, a largada foi na Patrulha Rodoviária de Theodoro de Oliveira, no alto da Serra dos Três Picos, passando por Macaé de Cima e chegando no Paissandu.

Já a de seis quilômetros teve aproximadamente 50% do percurso pela mata, descendo a serra, e o restante de subida pela estrada, com largada e chegada em Theodoro.

No entanto, toda a premiação oficial dos vencedores aconteceu na Praça Marcílio Dias, e todos os participantes que concluíram a prova no tempo regulamentar receberam um medalhão personalizado. Já as três primeiras equipes de cada categoria e modalidade, além dos três primeiros de cada categoria por idade, a cada dez anos, no masculino e feminino, tiveram premiações diferenciadas, com troféu e um valor em dinheiro.

A boa quantidade de inscritos de fora de Nova Friburgo chamou a atenção, reforçando o caráter de referência do município quando o assunto é prova de atletismo. Outro destaque foi o momento de confraternização na chegada da prova, com oferecimento de massagem, chopp artesanal e música. Sem contar, obviamente, com a comemoração pelo desafio que apenas gigantes poderiam vencer.

 

LEIA MAIS

Percurso repete colonizadores suíços e transforma atletas em verdadeiros desbravadores

Prova mais antiga do mundo exige índice, que varia de acordo com idade e categoria, e sujeita seleção à aprovação dos organizadores

Um dos principais nomes do atletismo feminino friburguense amplia suas conquistas

Publicidade
TAGS: corrida