Adiada vinda de comitiva para vistoriar Hospital do Câncer

Equipe do governo do Rio precisa sanar pendências para retomar as obras na Ponte da Saudade
sexta-feira, 03 de novembro de 2017
por Alerrandre Barros
Foto de capa

 

 

A comitiva do governo do Rio de Janeiro, que viria a Nova Friburgo nesta sexta-feira, 3, para vistoriar as obras no Hospital do Câncer, adiou a visita para a próxima semana. O governo não explicou o motivo do adiamento. Uma nova data será agendada.

Como A VOZ DA SERRA noticiou na última quinta-feira, 2, o governador Luiz Fernando Pezão havia se comprometido com o deputado estadual Wanderson Nogueira (Psol) a criar um grupo de trabalho para desembaraçar os impasses que impedem a retomada das obras.

A Procuradoria do Estado quer que se delimite o que é obra nova e o que obra de reforma no canteiro na Ponte da Saudade. Os técnicos da Secretaria de Obras sustentam ser é impossível fazer essa separação uma vez que a obra já teve início. O grupo criado por Pezão quer resolver isso.

Depois disso, será possível sanar outras pendências burocráticas com a Caixa Econômica Federal, responsável pela liberação dos recursos da União. A obra é uma parceria do governo estadual e federal, e começou sem o aval do banco.

Orçada em R$ 93,6 milhões, a reforma para adequação do prédio, onde funcionou, na década de 1990, o Centro Adventista de Vida Saudável (Cavs), começou em abril de 2015, mas foi interrompida, em março do ano passado, devido à crise no estado.

Em agosto passado, Wanderson Nogueira realizou uma audiência na Alerj para discutir a retomada das obras. Se as pendências tivessem sido sanadas em setembro, conforme previsto no encontro, no mês seguinte os serviços teriam recomeçado, mas isso não aconteceu.

Agora, o governo corre contra o tempo, porque o contrato da Secretaria de Obras com a FW Empreendimentos, construtora que realiza as obras, vence no dia 14 de dezembro. Se o trabalho não for reiniciado até esse período, será necessário um novo processo de licitação.

 

LEIA MAIS

Convênio entre Estado e União vence em dezembro. Pezão quer entregar unidade até o fim do mandato em 2018

Convocados, num total de 88, serão divididos em 17 postos e unidades de saúde do município

Objetivo é economizar R$ 600 milhões. Para donos de farmácia, proposta pode colocar o benefício em xeque

Publicidade
Agora Faz
TAGS: saúde