O frio

Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Pelos próximos meses, a jornalista Laiane Tavares assina a coluna no lugar do titular Wanderson Nogueira. A Justiça Eleitoral determina que candidatos nas Eleições 2018 não podem apresentar, participar ou dar nome a programas de rádio e TV. A regra não se aplica aos órgãos impressos. Mesmo assim, o colunista e A VOZ DA SERRA, em comum acordo, optaram pela alteração neste período. Wanderson Nogueira volta a assinar o Observatório em outubro, após o período eleitoral.      

 

Hoje é dia

  • do Engenheiro florestal

O dia

Em 12 de julho de 1980, Édson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, nosso eterno camisa 10, foi eleito o Atleta do Século. A consagração veio por meio de uma votação feita com jornalistas das 20 mais influentes publicações de esporte do mundo promovida pelo jornal francês L´Equipe. Nascido em Três Corações-MG, Pelé marcou 1.281 gols em 1.363 partidas ao longo de sua carreira. Em 1999 foi escolhido o atleta do século também pelo Comitê Olímpico Internacional.

Observando...

Cinco notícias que talvez você não tenha visto:

  • Estoque de arroz cai, preço sobe e cereal terá impacto na inflação
  • A menos de seis meses de fim do governo, Temer tem 58º ministro
  • Câmara aprova medidas provisórias que destinam R$1,2 bi para intervenção no Rio
  • Fósseis de primeiro dinossauro gigante são descobertos na Argentina
  • Sobreviventes do ebola criam anticorpos especiais contra o vírus

Palavreando

Temos, há muito tempo, guardado dentro de nós um silêncio bastante parecido com estupidez.

(Eduardo Galeano)

O frio

Quando ele chega, nós, friburguenses, não reclamamos. Não de coração. Afinal, é a nossa marca registrada. É engraçado descer a serra e ouvir pessoas dizendo como está frio quando as temperaturas batem os 20 graus. Com um sorrisinho irônico, é nesse momento que com o peito estufado de quem sabe o que é frio pra valer, falamos com propriedade: “frio? Você tem que ir à Friburgo para saber o que é frio de verdade”.

Aqui estamos nós, em Nova Friburgo, onde as temperaturas chegam abaixo de zero,  mas será que sabemos mesmo o que é frio de verdade? Sabemos com o que a estação combina: caldos, fondue, chocolate quente, vinho, lareira, fogueira, luvas sobretudo, cachecol e tantas outras coisas, todas maravilhosas. Elegantes e bem alimentados, a gente posa no termômetro, eleva a taça, brinda a vida e espera esquentar, sem muito desespero. No inverno, até o céu é mais bonito.

Só que existe uma outra cidade dentro da cidade, uma onde o frio não aquece vaidades e prazeres. Uma onde não tem graça quando faz menos um grau. Você já cruzou com essa Nova Friburgo enquanto andava pela cidade, e pode não ter percebido. Mas cruzou. Ela está no menino de camiseta e chinelo que vende balas no inverno friburguense vestido de verão carioca. Está nas pessoas em situação de rua, que entre papelões e cobertores doados, fecham os olhos e suplicam pelo sono.

O inverno na serra não é a unanimidade de um fetiche europeu. Sim, é bonito, até apaixonante. Mas já passou da hora dele ser acolhedor para além de turistas e consumidores em geral. Nós podemos doar agasalhos, alimentos e os mais religiosos, até orações. Eu aconselho que o façam, neste processo, percebemos a existência do outro. Eu sempre faço. Mas não é o suficiente. Para o inverno de Nova Friburgo ser tudo isso que no auge do nosso privilégio sonhamos que ele é, vamos precisar de estruturas públicas cada vez mais humanas e acolhedoras. A solução é sempre política.

Churrasco ‘salgado’

Desde a paralisação dos caminhoneiros, o brasileiro está gastando mais para garantir a carne nas refeições. Com redução no nível de entradas do produto nos frigoríficos, supermercados e açougues o preço subiu 4,6% em junho e as projeções são de que até o fim do ano, os aumentos avancem 7%. Uma das razões é o período de entressafra, quando a produção cai pela falta de pastos.

Alerta!

A sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim) divulgou o grupo de doenças que pode voltar a circular no Brasil caso a cobertura vacinal, sobretudo entre crianças, não aumente. São elas: sarampo; poliomielite; rubéola e difteria. Para barrarmos o avanço dessas doenças, segundo a Sbim, é necessário manter uma taxa de imunização de 95% do público-alvo. Atualmente, em 312 municípios brasileiros, menos de 50% das crianças foram vacinadas contra a poliomielite, doença ainda endêmica em três países – Nigéria, Afeganistão e Paquistão.

Foto da galeria
Em nossos caminhos, sempre ela presente: a natureza! Nova Friburgo é de tirar o fôlego! Registro de Daniel Azevedo para a página oficial da Campanha ‘O melhor frio do Rio” no instagram.
Publicidade
TAGS:
Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.