2018: ano de Copa do Mundo

Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

O dia

Em 27 de dezembro de 1949, a Indonésia tornou-se independente da Holanda, que tentou estabelecer domínio colonial sobre o país depois da Segunda Guerra Mundial.

Observando...

Cinco notícias que, talvez, você não viu

Ambev lança em janeiro leite feito a partir do coco

Pesquisa: sete em cada dez brasileiros se opõem à privatização de estatais

Aumento nas taxas de juros dos países deve ser o maior desde 2006

Levantamento mostra que metade das cidades brasileiras não tem delegado

Em crise, Record deve extinguir um horário de novela

Palavreando

Não há verdade alguma no que os outros dizem, mas pode haver muita verdade naquilo que a gente escuta.

2018: ano de Copa do Mundo

Uma temporada atípica para o futebol, como sempre é em anos de Copa do Mundo. A competição é o foco do futebol e todos os olhares de jornalistas, jogadores, técnicos e apaixonados estarão voltados para a Rússia, que pela primeira vez, receberá a competição. Apostas daqui e de lá, bolões sendo preparados, videntes apontando, e, quase sempre errando. Fato é que os palpites mais certeiros serão naqueles que já conquistaram copas, os chamados gigantes ou da elite: Brasil, Alemanha, Argentina, França, Espanha, Inglaterra e Uruguai. Com exceção do Uruguai, todos sempre entram como favoritos. Difícil apontar é quem serão, entre eles, o fiasco. Mais difícil ainda é apontar as zebras e sensações.

Na minha opinião, se a Copa fosse hoje - e até junho muita coisa muda - Brasil, Alemanha e França entram como grandes favoritos. Acredito nos potenciais de Portugal e Colômbia. Destaco ainda Suécia, Bélgica e Nigéria como candidatas a fazer bonito. A Copa já começou. As eliminatórias são passado e não servem mais de parâmetro a partir do sorteio que dificulta ou facilita a vida de cada país. Confrontos que se antecipam entre gigantes dignos de final, por exemplo, mudam posições. Verdade é que quem quer ser campeão, não escolhe adversário. Mas se puder diminuir riscos... O futebol é o esporte que o fator sorte mais pesa. Por isso, é tão mágico.     

Curtidas no Facebook

Levantamento feito pelo portal do Globo Esporte em parceria com o Facebook aponta o Flamengo com o maior número de curtidas em Nova Friburgo, Ainda que não tenha valor científico para determinar o tamanho de cada torcida, serve de parâmetro para uma ideia da quantidade de torcedores. O Flamengo tem 42,6%, seguido de Vasco com 16,2; Fluminense com 11,3 e Botafogo 7,7%.

Fluminense em Nova Friburgo

Na região, o maior percentual de rubro-negros está em Cantagalo. Vasco, Fluminense e Botafogo têm os maiores percentuais de curtidas em Nova Friburgo. Chama a atenção a torcida do Fluminense em Nova Friburgo. Ainda que seja a terceira no município, o número de curtidas do tricolor em Nova Friburgo tem o 26º maior percentual do país.  

Patrocínio do Friburguense

Após perder o patrocínio da Stam, o Friburguense apostará em vários patrocínios para suprir a ausência do parceiro de uma década. A diretoria do clube foi bastante cuidadosa em reconhecer a importância da Stam ao longo dos últimos anos, adotando tom de agradecimento. Sem dinheiro de TV e sem patrocinadores em vista, o planejamento financeiro está prejudicado. Em 2018, o Friburguense tentará voltar à elite do futebol carioca.

Publicidade
TAGS:
Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.