Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

22/11/2017

A ficção e a realidade estão intimamente entrelaçadas, de tal forma
fundidas na lembrança do escritor que, ao escrever uma memória histórica,
reconstrói os fatos em seu universo imaginário. Toda memória é ficção porque
não é possível retratar fidedignamente a realidade concreta. Então, ele tem,
inclusive, a permissão para criar situações, respeitando os princípios da
verossimilhança. Para realizar essa aventura literária é preciso que um
acontecimento tenha passado por sua vida, deixando-lhe marcas contundentes
e delineadas.

Leia mais
14/11/2017

Quem não tem poeira em torno de si? Quem não vê poeira em todos de outros? Quem não tem poeira em casa? Quem não chega da rua sujo de poeira?

As redes sociais, hoje, são mestras em falar das poeiras em que estamos mergulhados; preconceito, desamor. Falta de respeito. Gostei da palavra poeira porque é a metáfora de situações que estão dentro ou fora de nós, imperceptíveis no quotidiano, mas, se repararmos bem, têm determinações em nossas vidas.

Leia mais
03/11/2017

Eu não estava na FLINF (Festa Literária de Nova Friburgo – 2017), mas a acompanhei de longe numa certa posição privilegiada. Estava em Portugal, a terra que gerou escritores de respeito, como o Príncipe dos Poetas, o nosso Luís Vaz de Camões. Digo nosso porque ele faz parte da literatura universal. Somos do mesmo planeta. Somos conterrâneos.

Leia mais
13/10/2017

Vivem dizendo por aí que somos feitos de carne e osso. O que é a mais pura verdade. Contudo, se somente desta forma fôssemos feitos seríamos robôs. Um robô faz o que seu dono determina e, se assim não for, vai para a oficina ou para o depósito de máquinas enferrujadas. Aliás, o mundo de hoje é desta forma; o que não serve é descartado. Sumariamente.

Leia mais
12/10/2017

As palavras não levam carteira de dinheiro nos bolsos. Nem necessitam de moedas para serem importantes. As palavras ricas são as que são bem-ditas. Um texto escrito com palavras pobres, quem aguenta ler?

As palavras ricas são trabalhadas. Um belo texto é tecido e não precisa de fios egípcios. Com as mesmas palavras pode-se escrever uma notícia de jornal, uma carta a um amigo, um bilhete. Um diário, quem sabe?

Leia mais
11/10/2017

Quem não inventa? Eu é que não sou. Não lá invento sonhos, nem ilusões. Sou de criar palavras. Às vezes, quero dizer algo de um jeito e não encontro palavras de boa aparência. De tanto querer, acabo fazendo o movimento da trovoada nos meus pensares e, quando isso acontece, sou tonta que nem vaqueira incompetente que é instantaneamente jogada ao chão. Minhas ideias gostam de ir além da língua, o que me faz ser perguntadeira. Faz tempo que não quero ser escritora carregada de acertos. Talvez por isso tenha uma briga com a máscara que me faz ter cara de gente.

Leia mais
05/10/2017

Aqui, nesta coluna, faço semanalmente referências e reverências ao universo literário. Em todas, a palavra é evidenciada em diferentes maneiras. Mas, especialmente, hoje, resolvi nela pousar como uma borboleta, abrindo e fechando as asas. Descansando-as. Preparando-as, inclusive, para novos voos.

Leia mais
29/09/2017

Quando fui convidada a dar esta palestra em que vou falar sobre a
crônica para adolescentes, comecei a refletir a respeito desse período tão
instigante, e constatei que cada momento do adolescente é uma crônica. Não
que os outros tempos da vida não sejam tão divinos. Mas a adolescência é a
época das descobertas e mudanças.

Leia mais
21/09/2017

Fui na bienal do livro do Rio de Janeiro com uma amiga de tantos anos
com quem tenho especial afinidade literária. Não calçamos o mesmo número
de sapatos, nem usamos o batom da mesma cor. Apesar destas terríveis
diferenças, conversamos o tempo todo. A individualidade nos faz ser
genuinamente nós. Além do que, ela e eu temos algo a mais do que carne e
ossos; gostamos de ler o mundo.
Há outro detalhe bem significante, não somos somente duas; somos
quatro amigas e trocamos literatura como ninguém. Aliás, os livros e as

Leia mais
14/09/2017

Quando lemos um romance, uma poesia ou mesmo uma pesquisa
histórica vamos além do que está literalmente escrito. O texto invade nossas
percepções, lembranças e o conhecimento que adquirimos ao longo da vida.
Fazemos ilimitadas cadeias de associação de ideias, o que nos permite tirar
conclusões e construir novos conceitos. Ou mesmo confirmar os que já
possuímos. A leitura que nos possibilita esse movimento de pensamento
possui valor inestimável. É transformadora e inquietante.

Leia mais