As redações e o gosto pela escrita

Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Senti vontade de escrever sobre redações escolares, tema que merece cuidados
para ser elaborado nesta coluna. A redação é uma tarefa escolar enriquecedora por
estimular o desenvolvimento de habilidades cognitivas e hábitos saudáveis, como
buscar leituras de conteúdo.

A partir da minha visão de escritora, o aluno pode começar a aprender a escrever
com a redação. Como também, descobrir o prazer em fazê-lo. Desenvolver temas que
vão além de mensagens, assuntos banais ou guloseimas, como se diz a respeito de
futilidades, é uma das finalidades em que a escola se compromete com a formação do
cidadão; a redação requer a abordagem de questões relevantes à vida e que merecem
atenção, como foi o tema de redação do ENEM de 2017 que abordou a Educação de
Surdos ou intolerância religiosa em 2016.

A seguir, a redação estimula a cognição, cujas capacidades são utilizadas em sua
elaboração, como as de estabelecer relações de semelhanças e diferenças, de causa e
feito, de interpretação, de observação, de abstração de ideias, de concluir e de inferir.

É preciso pensar. O pensamento amplia o olhar, nos permitindo notar com nitidez o
que está diante de nós. Somos e fazemos o que pensamos.

As relações entre a leitura e a escritos são imensas. Quando se escreve depois
que se lê, os assuntos são aprofundados e a percepção do mundo e das suas
circunstâncias são ampliadas.

 

A redação traz benefícios aos alunos. Por assim ser, é uma tarefa presente nas salas de aula desde os anos posteriores à alfabetização. Antes
mesmo de ser elaborada pelos alunos em sala de aula, os professores sugerem leituras
de livros e periódicos, filmes e documentários a serem assistidos, além de realizar
debates sobre o tema a ser escrito. A riqueza de uma redação está no domínio da
língua em todos os seus âmbitos e no conteúdo que é preciso adquirir para
desenvolvê-la.


Geralmente, os alunos passam mais de dez anos produzindo redações e o
professor pode aproveitar cada frase de seus alunos para ensinar a língua, aprofundar a reflexão de temas, indicar pesquisas, sugerir leituras e estimular a produção de
outros textos, como contos, crônicas.

Agora escrevendo sobre a redação, estou também fazendo uma e recordando os
tempos em que as elaborava no meu colégio. Guardo um sentimento não muito bom
com relação ao modo como os professores as corrigiam e registravam com caneta
vermelha cada engano ou erro de ortografia ou gramática. Mas devo dizer: apesar
disto, o gosto pela escrita se enraizou em mim nos bancos escolares.

Publicidade
TAGS:
Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.