O prazer de ler

Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

A literatura tem que ser prazerosa, independentemente das finalidades pelas quais o leitor a busque. Comumente, já vi pessoas no ônibus, no avião e no metrô mergulhadas na leitura. Isso. Mergulhadas. Em torno delas, há um movimento enorme; é gente passando, são as trepidações do transporte, são vozes e ruídos. Nada afeta a relação do leitor com o texto. É impressionante. Já cheguei a ver, um menino retornando do treino de esporte, sujo e suado, com uma bola entre as pernas e um livro entre as mãos, sentado no chão do ônibus. Ele movimentava os olhos na cadência das frases. Já vi adolescente no metrô, lendo e dando suspiros e pequenos risos. Quantas vezes, já perdi a conta, observei pessoas, indo para o trabalho e lendo jornal no transporte público.

Quem faz literatura tem um compromisso com o gosto leitor e seu texto vai seduzi-lo mais ainda à leitura, uma vez que sua criação textual cuida da delicada relação entre o conteúdo e a estética. Pode, mesmo, abordar um tema casual, como as nuvens brancas da tarde. Entretanto, o escritor tem que ir fundo na própria sensibilidade para tocar quem está lendo, fazendo-o, por exemplo, ver e admirar o céu desenhado por nuvens que se movem ao vento e descobrir o valor de um momento fugaz. Ah, como Rubem Braga soube captar isso em sua crônica Olho as Nuvens Vagabundas.

Nada mais prazeroso para o leitor é a conversa que estabelece com o escritor através da leitura. É uma deliciosa interação quando o leitor se sente tocado, instigado e, até mesmo, irritado com o texto. Não importa se pega o livro e reclama; muxoxa. Não importa se tenha a sensação de que perdeu o chão. Não importa se chore. Sua reação é a prova de que o escritor está em cada palavra absorvida, mesmo se o texto for antigo ou o autor já tenha morrido. A boa literatura eterniza as ideias de um vivente que resolveu registrá-las, com afeto e arte, através das palavras. O leitor tem prazer em captar tal intenção. Sente-se vivo porque a literatura toca sua alma. Pode ser que até aprofunde o sentido do findar, e ninguém duvida de que a literatura trate da dualidade vida e morte incessantemente. No vai e vem do apego e desapego, a literatura mostra caminhos. É sempre prazeroso vislumbrá-los.

Ao escutar as vozes do texto, o leitor pode escutar a sua própria. Ao perceber os silêncios entre as palavras, descobre os seus próprios. A literatura prazerosa espelha a vida.  

 

Publicidade
TAGS:
Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.