Todos perdem

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

sábado, 14 de outubro de 2017

Para pensar:

"As coisas devem ser iniciadas individualmente, para que a coletividade possa ver em ti um resultado, uma ação.” Samuel Jadson

Para refletir:

“A moral consiste em fazer prevalecer os instintos simpáticos sobre os impulsos egoístas.” Auguste Comte

Todos perdem (1)

No trânsito, talvez de forma mais evidente do que em outras praças, o justo sempre paga pelo pecador.

Basta ver, por exemplo, a quantidade de quebra-molas (a maioria deles fora das especificações determinadas) imposta ao motorista consciente, que não precisaria deles para andar em velocidade compatível.

Todos perdem (2)

Outro prejuízo também é sentido, por exemplo, no valor do seguro, que inevitavelmente leva em conta as irresponsabilidades cometidas coletivamente.

Tudo isso, claro, sem mencionar as ocorrências que muitas vezes interrompem a vida de quem estava simplesmente “no lugar errado, na hora errada”.

A observação vale igualmente para pessoas e animais.

Falência

A rigor, a falência quase que global de nossa mobilidade urbana representa atestado constrangedor de nossa imaturidade social, do quanto privilegiamos interesses pessoais (ou empresariais) aos coletivos, do quanto ainda somos guiados por emoções primárias, do quanto somos capazes de arriscar por quase nada, apenas para ganhar alguns segundos num deslocamento curto.

Em Nova Friburgo não é diferente não.

Transtorno coletivo

Vejamos nosso transporte coletivo, por exemplo.

O colunista recebe mensagens constantes de quase todos os lados denunciando transtornos causados mutuamente.

A concessionária, por um lado, sempre tem um caso de vandalismo para mostrar, ou um novo registro de pessoa que tentou fazer uso de gratuidade sem ter direito a ela, ou um caso de mau uso do sistema de integração.

Egoísmo míope

Obviamente os responsáveis por tais ações representam uma minoria, mas ainda assim o egoísmo míope de suas atitudes acaba muitas vezes dando respaldo a propostas um tanto marotas, como a de reduzir o tempo da integração ou promover a dupla função para motoristas.

Usuários

Já os passageiros têm sempre relatos a dividir sobre ônibus que quebraram, atrasaram ou simplesmente não apareceram no horário que era previsto, ou ainda sobre localidades que carecem de maior disponibilidade de coletivos.

Motoristas também escrevem, relatando situações como engarrafamentos na Rua Dante Laginestra desde que determinadas linhas passaram a circular por lá.

Mesmo barco

A convivência entre as partes nunca foi nem nunca será fácil, mas é evidente que pode melhorar.

É hora de todos os lados compreenderem que os únicos benefícios sustentáveis são os de longo prazo, conquistados a partir de uma relação duradoura na qual cada um dos lados faça sua parte para desonerar o outro.

Isenção

O poder concedente deveria atuar como intermediário, mas sua postura por vezes é incerta e pouco transparente.

Gera desconforto, por exemplo, que veículos de uso do município - como ambulâncias - tenham parte de suas manutenções feitas pela concessionária.

Nenhuma novidade aqui - em certos governos passados isso chegou a ser praxe.

Mas ainda assim, numa relação que precisa prezar pela isenção, é o tipo de coisa a ser evitada.

Caos nas ruas

As notas do Massimo a respeito do caos em nossas ruas ecoaram junto aos leitores.

“Sou testemunha de tudo que foi citado em sua coluna de sexta-feira, 13. E ainda faltou citar os problemas com carga e descarga, tais como horário incompatível, estacionamento em filas duplas e triplas além de uma movimentação de cargas pelas calçadas e transformadas em depósitos de mercadorias sendo utilizadas, inclusive, para colocação de carrinhos de supermercado.”

Harmonia nas ruas

Por outro lado, neste sábado, 14, os friburguenses terão oportunidade de curtir um pouco de como poderia ser a rotina em nossos espaços públicos.

Com um repertório eclético e tendo como convidada a banda sinfônica Nova Aurora, de Macaé, a banda sinfônica Campesina Friburguense fará uma apresentação especial para o projeto Banda na Praça, a partir das 18h no coreto da Praça Getúlio Vargas.

Um programa imperdível para quem estiver por aqui.

Merecido

O deputado estadual Wanderson Nogueira vai agraciar nesta segunda-feira, 16, o  empresário César Loyola de Oliveira Namer, dono do restaurante arroz com feijão, com o título de cidadão fluminense.

A honraria, ofertada pela Alerj, será concretizada às 18h30, na sede da Acianf.

Não costuma “faiá”

Segunda-feira, 16, também é dia de Santa Edwiges, conhecida como a padroeira dos endividados.

Uma missa será celebrada na igreja dedicada a ela, no Vale dos Pinheiros, seguida de procissão luminosa à noite, com o padre Genival Nunes Fernandes.

Dado o atual contexto do Brasil – e do Rio de Janeiro em particular – não devem faltar pedidos e orações...

Queimadas

Muito triste ver nossas montanhas queimando, sobretudo numa época do ano em que tais ocorrências já não são esperadas.

O clima está muito estranho, quente e seco demais, e a gente não sabe até que ponto também tem interferência humana nessa história.

O Massimo louva publicamente o bravo trabalho dos bombeiros, com os dedos cruzados para que a chuva venha logo, mas caia devagar.

Pergunta

Após uns dias de folga, até mesmo para a brincadeira não cansar, o nosso desafio retorna com mais uma foto enviada pelo leitor Marcelo Machado.

E então, os amigos conseguem identificar onde fica este nosso belo jardim urbano?

Boa sorte e um ótimo fim de semana a todos.

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

  • Foto da galeria

Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.