Silêncio dos inocentes

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quinta-feira, 09 de novembro de 2017

Para pensar:

“A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras.”

Aristóteles

Para refletir:

“A inveja se veste de muitas maneiras: críticas, ofensas, dominação, rejeição, difamação, agressão, rivalidade, vingança.”

Autor desconhecido

Silêncio dos inocentes (1)

Na noite de terça-feira, 7, a Câmara Municipal aprovou por unanimidade, em segunda e última discussão, o projeto de lei 05/2017, de autoria do vereador Zezinho do Caminhão, voltado a combater a poluição sonora em Nova Friburgo.

E, conforme havia prometido, a coluna passa a dividir com os leitores os principais pontos da lei que agora passa a depender da sanção do prefeito Renato Bravo para que possa ser publicada, regulamentada, e entrar em vigor.

Silêncio dos inocentes (2)

No intervalo compreendido “entre 22h de um dia e 8h do dia seguinte (...) independentemente de medições de qualquer natureza, são proibidos os ruídos: produzidos por motos, carros e demais veículos automotores com o equipamento ou escapamentos de descarga aberto ou o silencioso adulterado.”

Silêncio dos inocentes (3)

“Qualquer cidadão que considerar seu sossego perturbado por sons e ruídos poderá solicitar pelo telefone 190 as providências necessárias a fazê-los cessar.”

“Verificada a existência de infração às disposições desta lei, seguir-se-á o seguinte procedimento: advertência e multa de 200 Ufir-RJ. A quitação da multa não exime o infrator de cumprir o que lhe for determinado pela prefeitura, visando sanar a irregularidade detectada pela fiscalização. A reincidência de infração punida com multa implicará na sua aplicação em dobro.”

Silêncio dos inocentes (4)

“Para dar cumprimento ao disposto nesta lei, os órgãos municipais competentes poderão promover a autuação administrativa com as exigências determinadas pela fiscalização para sanar as irregularidades constatadas. O Poder Executivo baixará as normas e atos complementares necessários à regulamentação desta lei.”

Aspas

Na justificativa da matéria o vereador Zezinho defende que “o som alto, indesejado ou desagradável, é uma forma grave de agressão ao ser humano e ao meio ambiente. Ignorar seus riscos é um erro, pois a exposição contínua acentua dos efeitos nocivos à saúde.”

Fala dos anacrônicos

A mesma sessão, contudo, abrigou um momento surreal, quando um dos vereadores de situação fez um discurso pedindo a cabeça de um secretário, alegando que este não atende a pedidos dos parlamentares.

É isso mesmo: não promover o assistencialismo agora virou motivo para pedir demissão.

Como se vê, a poluição sonora também ocorre no plenário.

Freud explica?

O Corpo Freudiano Escola de Psicanálise - núcleo Nova Friburgo vai promover um “Chopp com Freud” no próximo sábado, 11, a partir das 15h no Deck Restô.

A mesa de debates será composta por Flávia Albuquerque e Genaldo Neto (corpo freudiano), Raymundo Reis (professor da Estácio) e Felipe Grillo (campo lacaniano).

Repercutindo

A informação a respeito do evento, vejam só, foi repassada ao colunista por uma jornalista carioca que teceu muitos elogios ao trabalho que vem sendo executado pela friburguense Flávia Albuquerque.

Psicanalista lacaniana, ela cursou pós-graduação em Teorias e Técnicas da Clínica Psicanalítica na Escola Superior de Ensino Helena Antipoff e ingressou como membro de uma escola de psicanálise lacaniana.

Atuação ampla

Além disso ela é associada ao Corpo Freudiano Escola de Psicanálise seção Rio de Janeiro, e atende em consultório particular há 16 anos, atualmente em Niterói, onde reside, e São Paulo.

Muito atuante em redes sociais (SnapchatPontolacaniano e Instagram homônimo), Flávia também ministra cursos, seminários, palestras e grupos de estudo para os interessados em psicanálise desde 2006.

Conquistando o Brasil

Após conquistar crítica e público em duas apresentações memoráveis no Teatro João Caetano, a trupe do “78 Musical” viajou ontem para Aparecida do Norte, em São Paulo, onde fará duas apresentações e será tema de programa na Rede Aparecida.

Simbolismo

Num momento em que tanta gente se limita a criticar e torcer contra, estes artistas nos dão precioso exemplo de que o céu é o limite para que se esforça e corre atrás.

Todo o sucesso é mais do que merecido.

Necessidade

O Massimo não costuma abrir este tipo de precedente, até mesmo porque, infelizmente, situações tristes não faltam por aí.

Mas o fato é que o abrigo mantido pela admirável Cristina Paxeco não contou no último mês com o apoio de seu principal benfeitor que sofre com problemas de saúde. Uma dívida contraída com a compra de ração precisa ser paga até o fim desta semana.

Onde doar

Na manhã de ontem, 8, ainda faltava arrecadar pouco mais de R$ 600.

Se alguém puder ou quiser colaborar, basta deixar qualquer valor na banca da Emilene, em frente ao antigo fórum, na Praça Getúlio Vargas.

Fala, leitor!

O leitor Marcos Antônio Tardim enviou desabafo à coluna a respeito das famosas estátuas dos leões, que hoje adornam a Fundação Dom João VI.

Aspas

“Durante décadas esses leões fizeram parte da minha infância e de tantas outras crianças, mas infelizmente minha filha não pode tocá-los pois algum gestor público teve a ideia de colocá-los sobre pedestais a mais de seis metros de altura sob a justificativa de proteção, pois estavam sendo alvo de vandalismos. Ao passar pela rua, no entanto, vejo as obras de arte a mercê do tempo, enferrujadas, em um estado lastimável e ironicamente fixados ao lado da Fundação, criada para preservar nossa história e memória.”

Segue

“Fico pensando... Será que não existiria interesse de alguém com competência para retirá-los e restaurá-los antes que o tempo e a ferrugem os danifiquem até não poderem mais serem recuperados? Fica a sugestão de colocá-los em um local visível, porém protegidos de alguma forma contra vandalismo e contra o tempo, com uma placa contando sua história. Ou, na falta de um museu em nossa cidade (muito triste esta parte também), colocá-los em um local de destaque dentro da Fundação Dom João VI.”

Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.