Rotativo

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

sábado, 07 de outubro de 2017

Para pensar:

"Minha liberdade não acaba quando começa a do outro, ela acaba quando acaba a do outro.”

Mário Sérgio Cortella

Para refletir:

“Investir no futuro de uma criança é investir no futuro da coletividade.”

Marcus Vinicius Vieira de Almeida

Rotativo (1)

Conforme a coluna já informou, a cobrança do estacionamento rotativo será tema de audiência pública proposta pelos vereadores Marcinho e Johnny Maycon nesta segunda-feira, 9, a partir das 18h, na própria Câmara Municipal.

E a iminência do debate torna oportuno que o colunista deixe claros alguns pontos sobre seu posicionamento.

Rotativo (2)

O Massimo jamais foi contra a cobrança pelas vagas em Nova Friburgo.

É evidente que a cidade precisa buscar formas de reduzir o número de veículos circulando por seu centro urbano, da mesma forma como ninguém é a favor da proliferação de flanelinhas ou de revendedores utilizando a via pública para fins profissionais.

Todas estas questões são consensuais.

Requisitos (1)

O colunista, no entanto, entende que a imposição de novas despesas a quem conduz só pode ser justificada se acompanhada de um projeto que seja capaz de oferecer alternativas viáveis de locomoção a quem necessita se deslocar todos os dias para ganhar a vida.

Claro. Até porque cobrar de quem não tem outras opções é, além de uma injustiça, também um ato absolutamente infrutífero.

Requisitos (2)

Da mesma forma, o Massimo parte do princípio que todo o valor arrecadado - e ele não será pequeno - deve obrigatoriamente ser administrado pela prefeitura, preferencialmente no financiamento de políticas públicas relacionadas ao tema.

Tudo devidamente às claras e fiscalizado por conselhos populares reconhecidamente isentos.

Sem intermediários, sem que a municipalidade abra mão de uma possibilidade que empresário algum deixaria de explorar se tivesse a chance.

Respeito

Outro ponto importante do debate diz respeito ao respeito à Lei Orgânica.

Ora, há apenas dois anos nossa lei maior foi alterada justamente para vedar tal possibilidade, após intensa mobilização popular.

E é importante lembrar que a exigência de maioria qualificada para que sejam incorporadas emendas à LOM se dá justamente porque o procedimento não pode se tornar rotineiro ou banal.

Passado em aberto

Por fim, existe ainda a repercussão da votação atual sobre o que se passou em 2015.

Afinal, se um vereador suplente - que longe das câmeras já disse inúmeras vezes não ter autonomia para contrariar o governo, sob pena de ser sacado do plenário na primeira oportunidade - seguir na contramão de uma iniciativa do titular de sua cadeira, isso dará novo fôlego a todos que no passado acreditaram que a emenda havia sido populista.

Não se trata de implicância, mas da interpretação óbvia deste enredo.

Vagas para idosos

Agentes de trânsito entraram em contato com o Massimo na manhã desta quinta-feira, 5, para esclarecer algumas situações a respeito das vagas reservadas para idosos.

De acordo com eles, a fiscalização tem ocorrido dentro das possibilidades da Smomu.

Aspas (1)

“Gostaríamos de informar que muitas multas têm sido aplicadas em resposta à má utilização das vagas reservadas para idosos. Em muitos casos, inclusive, observamos carros habilitados a estacionar em vagas para deficientes usando vagas para idosos, ou vice-versa. Nosso maior problema é que ficamos sem reboque durante algum tempo, mas a nova concorrência já foi realizada.”

Aspas (2)

“Também é importante registrar que existem flagrantes casos de abuso, sobre os quais pouco podemos fazer. Há uma vaga na Avenida Alberto Braune, por exemplo, que é praticamente ocupada de forma privativa por um morador de prédio que não tem garagem, e usa da prerrogativa da vaga de idoso para ali deixar seu carro durante dias inteiros. A lei não determina limite de tempo para a ocupação destas vagas, para não prejudicar quem precisa delas ocasionalmente. Mas sempre há quem pense apenas nos próprios interesses.”

Valendo tudo

E o que dizer dessas vagas “reservadas”, não muito longe da Igreja Luterana?

A coluna já havia alertado para a situação, e observa que ela vem se agravando constantemente.

Imagina se a moda pega...

Tração animal

Mudando de assunto, mas não completamente, o vereador Wellington Moreira vai comprar uma briga pesada, que interessa diretamente à grande comunidade de protetores dos animais em Nova Friburgo.

Deve ser incluído na ordem do dia da sessão de terça-feira, 10, o projeto de lei de sua autoria que “dispõe sobre a proibição na área urbana de Nova Friburgo da utilização de veículos movidos a tração animal e a exploração animal para esse fim”.

Redação (1)

De acordo com a redação da matéria, a proibição se refere a equinos, asininos, muares, caprinos e bovinos.

Tração animal é definida como “todo meio de transporte de carga e/ou pessoas movido por propulsão animal”, ao passo que condução de animais com cargas é descrita como “todo deslocamento de animal conduzindo cargas em seu dorso estando o condutor montado ou não”.

Redação (2)

“Ficam permitidas as atividades em estabelecimentos públicos ou privados, (...) tais como haras, turfe, hipismo, equoterapia, cavalgadas, bem como o uso de animais pelas forças públicas, militares ou civis”.

Por outro lado, “é vedada a permanência desses animais, soltos ou atados por cordas ou por outros meios, em vias ou em logradouros públicos, pavimentados ou não”.

Mobilização

Não é difícil perceber que Wellington está contrariando interesses econômicos ao se envolver com este tema, que o colunista considera de grande importância.

O Massimo sempre levantou a bandeira da causa animal, e não vai ser diferente desta vez.

A Câmara tem em mãos a oportunidade de dar uma importante contribuição para a melhoria da qualidade de vida de nossos irmãos de quatro patas.

Tomara que a aproveite.

Orgulho friburguense (1)

A Stam– Fechaduras e Cadeados, líder de mercado em sua área de atuação, mais uma vez destacou-se no prêmio Anamaco, que avalia a percepção que os lojistas têm das marcas com as quais trabalham.

Orgulho friburguense (2)

A empresa friburguense foi classificada em 1º lugar na pulverização, categoria fechaduras; em 2º lugar na grandes clientes, categoria fechaduras, e na pulverização categoria cadeados; além de ficar em 3º lugar na grandes clientes, categoria cadeados.

Parabéns a todos os responsáveis.

O Massimo tem a alegria de listar cinco vencedores para o último desafio.

Os amigos Manoel Pinto de Faria, Gilberto Éboli, Rosemarie Künzel, Stênio de Oliveira Soares, Sílvio Poeta e Eduardo Trigo reconheceram o imóvel na Praça Getúlio Vargas que abriga o Pinball e o Rei da Empada.

Eduardo, por sinal, fez um comentário bastante oportuno: “com tantos fios na frente fica complicado observar com clareza a beleza do prédio”.

Sem pergunta

A coluna acabou ficando maior do que de hábito, e por isso não teremos desafio neste fim de semana.

Um ótimo descanso a todos.

Foto da galeria
Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.