Recuperação fiscal?

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Para pensar:

“Pouco conhecimento faz com que as pessoas se sintam orgulhosas. Muito conhecimento, que se sintam humildes. É assim que as espigas sem grãos erguem desdenhosamente a cabeça para o céu, enquanto que as cheias as baixam para a terra, sua mãe.”

Leonardo Da Vinci

Para refletir:

“Quer a faca caia no melão, ou o melão na faca, o melão vai sofrer.”

Provérbio Tibetano

Recuperação fiscal?

A medida exigida pelo governo federal para a assinatura do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que prevê a ajuda financeira ao estado e a suspensão por três anos da dívida com a União e organismos internacionais, foi aprovada semana passada no plenário da Alerj.

A medida promete (mais uma vez) garantir o pagamento do salário dos servidores estaduais, inclusive o 13º de ativos e inativos, além do pagamento das dívidas com fornecedores e a interrupção dos constantes arrestos.

Mas...

Durante a votação do teto para os poderes, algumas vozes questionaram as alterações feitas à redação original.

O deputado estadual Comte Bittencourt, por exemplo, destacou que o texto aprovado pela casa, que definiu o patamar de 15,27% da despesa liquidada de 2015 para o teto dos poderes, não representa um esforço efetivo para auxiliar o Rio de Janeiro a sair da grave crise fiscal em que se encontra.

Para o parlamentar, o texto original, que mantinha o limite de gasto na casa de 10,67%, era a contrapartida que se esperava dessas instituições.

Aspas

"É preciso que todos deem a sua parcela de contribuição, os servidores não podem pagar as contas sozinhos, pois já foram prejudicados em outras votações na casa, na tentativa de garantir a aprovação do RRF. Nada mais justo, então, que todos os poderes se readequem para assegurar a normalidade do pagamento do nosso funcionalismo e que o Rio de Janeiro volte a ofertar os serviços públicos, de forma digna, à população. Porém, a porcentagem aprovada não representa o esforço esperado dos poderes do estado."

Resta ver se o patamar aprovado será suficiente.

Dando certo

Diversas pessoas procuraram o colunista durante a segunda-feira, 10, para dizer que a ideia do desafio fotográfico havia sido “copiada” pela Prefeitura, em sua página na internet.

A turma ficou meio escandalizada, mas o Massimo não vê mal nenhum na iniciativa que, ademais, pode ter sido inspirada em outras fontes também.

Há espaço para todos e, ainda que tenha havido alguma inspiração, ela só poderia ser compreendida como um elogio.

Sabem nada

É meio patético ver algumas pessoas - geralmente associadas a atitudes incompetentes ou antiéticas - tentando secar as fontes do colunista.

São, em geral, as mesmas figuras que, volta e meia, contam alguma historinha inventada às pressas, apostando que não conhecemos a verdade.

Sabem de nada.

Seriedade

O que muita gente ainda não entendeu é que o Massimo não aceita favores, nem vende a isenção em escala alguma.

Elogia o que acredita que mereça ser elogiado, critica o que lhe parece errado, protege as fontes e não expõe nada que não seja objetivo e para o bem comum.

Isso aqui é local de jornalismo sério, não de escândalos desnecessários ou sensacionalismo.

Confiança

A população, claro, percebe isso.

O único segredo para que a coluna tenha olhos e ouvidos em todos os lugares, e seja respaldada por uma rede de informações muito maior do que as pessoas imaginam, é a confiança junto aos leitores e à sociedade.

A palavrinha mágica é credibilidade.

Coisa que não se vende no mercado.

Foco errado

Mas, por que dizer tudo isso agora?

Porque de repente começou uma caça às bruxas em determinada unidade de saúde da cidade, todos querendo saber como o Massimo fica sabendo do que se passa lá dentro.

Estão enxugando gelo.

Mais proveitoso seria dedicar a mesma atenção para que a realidade do local melhore, e para que eles próprios mereçam a confiança de quem é sério.

É hoje!

O Sindicato dos Bancários e Bancárias de Nova Friburgo abre as portas de seu auditório na noite de hoje, 12, a partir das 18h30, para uma palestra sobre o tema Ideologia, ministrada pelo professor Ricardo Lengruber.

O contexto atual da política brasileira certamente estará na pauta.

O auditório fica na Praça Dermeval Barbosa Moreira, 28, sala 202.

Recado direto

É muito provável que algum dos leitores tenha informações a respeito do aparente crime ambiental que resultou na morte de dezenas de pássaros na manhã desta terça-feira, 11, possivelmente através de uma ação de envenenamento.

Esse é o tipo de ato que não pode ficar impune, e o colunista pede apoio para que os órgãos competentes consigam rastrear a origem desta covardia.

Quem faz esse tipo de coisa não tem sentimento, nem muito menos consciência.

Respostas (1)

Até o fechamento desta edição, a coluna havia recebido cinco respostas corretas a respeito do desafio publicado nesta segunda-feira, 10.

Cláudio Damião, Stenio de Oliveira Soares, Rosemarie Künzel, Rodrigo Anselmo e Silvio Poeta identificaram o detalhe do prédio que já abrigou a antiga LBA e a Secretaria de Assistência Social, na Rua Augusto Spinelli.

Houve divergências, no entanto, quanto aos detalhes suplementares, que os leitores sempre mandam.

Respostas (2)

Rodrigo Anselmo, por exemplo, escreveu: “A foto em questão é do antigo prédio da Legião Brasileira de Assistência inaugurado pelo presidente Getúlio Vargas em 1943 com a visita do próprio presidente à cidade.”

Já Rosemarie Künzel cravou: “Esse detalhe é do prédio situado na Rua Augusto Spinelli, onde até pouco tempo funcionava a Secretaria Municipal de Assistência Social. Ele pertencia a uma sociedade de alemães e deles foi tomado quando o Brasil entrou na Segunda Guerra Mundial, a exemplo do que foi feito com a Casa de Itália, hoje Edifício Itália, que foi devolvido à colônia italiana. O prédio da sociedade alemã passou a pertencer ao governo municipal.”

Tombamento

Por fim, Silvio Poeta não resistiu e fez graça com o estado de abandono do imóvel.

“Se continuar assim, ele vai ser tombado mesmo. Literalmente”.

Pergunta

Diversos leitores enviaram fotos, e o colunista promete aproveitar a maior parte destas imagens nos próximos dias.

Por hoje, contudo, vamos mais uma vez de Henrique Pinheiro, que enviou esta imagem misteriosa para o colunista publicar.

E aí, alguém se arrisca a dizer o que é ou onde fica?

Boa sorte a todos.

Foto da galeria
Publicidade
Agora Faz
TAGS:

Giuseppe Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.